quarta-feira, 1 de Outubro de 2014

Vários traficantes, incluindo da Guiné-Bissau e Cabo Verde, detidos em ação luso-espanhola

Catorze pessoas foram detidas, incluindo nove da Guiné-Bissau e uma de Cabo Verde, numa operação conjunta da Polícia Judiciária e da Guarda Civil espanhol que desmantelou uma rede de tráfico de heroína, coordenada em Portugal e nas Canárias.
Segundo informou hoje a Guarda Civil, os detidos incluem ainda dois cidadãos da Guiné-Conacri e dois da Republica Dominicana, tendo sido confiscados 4,7 quilos de heroína, 200 gramas de cocaína e 30 quilos de uma substância para a adulteração do estupefaciente.
As investigações incluíram sete buscas em Portugal, uma em Santa Cruz de Tenerife e outra em Lanzarote, durante as quais, além da droga se confiscou importante documentação relacionada com a rede.
Visão, 01 de Outubro de 2014


DSP - considera indispensável assistência da Comunidade Internacional

O primeiro-ministro da Guiné-Bissau, Domingos Simões Pereira considerou segunda feira em Nova Iorque que é indispensável a assistência da Comunidade internacional  ao novo ciclo politico que o pais enfrenta.

Indulto presidencial para o caso capitão Pansau N'Tchama

Detenção do capitão Pansau N'Tchama a 27 de Outubro 2012O presidente JOMAV revogou  através de indulto, uma parte das penas de prisão de cinco militares e um civil que haviam sido condenados pelo Tribunal Militar Superior por alegada tentativa de assalto a um quartel em 2012.
O indulto, que abrange o remanescente das penas de prisão que faltava cumprir, foi anunciado por fonte presidencial.

terça-feira, 30 de Setembro de 2014

OGE aprovado por unanimidade

São 91 Deputados é que se encontrava na sessão Parlamentar que procedeu a votação  do OGE
Depois de passar o Programa de Governo com um voto unânime pelos Deputados, ontem, dia 29 do corrente foi a vez de Orçamento Geral de Estado a receber o aval dos Parlamentares.
Nesta base, o Governo do Domingo Simões Pereira está facultado de todo o argumento necessário para implementar o compromisso prometido ao povo durante toda a campanha eleitoral.

Na ocasião, o Ministro da Economia e Finanças, Geraldo Martins, enalteceu o espírito da confiança dos parlamentares ao executivo e assegura que  o governo está mais legitimado.

DSP - Reforma do sector de defesa e segurança é principal prioridade da Guiné-Bissau

Image result for domingos simoes pereiraO primeiro-ministro da Guiné-Bissau, Domingos Simões Pereira, afirmou  à Lusa, à margem da 69.ª Assembleia-geral das Nações Unidas, que o programa de reformas do sector de defesa e segurança é a prioridade atual do país.
"Temos vários problemas, um dos principais é a necessidade de lançar o programa de reforma do sector de defesa e segurança, enquadrado na reforma de todo a administração pública, que é o grande desígnio do país", explicou o representante à agência Lusa.

Director-geral do GTAPE exonerado

O Director-geral do Gabinete Técnico de Apoio ao Processo Eleitoral (GTAPE), Cristiano Na Bitan, foi suspenso das suas funções, passando este lugar a ser ocupado por Alem Sanca, que antes do golpe de Estado de 12 de Abril desempenhava a função.

domingo, 28 de Setembro de 2014

Explosão de mina faz 21 mortos na Guiné-Bissau

O ministério da Administração Interna (MAI) da Guiné-Bissau enviou uma equipa de averiguações para o local do acidente com uma viatura de transporte coletivo que na sexta-feira provocou 21 mortos, disse à Lusa o porta-voz ministerial.

Portugal pede apoio técnico e financeiro para Guiné-Bissau

Portugal defendeu  nas Nações Unidas o apoio dos parceiros internacionais na capacitação técnica e assistência financeira à Guiné-Bissau, aproveitando o "virar de página" que representaram as eleições recentes naquele país lusófono.

sábado, 27 de Setembro de 2014

JOMAV VOLTA  PEDIR O REGRESSO DOS EMIGRANTES

24 de Setembro, dia histórico mais importante da republica e dos cidadãos guineenses, cujo as celebrações anuais revê no espírito de encontrar melhores dias.
Este ano e a semelhança dos outros,  a data foi celebrado com manifestações, festejos e discurso oficial, que sempre fez desse povo martirizado igual a si mesmo em cada ano... Tranquilo, ordeiro e sempre esperançoso.

A importância do discurso pronunciado foi inquestionável em todos os aspetos referenciados e, pela segunda vez, os guineenses acolheram com agrado os aparecimentos oficiais de Sua Exª. Sr presidente da republica, outrora na tomada de posse e esta ultima no discurso oficial do dia nacional da independência. Usando discursos encorajadores, que estende braços ao otimismo e que envolve a união para a luta conjunta contra o pessimismo. Pois, diz-se que  a bondade em palavras cria confiança; a bondade no pensamento cria oportunidade e a bondade em dádivas cria amor.

Sem exagero nem hipocrisia, mas já se começa a cheirar o sabor agradável e dos sinais indicativos da verdade, seriedade e o espírito de trabalhar na base honesta, porque na vida tudo tem indícios... Quando vem algo de  mau, os principais sinais são do desentendimento e de tensões frequentes. Mas se for para bem, reina-se o entendimento, compreensão e tolerância. Ou seja, de uma forma ou de outra, por mais que seja insignificante, as pequenas manifestações do quotidiano envia-nos os sinais indicativos do caminho pela qual estamos direcionados.

Sem duvidas o país se confronta com muita necessidade o que requer grande ponderação para achar de forma certeira o ângulo primário de ataque. O que não é nada fácil mas muito possível com a vontade e esforço de todos os guineenses. 

Como guineense e a semelhança de "N" vezes, aqui gostava de analisar a parte repisada e sublinhada pelo Presidente da Republica ao que se toca com a feitura das malas dos emigrantes rumo a volta o mais rápido possível, e... Dizer antes de tudo, que são poucos entre os concidadãos que pensa fazer da Diáspora o seu habitat definitivo. Certo é que na vida, uma coisa é querer e outra coisa é poder... Onde o querer está totalmente condicionado pelo poder, porque sem o poder, o querer fica na mera ilusão e num dilema do impasse na viragem de buscar ali e de aventurar acolá sempre com intenção de achar o poder para dinamizar o querer. 

E no dilema de procurar o alcance do poder para concretizar o querer é que o carácter de vai e vem se transforma num costume do emigrante enquanto que os anos vão passando, e na maioria dos casos, sem uma definição estável de vida. 

Em muito dos casos, as famílias separam sem poder de se voltarem a reagrupar. A falta do poder financeiro de sustentar os dois lados (país de origem e país acolhedor), solidifica o rancor. Os filhos aparecem; crescem com necessidades de educação e de preparar para o futuro. Essa preocupação chega como a primeira causa para a dor de cabeça dos pais (emigrantes nesse caso).
A falta de decisão de ficar ou de voltar, mantêm-se numa dúvida inultrapassável. Por vezes, o desejo de voltar predomina, mas, quando se efectua visita a pátria, a localidade onde o emigrante nasceu e viveu, os familiares e amigos que aí deixou, o panorama muitas vezes não atrai. O ping-pong de andar desamparado, continua atrapalhar a tomada de decisão para um novo rumo de vida. A pergunta de «que fazer?» continua sem resposta. 

Ainda que alguns possam até estar de  certas possibilidades financeiras e com vontade de voltarem, mas uma outra preocupação dupla não deixa de ser uma chatice e o martelo da cabeça... Ou seja, a forma de integração na vida do país deixado há muitos anos  em caso de volta; e a incerteza de perder aquilo que custou o sacrifício de tantos anos de procura nas terras de outrem.

Para uns, a semelhança de muitos que agora têm esposas e filhos na diáspora, carrega-los de volta e reeduca-los na origem, em alguns casos é coisa que envolve um processo muito complicado que so o governo de origem pode ter possibilidades de resolver e que não custa pouco; e em outros casos é  quase que impensável, pelo dito vulgar de muitos que a situação do país ainda está a quem das condições para responder  a tamanha exigência necessária para implementar uma iniciativa de grande envergadura, mas que, sem dúvidas,  bastante boa.

Enquanto isso, a família do emigrante, lá continua no país da emigração, a aprender a língua e aturar tudo que for necessário, sem perder com os hábitos diarios desse mesmo país.
Ao passar de tempo, o emigrante mergulhado na continua duvida ilusória de voltar ou não. Muitos acabam por fixar a certeza na impossibilidade de  pensar no regresso. Uns por serem velhos e com mãos cheias de nada, outros por perca de curriculum mas ainda imbuídos de orgulho de fazerem algo antes de voltar. E outros pelo pessimismo irreversível da insegurança no país de origem.

Seja como for, o apelo de volta dos guineenses é mais uma  demonstração de boas intenções e a idealização de boa governação. Primeiro pelo interesse de juntar muitas ideias e muitos pensadores no país; Segundo pelo aumento da massa critica no país... Uma ideia fantástica e acolhida com agrado. 
Mas a iniciativa requer mais do que simples  apelo porque entre muitos, essa decisão de voltar, transcende um simples dizer que eu volto e voltar, pelo resumo supracitado. Ou seja, o caso requer uma politica Diplomática e negociada entre Guiné-Bissau e os principais países acolhedores na Diáspora de vários acordos. Assim como elaboração de uma politica interna pensada principalmente na reintegração dos cidadãos de forma abrangente e cativante.

Do resto é de acreditar que em cada guineense existe algo nato e muito importante que se chama de "amor a pátria"... Pelo que, cada guineense na Diáspora vive de saudades e com dores diárias de estar fora da Guiné-Bissau... Cada guineense na Diáspora vive de angustia do seu desapego com a Guiné-Bissau... Cada guineense na Diáspora vive com resignação de estar a esgotar a sua capacidade intelectual, a gastar o seu esforço físico e a ser simplesmente usado na terra de outrem quando bem podia dar o seu contributo na terra que lhe acolheu pela naturalidade e lhe deu a primeira nacionalidade. 

Mas... Tal como os ideias nascem dos pensamentos, crescem com as palavras, mas que depois são materializadas com os atos... A comunidade guineense da Diáspora já está com alerta máxima e aguarda com as malas meia arrumadas de perceber como?... e de que maneiras?...poderá aproveitar essa janela de oportunidade que se avizinha, para os que assim bem entenderem poderem voltar, assistir e contribuir no amplo processo do desenvolvimento da nossa querida e estimada Republica da Guiné-Bissau.
Bem haja.
Samba Bari

sexta-feira, 26 de Setembro de 2014

Timor-Leste apela na ONU para apoio internacional à Guiné-Bissau

O primeiro-ministro de Timor-Leste, Xanana Gusmão, apelou hoje, no discurso proferido na 69ª Assembleia-Geral da ONU, a decorrer em Nova Iorque, Estados Unidos, para a comunidade internacional apoiar a Guiné-Bissau.
"Aproveito para fazer um apelo a todos os países aqui presentes para se juntarem a Timor-Leste e aos parceiros da CPLP (Comunidade dos Países de Língua Portuguesa) para em cumprimento com os mais altos valores da solidariedade internacional apoiarem a consolidação dos ganhos alcançados pelos guineenses", afirmou Xanana Gusmão.

Guiné-Bissau e São Tomé e Príncipe impedidos de votar na ONU

Cinco países, entre os quais a Guiné-Bissau e São Tomé e Príncipe, estão impedidos de votar na 69.ª sessão anual da Assembleia-Geral da ONU por terem contribuições financeiras em atraso.

A lista dos países em falta, completada por Somália, República Centro-Africana e Comores, bem como o texto do artigo 19 da Carta das Nações Unidas que consagra a norma, encontram-se no site da organização, cujo órgão plenário se encontra reunido em Nova Iorque até 30 de Setembro.

"Nos termos do Artigo 19 da Carta, um estado-membro com atrasos no pagamento das suas obrigações num montante igual ou superior às contribuições dos dois anos anteriores pode perder o seu direito de voto na Assembleia-Geral", lê-se na página da Internet.

Geraldo Martins promete pagamento dos salários em atraso 2013/14 até fim do ano

Os ordenados em atraso na função pública da Guiné-Bissau relativos a 2014 e 2013 vão ser pagos até final do ano, anunciou hoje o ministro das Finanças, que prometeu uma estratégia para os casos mais antigos, que remontam a 2000.
O nosso objetivo é fecharmos o ano sem [vencimentos] atrasados de 2013 e 2014 e com uma pequena margem para efetuar despesa no início de 2015", referiu hoje Geraldo Martins, numa conferência de imprensa conjunta em Bissau com uma missão do Fundo Monetário Internacional.

quinta-feira, 25 de Setembro de 2014

Arroz, dependência desnecessária

(artigo escrito e publicado em 29/10/2011)[1]
De acordo com os dados estatísticos[2] de 2009, o comércio externo da Guiné-Bissau teve um desempenho negativo em termos de saldo comercial, em cerca de 20,5 Bilhões de Fcfa, assim desagregado: Importação 54,9 Bilhões de Fcfa; Exportação 34,5 Bilhões de Fcfa; Saldo Comercial - 20,5 Bilhões de Fcfa. A Taxa de Cobertura foi de 63%.
Estes dados refletem o seguinte: a Guiné-Bissau depende (cerca de 47%) do exterior para a manutenção da sua sobrevivência em termos de abastecimento de produtos à sua população. Obviamente que o impacto negativo do saldo comercial guineense, no montante de 20,5 Biliões de Fcfa, é muito dinheiro para um País que tem efectivamente recursos naturais suficientes para contrariar essa tendência.

Comunicado de Imprensa

No âmbito da sua missão de monitorização permanante da situação dos direitos humanos no país, a Liga Guineense dos Direitos Humanos recebeu com bastante preocupação a denúncia que dá conta da execução sumária e gratuita de um cidadão guineense de nome Etchem Mendes, perpetrada pelos agentes da Policia de Ordem Pública.
Tudo aconteceu na noite do dia 19 de Setembro 2014, quando o malogrado que se encontrava num restaurante sito no bairro de Sāo Paulo, em Bissau, foi interpelado com a ordem de detenção  por um grupo de agentes armados e afectos à Polícia de Ordem Pública, sem qualquer mandado emitido pelas autoridades competentes.
Na tentativa de questionar as razões da sua detenção, Etchem Mendes foi barbaramente espancado pelos mesmo, tendo acabado por falecer no mesmo dia em consequência das agressões infligidas. Igualmente, os supostos autores deste macabro acto tentaram ocultar o cadaver aos familiares da vítima, os quais só tiveram acesso ao corpo dois dias depois do sucedido.
Esta conduta criminosa e inaceitavel num Estado de Direito em particular no momento sensível que o país atravessa, vem somar aos tantos outros casos de assassinatos e de brutalidades perpetrados pelos agentes da Polícia de Ordem Pública nos últimos anos,  os quais nunca foram conclusivamente investigados devido à cumplicidade dos superiores hierárquicos desta corporação policial. 

Em face do acima exposto, a Direcção Nacional da Liga Guineense dos Direitos Humanos delibera os seguintes:
1. Condenar severamente este acto cruel e intolerável que ceifou mais uma vez a vida de um cidadão guineense num contexto em que as aspirações do povo se direciona para a reconciliação nacional e mudança de comportamentos susceptiveis de pôr em causa a frágil establidade no país;

2. Exigir a abertura de um inquérito sério, responsável, transparente e conclusívo com vista a punição exemplar dos autores morais e materiais deste crime hediondo.

3. Exigir a transferência imediata do processo de investigação deste caso para a Polícia Judiciária por forma a assegurar maior transparência, independência e credibilidade do mesmo.

4. Apresentar as suas mais sentidas condolências à família enlutada e rogando a Deus que a sua alma descanse em paz eterna.
                     
Pela Paz, Justiça e Direitos Humanos  
Feito em Bissau aos 25 dias do mês de Setembro 2014