quarta-feira, 6 de maio de 2015

Lançamento oficial do Processo REDD+ 

Barros Bacar Banjai
A Secretaria de Estado do Ambiente através da Direção-geral do Desenvolvimento Durável procedeu esta terça-feira, 05 de maio, o lançamento oficial do Processo REDD+ (Redução de Emissões de Gases com Efeitos de Estufa por Desmatação e Degradação Florestal) e o projeto TCP/GB (Projeto de Cooperação Técnica na Guiné-Bissau).
Presidiu o ato na presença dos parceiros do sector ambiental, o Secretario de Estado do Ambiente que indicou que as florestas constituem um capital natural incomensurável prestando serviços de grande importância, enfatizando a sequestração do carbono, a manutenção da precipitação na região, a regulação do ciclo hidrológico, reciclagem de agua, manutenção dos processo ecológicos essenciais à biodiversidade, estocagem de nutrientes, fonte de alimentos de matéria para construção mobiliaria farmacopeia.
Barros Bacar Bandjai, relembrou que a Guiné-Bissau em 2007, tinha área florestal aproximadamente de 02 milhões de hectares, constituindo 71% do território nacional com mangal 248 mil ha, floresta húmida, 172 mil há, floresta seca,936.800 ha e savana, 926 mil há.
O governante anunciou que os dados constituem uma enorme preocupação do governo ocorrência de desflorestação, os níveis de degradação cada vez mais acentuados nas regiões de savana, representando 71% afectando essencialmente as regiões de Bafatá, Gabú e Oio.
Barros disse ainda que nas florestas sub-humanas a degradação representa 30% circunscreve-se à regiões de Quinará, e Tombali nos mangais a degradação é na ordem de 19%. Solidarizando com a decisão do governo em instruir naquilo que considera justa moratória de 05 anos referente ao corte de essenciais florestais, a fim de permitir uma regeneração natural repondo o valor eco-sistémico  que este recurso vital representa para as comunidades, o país e o mundo em geral.  
Enquanto ambientalista o membro do governo reafirma o firme propósito que “A Hora é de Acão” e que devem lançar a partir do horizonte temporal estabelecido.
O objetivo do projeto visa ter um sistema de monitorização nacional, uma legislação que regulamenta a gestão durável dos recursos florestais, reduzir as emissões de gases por desflorestação e degradação florestal, conservar, gerir de forma durável as florestas e aumentar o stock de carbono armazenado nela, o mecanismo de REDD+ e, neste momento um elemento de negociação internacional da Convenção Quadro das Nações Unidas para as alterações climáticas.
O projeto é financiado pelo Banco Mundial e FAO e terá a duração de um ano e oito meses.
Lai Baldé/Rispito.com, 06 de Maio de 2015

Chumbou a providencia cautelar mas os empresários ainda continuam firmes e determinados

Mamadú Saliu Lamba              Idriça Djaló
Após o Tribunal Regional de Bissau ter indeferido a providência cautelar remetida a esta instância judicial pelo coletivo de empresários contestatários da atual direção da CCIAS, o grupo voltou-se a carga com um recurso sobre a matéria e uma ação judicial ao Ministério Publico para a prestação de contas de gerência de CCIAS.
Em conferência de imprensa esta terça-feira, 06 de maio, o coletivo empresarial acusa atual direção liderado por Braima Camará de comprar viaturas aos alguns magistrados judiciais. Como isto não bastasse, querem saber o paradeiro de 02 bilhões de francos cfa destinados para a transformação de castanhas de cajú.
Por outro lado, Idrissa Djaló e Mamdú Saliu Lamba acusam ainda a direção de CCIAS de ter recebido 11 milhões de francos cfa da empresa de combustíveis Helton desconhecendo até agora o paradeiro do dinheiro. Convidando por isso, o Primeiro-Ministro guineense e o Ministro da Economia e Finanças para inteirarem-se em que circunstancia que o montante foi disponibilizado para a Câmara de Comercio.
O grupo considera o silêncio das autoridades sobre este caso de assustador. E questiona o porquê até agora as autoridades judiciais não se levantaram inquérito sobre a matéria, uma vez que, tem a ver com desvio de dinheiro.
O grupo afirma que a justiça guineense tem dois pesos e duas medidas neste processo, apesar disto não vão desistir até ao desfecho final do caso e garantem respeitar na íntegra a decisão que poderá resultar nesta matéria que envolve os empresários guineenses.
Lai Baldé/Rispito.com, 06 de Maio de 2015

A castanha de cajú já está a ser vendida 650 Francos CFA 

Jaime Gomes
O Presidente da Associação Nacional dos Agricultores da Guiné-Bissau (ANAG) anunciou esta quarta-feira, 06 de maio, em Bissau que 01 Kg de castanha de cajú está a ser comprada actualmente no país, 650 francos cfa.
Jaime Gomes que falava na margem da conferência de imprensa do grupo de empresário contestatários da gerência da CCIAS, sublinhou que o preço poderá ainda acrescer ao nível nacional, por isso, apela aos produtores de castanhas de cajú, para guardarem os seus produtos para um preço mais elevado e aconselha os para não serem conduzidos a vender as suas castanhas, num preço inferior a 550 francos cfa por kg.
De referir que, neste momento encontram se na Guiné-Bissau, um número favorável de empresários indianos a comprar castanhas de cajú, no preço de 650 francos cfa por kg deste produto considerado ouro na guiné-Bissau.
Lai Baldé/Rispito.com, 06 de Maio de 2015

Portugal e Guiné-Bissau assinam em julho documento estratégico de cooperação

A Guiné-Bissau e Portugal assinam no dia 04 de Julho um Programa Estratégico de Cooperação, disse hoje em Bissau o secretário de Estado dos Negócios Estrangeiros e Cooperação português, Luís Campos Ferreira.
O governante, que se encontra de visita à Guiné-Bissau, sublinhou que as reuniões que tem tido na capital com diferentes responsáveis políticos guineenses visam sobretudo ter condições para a assinatura do programa na data prevista, em lugar a indicar.
Campos Ferreira falava aos jornalistas à saída de uma audiência com o presidente do Parlamento guineense, Cipriano Cassamá.
O responsável português destacou que a composição da delegação que lidera é prova da importância que Portugal atribui à Guiné-Bissau na sequência do restabelecimento da ordem democrática, após o golpe de estado militar de 2012.
Luis Campos Ferreira frisou ser intenção de Portugal trabalhar no aprofundamento das relações com a Guiné-Bissau, "com uma maior presença de Portugal" em termos da cooperação entre os dois países.
RTP noticias, 06 de Maio de 2015

terça-feira, 5 de maio de 2015

Ministra da Defesa da Guiné-Bissau anuncia desmobilização de 500 militares

A ministra da Defesa da Guiné-Bissau, Cadi Seidi, anunciou hoje que até final do ano serão desmobilizados 500 elementos das forças armadas e de segurança do país, no âmbito da reestruturação do setor.
"Se tudo correr bem, até 31 de dezembro vamos tirar das fileiras das forças armadas e de segurança 500 pessoas", referiu a governante.
Cadi Seidi falava aos jornalistas à margem de uma cerimónia de doação de equipamentos avaliados em 3,5 milhões de euros por parte da China para o Ministério da Defesa guineense.
A passagem à reforma de 500 elementos deverá abranger as categorias mais altas da hierarquia: "provavelmente não haverá muitos soldados, haverá mais oficiais" nesta fase, explicou a ministra.
"Vamos dar o pontapé de saída", mas a reestruturação do setor é "um trabalho para vários anos" com o objetivo de transformar as estruturas militares e de segurança "em Forças Armadas republicanas da Guiné-Bissau" - ou seja, submetidas ao poder político.
A Guiné-Bissau conta com cerca de 4.200 militares nos diferentes ramos e estão identificados cerca de 2.000 dispostos a sair, uns voluntariamente, outros por motivo de doença e outros ainda por terem alcançado o limite de idade, disseram à Lusa fontes militares ligadas ao processo.
Para o efeito está prevista a criação de um Fundo de Pensões.
A reestruturação do setor visa manter os efetivos das forças de defesa e segurança afastados da esfera política, em que têm intervindo com sucessivos golpes de Estado e outras insurreições, sendo um dos focos de instabilidade ao longo dos 40 anos de independência do país.
O último golpe militar aconteceu em 2012 e conduziu a um período de crise de dois anos, ultrapassado a nível constitucional com as eleições gerais de 2014.
Lusa, 5 de Maio de 2015

Função pública da Guiné-Bissau tem funcionários a mais e sem qualificações

O ministro das Finanças da Guiné-Bissau, Geraldo Martins, admitiu hoje a existência de funcionários públicos "a mais e sem qualificações" o que impossibilita aumentos dos salários nos próximos tempos.
Geraldo Martins falava numa conferência de imprensa de balanço de uma missão de consultas do Fundo Monetário Internacional (FMI) para a assinatura de um programa de assistência técnica com o Governo guineense.
A existência de funcionários "sem qualificações" na função pública foi apontada pelo chefe da missão do FMI para a Guiné-Bissau, Félix Fisher.
"Herdámos uma situação bastante complicada. Houve uma entrada massiva de pessoal na função pública, sobretudo nos últimos dois anos ", disse o ministro das Finanças guineense.
Geraldo Martins adiantou que essa entrada originou um aumento substancial da folha de pagamentos aos servidores públicos desde 2012, com a massa salarial a subir dos 2,4 para 3,5 mil milhões de francos CFA por mês (de 3,6 para 5,3 milhões de euros).
Em termos globais, registou-se um aumento na massa salarial em cerca de 30%, declarou o ministro das Finanças, realçando as dificuldades do Estado em pagar e aumentar os salários aos servidores públicos, como reclamam os sindicatos.
Para Geraldo Martins, o caminho passa pelo saneamento do pessoal "sem qualificação" para desta forma pensar-se nos aumentos salariais.
Lusa, 5 de Maio de 2015

segunda-feira, 4 de maio de 2015

Cipriano Cassama recebe o seu homologo da Mauritânia em Bissau 

O Presidente da Assembleia Nacional Popular da República Islâmica de Mauritânia está em Bissau para uma de trabalho de 04 dias, com as autoridades do país.
Mohamed Ould Boilil e seu homólogo guineense, Cipriano Cassamá, reuniram-se esta segunda-feira, 04 de maio para debater cooperação entre os dois parlamentos e atual situação sociopolítica da Guiné-Bissau.
 Após a audiência, Mohamed Boilil disse à imprensa que está em Bissau ao convite do Presidente do parlamento guineense.
“A minha visita aqui é da cortesia ao meu colega e amigo do parlamento guineense, como sabem o meu país tem excelente relações com o vosso, para nós a Guiné-Bissau é um país irmão, é isso que estamos aqui e também quero vos dizer que está aqui uma grande comunidade mauritana que vive numa condição aceitável da segurança económica e social está bem integrada.

Também em Mauritânia há uma grande comunidade guineense que vive lá e participa no processo de desenvolvimento do nosso país, e que se comparta de uma forma exemplar.
Eu e o meu amigo vamos focalizar várias pistas de cooperação parlamentar que vamos discutir durante a minha estadia aqui, em princípio a visita iniciou bem e vai também terminar bem, temos muito respeito para o povo guineense, vamos reforçar as vantagens da nossa cooperação parlamentar.” Disse.
Durante 04 dias, o Presidente do parlamento da Mauritânia efetuará uma visita de cortesia ao Presidente da República, José Mário Vaz e o Primeiro-Ministro Domingos Simões Pereira. 
Antes de deixar Bissau, Mohamed Boilil, vai depositar coroa de flores no Mausoléu Amílcar Cabral deslocar-se-a à região de Bafatá onde visitará a casa onde viu nascer o fundador da nacionalidade guineense e cabo-verdiana, Amílcar Lopes Cabral.
Lai Baldé/Rispito.com, 4 de Maio de 2015

Balanco da operação 1º de Maio

06 mortos, 20 casos de agressões físicas e 15 de acidentes constituem ao balanço das festividades do 1º de maio, Dia Internacional dos Trabalhadores na Guiné-Bissau.   
Falando esta segunda-feira, 04 de maio na capital guineense, o Comissário Nacional Adjunto da Polícia da Ordem Pública do Ministério da Administração Internas, sublinhou que o 1º de maio de 2015, ceifou 06 vidas humanas devido à desobediência as leis, excesso de velocidade, consumo de álcool e outras práticas condenáveis na sociedade.
Madjor João Vilela da Silva, indicou que os casos de agressões físicas registados estão associados com o excesso de álcool. 
O policial disse ainda que a população desrespeitou apelo lançado pelas autoridades antes do 1º de maio, referindo comparativamente ao ano transato, 2015, se registou mais casos de agressões físicas.
Lai Baldé/Rispito.com, 4 de Maio de 2015

Portugal e Guiné-Bissau preparam Plano Estratégico de Cooperação 2015-2018

nullPortugal e a Guiné-Bissau vão iniciar na sexta-feira, na capital guineense, as consultas formais bilaterais sobre o Plano Estratégico de Cooperação 2015-2018 a assinar em Julho.
O assunto está na agenda do secretário de Estado dos Negócios Estrangeiros e da Cooperação de Portugal, Luís Campos Ferreira, que vai visitar a Guiné-Bissau entre terça e sexta-feira.

Biagué Na N'Ta vai realizar esta semana contactos com os seus homólogos da CPLP

O Chefe do Estado-Maior General da Forças Armadas da Guiné-Bissau, Biagué Na N'Tan, vai realizar esta semana contactos com os seus homólogos dos países de língua oficial portuguesa, anunciou hoje a chefia militar guineense em comunicado.
Os encontros vão decorrer em paralelo com a XVII Reunião de Chefes militares da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP), de 06 a 08 de maio, em Luanda, Angola.

Governo recolhe a madeira cortada de forma ilegal em Bissau para efeitos de leilão

Governo guineense iniciou no fim-de-semana o transporte para Bissau de 140 mil toros de madeira confiscada por ter sido cortada de forma ilegal e que será agora leiloada, disse o ministro da Administração Interna guineense
A madeira confiscada encontrava-se em diferentes pontos da floresta guineense e o produto será vendido em hasta pública, sendo a receita revertida para os cofres públicos, mais concretamente, para o quartel da Guarda Nacional no bairro da Santa Luzia, indicou o ministro Octávio Alves.
Os donos da madeira confiscada terão 90 dias para reclamar junto de uma comissão interministerial a legalidade do processo de corte, sem o que o produto avança para venda.
"Vamos analisar cada caso, se a pessoa conseguir provar que efectivamente a sua madeira foi cortada de forma legal, o produto não será vendido, se não, a comissão procederá a venda", indicou o ministro da Administração Interna, citando um despacho do primeiro-ministro, Domingos Simões Pereira.
Durante o período de transição -- a seguir ao golpe de Estado de Abril de 2012, as autoridades regionais instituíram um período de cerca de um ano e meio para que a Guiné-Bissau organizasse eleições - a floresta guineense foi alvo de corte desenfreado de madeira.
Segundo o Governo e organizações de defesa do ambiente, o corte foi feito por madeireiros e outras pessoas que obtiveram licenças dadas pelas então autoridades que geriam o país.
RDP Africa, 4 de Maio de 2015

domingo, 3 de maio de 2015

Guiné Bissau defende o Islão da paz e tolerância

Logótipo da Organização da Cooperação Islâmica, de que é membro, a Guiné Bissau.Ministros da Comunicação e cultura da Organização da Cooperação Islâmica, reuniram-se, esta semana, em Dacar, para analisarem o Islão, como religião de paz e incentivar a juventude a praticar a tolerância e a paz.
O papel da juventude e dos meios da comunicação social, foram temas centrais de uma reunião, organizada esta semana, em Dacar, no Senegal, pelos Ministros da Cultura e Comunicação social, dos países da OCI, Organização da Cooperação Islâmica.

AMIC quer saber o que fazem 750 menores traficados devolvidos às famílias

nullA Associação dos Amigos da Criança (AMIC) da Guiné-Bissau apoiou em dez anos o regresso às famílias de 750 menores traficados e agora quer saber "o que fazem da vida", explicou à Lusa o secretário-executivo, Laudolino Medina.
"Queremos saber o que estão a fazer, quais as perspetivas de vida e como os podemos ajudar a realizar os seus sonhos no contexto das regiões onde vivem", referiu.

sexta-feira, 1 de maio de 2015

1 de Maio sem festas na Guiné-Bissau

Um 1º de Maio que não reuniu pessoas em festa, diferente do habitual na Guiné-Bissau, facto que pode ser  considerado pelo desapontamento manifestado publicamente pelo presidente da republica, num encontro que juntou os sindicatos nacionais,  membros  de governo, funcionários públicos e varias entidades nacionais.

Na ocasião, o chefe de estado criticou a atuação e desempenho do governo e manifestou em viva voz a sua preocupação com o estado do país e do povo, tendo em conta que a sua eleição foi baseada na confiança popular perante a sua pessoa, por isso mesmo a pouca dinâmica do executivo lhe deixa com noites de insónia. 

Presidente da republica disse estar calado e que até muitos ja devem estar a criticar, mas deixou um repto de que tem uma audição apurada e uma visão longa do que está a passar, mas sempre é preciso ser calmo para reunir mais razões antes de reagir.

Dai que lançou perguntas se ha razões de manifestar o dia mundial do trabalhador perante esse estado desagradável do desempenho do executivo e da administração publica.

Uma declaração que certamente leva entender a eminencia de mais uma crise institucional cujo o momento de tensão deitou por baixo os ânimos habituais de festejo popular do dia 1 de Maio na Guiné-Bissau

quinta-feira, 30 de abril de 2015

Comissão Permanente do parlamento condenou a retirada de duas escoltas do presidente de ANP

A Comissão Permanente do parlamento guineense, órgão substituto da plenária da ANP, condenou hoje em Bissau, o ato de retirada da guarda reforçada e de duas escoltas motorizadas ao Presidente da Assembleia Nacional Popular que lhe tinha sido colocado pelo Ministério da Administração Interna, no âmbito da sua deslocação ao Norte do país.
Os deputados afirmam que a luz das legislações, o Presidente da ANP tem direito a duas escoltas motorizadas citando art.7º nº 01, al. g) da lei Orgânica da ANP, e manifestam-se a sua solidariedade para com o Presidente da ANP e a comitiva que o acompanhava durante o périplo ao Norte do país.
A Comissão Permanente exalta a postura do Presidente do hemiciclo guineense assumida face ao sucedido e instrui a Comissão Especializada Permanente para Defesa e Segurança e Assuntos Constitucionais a tomar as devidas diligências legais tendentes ao apuramento cabal dos factos. 
Os parlamentares terminam a deliberação da Comissão Permanente aconselhando a reposição da situação laboral anterior dos 02 motares que foram suspensos das suas funções na sequência das retiradas das motorizadas, uma vez que segundo a delibação a que o Rispito.com teve acesso, estes se encontravam apenas a cumprir a missão que lhe foram confiada legitimamente.
Lai Baldé/Rispito.com, 30 de Abril de 2015

Lamba anuncia criação de uma nova Câmara de Comercio na Guiné-Bissau

O empresário Mamadú Saliu Lamba anunciou hoje em Bissau, que não apresentou a sua candidatura à corrida para a liderança da CCIAS, por falta de transparência da atual direção e promete criação de uma nova Câmara de Comercio no seio do sector privado guineense. 
Em conferência de imprensa esta quinta-feira, 30 de Abril, o empresário disse ter interposto uma providência Cautelar ao tribunal regional de Bissau para inviabilizar a dita assembleia geral da CCIAS com intuito de evitar o mal maior na classe empresarial do país.
Lamba, indica que ninguém deve ser contraditório consigo mesmo, por isso é que ele se posiciona em não apresentar a sua candidatura pois isso significava simplesmente legitimar Braima Camará como presidente da CCIAS e não faria sentido o fazer uma vez que já interpelou uma providencia cautelar para anular a Assembleia-Geral recentemente feita de forma dolosa.

Ao referir o caso da justiça, Lamba disse que ja passaram duas semanas ainda continua sem alguma notificação judicial que pronuncia alguma coisa sobre a sua providencia cautelar.
Dai que acha muito necessário explicar a opinião publica em geral de que,  reúne todas as condições de avançar com candidatura, só não o fez pela razão supracitada.

Seguidamente, adianta que a atual Câmara de comercio está desde presidente até no vice-presidente politizado, com Deputados a frente da Direção, fazendo com que ninguém consegue saber que, afinal, se o setor privado é um ministério ou é sede do parlamento. 
Por isso mesmo que o problema da Câmara não pode ser resolvido uma vez que, quem o podia fazer se caracteriza de um jogador e arbitro ao mesmo tempo.
Para terminar, o Lamba disse que a partir de hoje, a sua sede está aberta para quem quiser inscrever como militante ou membro na formação de uma nova Câmara de Comercio na Guiné-Bissau.
Lai Baldé/Rispito.com, 30 de Abril de 2015

PM satisfeito com as medidas fiscais e controlo de despesas

O primeiro-ministro da Guiné-Bissau, Domingos Simões Pereira, considerou "corajosas" as medidas tomadas pelo seu Governo para controlar as despesas do Estado e a fiscalidade no país, fazendo aumentar as receitas tributárias.
"As receitas fiscais têm vindo a aumentar de forma significativa em relação aos anos anteriores, devido a medidas corajosas adotadas pelo Governo, nomeadamente o controle das faturas e a drástica redução das despesas não tituladas", referiu, num encontro, na quarta-feira, com dirigentes da Nações Unidas, citado num comunicado do Governo guineense.
Domingos Simões Pereira falava através de videoconferência com o grupo de conselheiros do Fundo para a Consolidação da Paz da ONU, numa ligação estabelecida entre o escritório da missão das Nações Unidas em Bissau e Nova Iorque.

FMI aconselha guineenses a manterem o momento de paz e estabilidade

Image result for fmiO Fundo Monetário Internacional (FMI) aconselhou os guineenses no sentido de manterem o actual momento de paz e estabilidade política de que o país goza há praticamente um ano, após as eleições Gerais que tiveram lugar na Guiné-Bissau, em 2014.
Falando à PNN em conferência imprensa esta quarta-feira, 29 de Abril, em Bissau, à margem da apresentação do retrato sobre a instabilidade na Guiné-Bissau, o chefe da missão do FMI que se encontra no país, Felix Fischer, justificou o conselho com o facto de a Guiné-Bissau apresentar, no passado, mais ciclos de instabilidade em relação aos restantes países lusófonos.
«Temos feito uma comparação com os outros países lusófonos, e vimos que este país infelizmente teve uma incidência muito mais alta de instabilidade e de golpes repetidos, pois a instabilidade tem um impacto directo sobre a capacidade da Guiné-Bissau em crescer e motivar o sector privado, de investir e de avançar com a educação e formação», revelou.
«A conclusão é a importância de manter a paz e a estabilidade política e resolver todos os problemas e diferenças, através de meios pacíficos e debates de lições de uma democracia viva», referiu Fischer.
O economista do FMI falou ainda sobre a situação económica do país, dizendo que «estamos a fazer uma avaliação que ainda não acabou e não posso dar as conclusões, mas pelo que estou a ver, as receitas internas ultrapassaram as nossas expectativas, o que é um factor muito importante porque está a criar as condições ao Governo para fazer os gastos públicos que são urgentes, principalmente nas áreas sociais», enalteceu.

Esta missão do FMI, que permanece na Guiné-Bissau até 5 de Maio, está para uma consulta ao abrigo do acordo IV e possível negociação de facilidade de crédito alargado. A missão vai ainda manter contactos com as autoridades nacionais e instituições bancárias.
PNN, 29 de Abril de 2015

Ministério da Saúde desmente suspeitas de Ébola na Guiné-Bissau

Ministério da Saúde desmente suspeitas de Ébola na Guiné-BissauO diretor-geral de Saúde da Guiné-Bissau, Nicolau Almeida, desmentiu hoje a existência de casos suspeitos de Ébola no país, concretamente na região de Tombali, que faz fronteira com a Guiné-Conacri.

"Dadas as informações que estão a ser veiculadas sobre a existência de casos da doença pelo vírus Ébola na Guiné-Bissau (...), o Ministério da Saúde Pública informa que, até à data, não existe nenhum caso confirmado ou suspeito da doença no país", declarou Nicolau Almeida em conferência de imprensa, em Bissau.
O responsável reconheceu ser "fundamental manter os níveis de prevenção" e pediu o reforço dos "níveis de prevenção e de higiene".
Na última semana, o representante da Organização Mundial da Saúde (OMS) na Guiné-Bissau, Ayigan Koffi, afirmou ter a sensação de que existe "um certo relaxamento" em termos de medidas de prevenção do vírus Ébola no país, referindo que em certos locais públicos já não há baldes de água para a lavagem das mãos e se existirem esses dispositivos a população nem sequer se dá ao trabalho de os utilizar.
Afirmou ainda que em certos casos há baldes com água, mas já não existe lixivia nem sabão para a lavagem das mãos.
O diretor-geral de promoção da Saúde guineense não comentou as afirmações do representante da OMS.
Lusa, 30 de Abril de 2015

Mais de 20 toneladas de caju  apreendidas no contrabando

Image result for Guiné-Bissau cajuO ministro do Comercio da Guiné-Bissau, Serifo Embaló, disse  à Lusa terem sido já apreendidas nas fronteiras do país com o Senegal mais de 20 toneladas da castanha do caju em contrabando.
No ano passado, disse o governante, passaram em contrabando mais de 70 mil toneladas da castanha guineense para o Senegal, situação que o Governo de Bissau quer prevenir, adotando medidas repressivas na campanha de colheita e comercialização deste ano, que arrancou a 18 de Abril.
Quem for apanhado a tentar vender castanha de caju da Guiné-Bissau para o Senegal, em circuito ilegal, terá o produto confiscado, bem como o transporte, e ainda pagará uma multa ao Estado, esclareceu o ministro do Comércio guineense.
Serifo Embaló disse ainda que o denunciante de uma tentativa de venda da castanha ao Senegal terá direito a 40 por cento do valor da venda dos produtos apreendidos, igual valor vai para os agentes estatais que tenham participado na apreensão e os restantes 20 por cento para um fundo de fiscalização.
Como forma de estancar o contrabando da castanha de caju, o Governo decidiu este ano centralizar toda a exportação no porto comercial de Bissau.
"São medidas tomadas pelo Governo para sustentar a economia nacional. O nosso país é frágil em termos de receitas", declarou o ministro do Comércio guineense.
Em condições normais, a Guiné-Bissau exporta (sobretudo para o mercado indiano) entre 150 mil e 170 mil toneladas da castanha do caju por ano, mas com o contrabando do produto em 2014 foram vendidas apenas 136 mil toneladas, salientou Serifo Embaló.
A meta do Governo para este ano é exportar 200 mil toneladas, disse.
Lusa, 20 de Abril de 2015

Dificuldades leva Tribunal a fazer julgamento debaixo de uma árvore

Image result for Guiné-Bissau. Associação dos Magistrados ...O tribunal do setor de Buba, no sul da Guiné-Bissau, depara-se com dificuldades, ao ponto de as audiências de julgamento serem realizadas debaixo de uma árvore, denunciou hoje a presidente da Associação de Juízes, Noémia Gomes
Aquela responsável falava à Lusa no final de uma série de visitas aos tribunais do país, tanto no interior como na capital, Bissau.

quarta-feira, 29 de abril de 2015

Educação - Projeto planeia construir 75 salas de aula na Guiné-Bissau

Image result for escolas na guine bissauO projeto Parceria Mundial para a Educação planeia construir 75 salas de aula durante este ano na Guiné-Bissau, anunciou hoje o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), entidade gestora da iniciativa no país.
Está previsto o início da construção de mais 75 salas de aula, 25 latrinas e 3 centros de formação de professores, ainda no decurso de 2015", a acrescentar a 55 salas já edificadas, refere o UNICEF num comunicado conjunto com o Governo da Guiné-Bissau.

Vem ai mais uma mesa redonda para Guiné-Bissau

Os países e instituições financeiras árabes vão organizar uma mini mesa redonda para a Guiné-Bissau.
Ainda sem data marcada, a iniciativa partiu do Banco Islâmico de Desenvolvimento numa altura em que a Arábia Saudita desembolsou, em donativo, pouco mais de 6 milhões de dólares a favor das autoridades guineenses. 
A notícia foi avançada, à Voz de America pelo ministro da Economia e das Finanças Geraldo Martins, para quem esta iniciativa do Banco Islâmico de Desenvolvimento tem uma vantagem económica importante para o país.
O titular da pasta das Finanças falou do plano de operacionalização para o desembolso dos fundos prometidos pelos parceiros internacionais na Mesa Redonda de Bruxelas e do calendário de desembolso dos fundos em causa, conforme as estimativas plausíveis e que segundo ele, o plano vai configurar-se em 300 milhões de dólares anuais durante os próximos cinco anos, ou seja, de 2015 a 2020 o Governo vai poder contar com 300 milhões de dólares adicionais.
Um quadro muito favorável de ponto de vista orçamental e do plano de investimento público, em perspectiva, adiantou ainda o ministro guineense da Economia e das Finanças.
Vaz de América, 29 de Abril de 2015

terça-feira, 28 de abril de 2015

MP pede nulidade da compra e venda das instalações do Banco Internacional da Guiné-Bissau

Image result for peso da guine bissauA informação foi avançada à PNN, segundo a qual o Ministério Público, em defesa do interesse público e social, decidiu avançar com a acção, alegando que a venda do imóvel à Câmara de Comércio, Indústria, Agricultura e Serviços pelo Estado é ilegal, já que as instalações não pertencem ao Estado, mas sim ao próprio Banco, extinto em 2002.

segunda-feira, 27 de abril de 2015

Tesouro americano vai apoiar na melhoria do sistema fiscal da Guiné-Bissau 

O ministro da Economia e Fianças, Geraldo Martins, anunciou que a partir do segundo semestre de 2015 o Tesouro do Governo dos EUA vai começar a dar o seu apoio à Guiné-Bissau no que diz respeito à melhoria do sistema fiscal nacional.
«Através do Fundo Monetário Internacional tivemos oportunidade de conversar com Tesouro americano, que a partir de segundo semestre deste ano o Governo americano vai começar a dar apoio à Guiné-Bissau na melhoria do seu sistema fiscal, sobretudo através da Direcção-geral de Contribuições e Impostos», revelou Geraldo Martins.
De acordo com as noticias de PNN, depois da viagem de trabalho que realizou a Washington, o Chefe máximo da pasta da economia e finanças da Guiné-Bissau referiu também que além do apoio anunciado pelo Banco Mundial durante a Mesa Redonda de Bruxelas, esta instituição financeira internacional irá financiar a construção do cabo submarino nos próximos dois anos, de forma a dotar o país de um sistema de comunicação com maior performance.
Neste sentido, Geraldo Martins disse que o Governo da Guiné-Bissau já obteve um acordo com o Banco Mundial, cuja uma delegação deve chegar ao país a 9 de Maio, tendo sublinhado que conseguiu adicionar outros fundos através deste acordo. 
«O Banco Mundial acaba de criar um fundo intitulado fundo dos países frágeis, do qual a Guiné-Bissau vai ser o primeiro país a beneficiar, numa soma estimada em cerca de 60 milhões de dólares americanos», anunciou Martins.
De salientar que o ministro das Finanças deixa Bissau esta segunda-feira, 27 de Abril, com destino a São Tome e Príncipe, onde participará em mais uma reunião de trabalho com parceiros financeiros da Guiné-Bissau.
PNN, 27 de Abril de 2015