quarta-feira, 3 de julho de 2019

Conselho de Segurança pede eleições livres e diálogo inclusivo na Guiné-Bissau

Image result for conselho de segurança das nações unidasO Conselho de Segurança das Nações Unidas lembrou hoje a importância da realização de eleições presidenciais pacíficas, credíveis, livres e justas na Guiné-Bissau, sublinhando a necessidade de um diálogo inclusivo de todos os protagonistas.

"Os membros do Conselho de Segurança lembraram a importância de as eleições presidenciais de 24 de novembro serem credíveis, livres, justas e pacíficas e sublinharam a necessidade de um diálogo inclusivo com todos os protagonistas para consolidar a paz e estabilidade na Guiné-Bissau", disse o presidente do Conselho de Segurança, o peruano Gustavo Meza-Cuadra.

Apelaram também aos líderes e a todos os partidos políticos do país que continuem a abster-se de incitar os seus apoiantes a ações violentas, depois das decisões saídas da cimeira do fim de semana da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO).

Os chefes de Estado e de Governo da CEDEAO estiveram reunidos em cimeira no sábado na Nigéria e determinaram que o Presidente guineense, José Mário Vaz, deveria nomear o Governo proposto pelo partido vencedor das legislativas de 10 de março e um novo Procurador-geral da República também até hoje.

A CEDEAO determinou também que José Mário Vaz continua como Presidente da Guiné-Bissau até à realização das eleições presidenciais, marcadas para 24 de novembro, mas sem poderes para se ingerir nos assuntos da governação.

O Conselho de Segurança "tomou nota da decisão da CEDEAO de que o Presidente deve assinar o decreto de nomeação do Governo até 03 de julho, de que o Governo deve preparar as eleições presidenciais a realizar a 24 de novembro e de que o Presidente ficará em funções até às próximas eleições, deixando o controlo total as questões governamentais para o novo executivo, em linha com a Constituição da Guiné-Bissau".

O Conselho de Segurança elogiou ainda a decisão de prolongar a missão da CEDEAO na Guiné-Bissau por um período de seis meses a partir de 01 de outubro e reafirmaram a continuação do seu apoio e compromisso com os parceiros regionais e internacionais de Guiné-Bissau, incluindo o Grupo dos Cinco (União Africana, Comunidade de Países de Língua Portuguesa, CEDEAO, União Europeia e Nações Unidas).
Rispito.com/Lusa, 03-07-2019

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público