sexta-feira, 3 de julho de 2015

José Mário Vaz proferiu um excelente discurso na sede da ANP


O Presidente da República José Mário Vaz, tranquilizou hoje os guineenses que em nenhum momento se pronunciou sobre o derrubar ou não do governo liderado por Domingos Simões Pereira, fazendo citação do patrono da nacionalidade guineense Amílcar Cabral em que dizia “Hora é de Acão e Não de Palavras.”
Na sua mensagem de cerca de 30 minutos à nação, o chefe de estado guineense garante que os rumores são infundados a luz do que tem sido a sua atuação até aqui. Reafirmando que nas suas intervenções públicas, tem chamado atenção para a necessidades das instituições desempenharem as suas competências e no estrito do que está estabelecido constitucionalmente, com vista a proporcionar à população melhores condições de vida.
Por isso, o presidente disse não se move por rumores, especulações, e nem tão pouco de insinuações.
José Mário Vaz sublinha que a sua mensagem à nação, visa sobretudo estancar aquilo que qualifica de hemorragia de boatos e especulações, desbloqueando o país e, imprimindo uma maior dinâmica às instituições da república.
Com tudo o chefe de estado reconhece que as relações institucionais entre os órgãos de soberania que é hoje do domínio público, podiam ser melhores do que são atualmente e a viabilidade politica bem como o empenho de deliberação de áreas de competências exclusivas de alguns deles não têm produzido efeitos convergentes com os propósitos iniciais de estabilidade política das instituições. Para que esses propósitos iniciais possam perdurar até ao fim da legislatura, dos seus profundos desejos têm que abandonar as suas zonas de conforto formal e buscar soluções de compromisso que criem e garantam condições de uma verdadeira estabilidade governativa.
Mário Vaz, disse que o ambiente institucional em que vivem se não tivesse sido gerido com maturidade elevado sentido de estado, poderia ter degenerado numa grave crise politica, susceptível de por em causa o regular funcionamento das instituições, que forçaria o presidente adotar medidas corretivas, sob pena de omissão do seu dever e compromisso constitucional de garantir o regular funcionamento das instituições que perante o povo assumiu no acto da tomada de posse e que acabou de reiterar na sua mensagem à nação e à Assembleia Nacional Popular. 
O Presidente guineense refere salvo melhor opinião, crer estarem colocados perante sinais políticos contraditórios entre a mensagem do apoio subjacente à moção de confiança ao coletivo governamental e a mudança que nela se pretende operar não terá sido mais sensato conter as emoções circunstanciais, aguardar pela remodelação e depois desta, expressar confiança ao executivo na sua nova configuração, reforçando-lhe a legitimidade, dando-lhe um novo fôlego e alento para os importantes desafios de governação. É esse um dos novos desafios de clarificação politica que se impõem.
O efeito disso, o presidente Vaz indica que o espirito que molda a sua conduta é a de um comandante atento aos movimentos do leme e à direção dos ventos, pronto a corrigir qualquer velocidade ou desatenção da tripulação para garantir uma navegação correcta, segura e o atracar do navio num bom porto. É nessa senda que o primeiro magistrado guineense estar determinados a prosseguir, contribuindo para que se instalem as condições políticas necessárias ao bom funcionamento de todos órgãos de soberania com destaque ao poder judicial, a quem compete fazer a justiça em nome do povo, e a ANP, responsável pelo acompanhamento da execução do OGE e pela fiscalização da ação governativa. OGE, porquanto uma lei de valor reforçado, quando for violada, deve haver consequências, porque lesadora de interesse coletivos.
O presidente termina o seu discurso dirigindo saudações aos fiéis muçulmanos que estão a cumprir mais um mês sagrado de Ramadão. Desejando as suas magistraturas sejam exercidas em benefícios das gerações futuras olhando para o amanhã comum e projetando a sua ação para lá da luta politica e dos interesses de hoje. Agradecendo “Que Deus abençoe a Guiné-Bissau e ao seu povo.”
Leia o discurso na integra clicando no link em baixo
Rispito.com, 03 de Julho de 2015

Passos Coelho visita Guiné-Bissau na próxima 2ª feira

Image result for passos coelhoO primeiro-ministro português viaja no sábado para Cabo Verde, onde participará nas comemorações do 40.º aniversário da independência deste país, no domingo, e de lá partirá para a sua primeira visita oficial à Guiné-Bissau, na segunda-feira. Durante essa visita oficial, será assinado o Programa Estratégico de Cooperação entre Portugal e a Guiné-Bissau para 2015-2020, ao qual está associada uma verba de cerca de 40 milhões de euros para promover a democracia e o desenvolvimento deste país da África Ocidental, que tem um histórico de instabilidade política. Acompanham Pedro Passos Coelho nas deslocações a Cabo Verde e à Guiné-Bissau o ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros, Rui Machete, e o ministro da Saúde, Paulo Macedo
A Bola, 03 de Julho de 2015

quinta-feira, 2 de julho de 2015

PAIGC, NÃO SEJAM OPOSITORES DA VOSSA PRÓPRIA HONRA

Quem sofre pelo amor derrete por dentro... Pior quando é confrontado com a tortura do que é a razão do seu amor, aí já dispensa o seu viver agindo com empenho sem se importar do que possa der e vier
A republica da Guiné-Bissau se compõe de um povo humilde que recentemente foi sacrificado para tornar legitimo mais um quadro institucional. Do qual, serviu-se de confiança pela escolha que fez para aliviar com tranquilidade espiritual, mas está a ficar surpreendido pela realidade de engano e de desespero.
Um povo que outrora acreditou na idoneidade pessoal e na  maturidade politica dos dirigentes que escolheu, mas vai-se mergulhando em decepção continua perante o desentendimento e a falta de coabitação dos mesmos.

Há quem diga que o PAIGC foi um simples movimento que o destino identificou e a historia registou como libertador do povo perante jugo colonial e que hoje se auto-proclama de um partido politico. Um partido onde ninguém se consegue identificar se é direita, se é esquerda,  se é comunista, se é democrata ou etc.
Uma ideia que pouco se deve contrariar pela realidade que o mesmo tem demonstrado na sua maneira confusa de governar. Na intranquilidade perante o entendimento interno e na ineficácia de trato entre os membros... O povo sofreu tanto com esse partido mas ainda continua com aquela eterna paixão de voltar a acreditar, sobretudo neste momento, em que a liderança do mesmo oferece, de certo modo, uma confiança por serem imbuído de ideologia moderna e de elevado nível de competência. Com espírito de patriotismo e tremenda vontade de recuperar o que foi desperdiçado a quase meio século.

Certo é que, ainda continuamos a estar perante conjunto de homens e mulheres fraccionados onde cada um tem a apreciação do estado e da democracia da sua maneira. Um partido onde está misturado todas as ideologias numa conjuntura sem definição, cujo o trato é de medo e não de respeito, onde a intriga tem maior relevo para a promoção individual ou entre os membros no lugar da competência.

Há bastante tempo que os guineenses andam a  procura das razões de falhanços sucessivos do PAIGC nas suas tentativas de governar a Guiné-Bissau:
Primeiro: de luta para a reconstrução nacional, culpamos as ideologias de força e de guerra vindas de luta, assim como o fraco preparo e compreensão do que é administrar e do que é governar.
Segundo: Passado esta fase, culpamos o regime ditatorial de partido único, com instalação de medo, fuzilamentos e sem liberdade de expressão.
Terceiro: Com o multi-partidarismo, culpamos a falta de cultura democrática e de certo modo, a antiguidade dos dirigentes que resistiam abrir-se a esse regime.
Quarto: Depois de muitas situações, culpamos a corrupção, enriquecimento ilícito e a intromissão dos militares nos assuntos políticos.

E hoje! O que podemos culpar?
Quando o povo ainda voltou a confiar no PAIGC, com maioria absoluta nas legislativas e a cadeira presidencial pelo candidato apoiado por esta formação politica. Fazendo com que todos os titulares de órgãos da soberania serem do mesmo partido e, verdade seja dita, na pessoa de senhores com excelência, de notáveis níveis de competência e com muito amor a pátria. Razões pelas quais, com boa estratégia politica o governo está a conseguir arrumar o consenso politico com todas as outras formações politicas excepto PAIGC, acrescido de apoio popular e de toda a sociedade, a volta do projeto comum chamado Guiné-Bissau. 
Mas como o partido ainda não conseguiu arrumar consigo mesmo para conter a mina ativa dentro do PAIGC chamada intriga... A mentira e o desentendimento está a falar mais alto do que a harmoniosa e a coabitação institucional pretendida.

Ninguém duvida da capacidade intelectual do chefe de Estado e do chefe do governo, dos espíritos de amor a pátria e do povo guineense que ambos têm. Na ambição de transformar a vida dos guineenses num luxo e sossego que ambos sonham
Mas todo esse espírito, todo esse amor, toda essa vontade e todo esse sonho, ao estar confrontado com a maquina do PAIGC a trabalhar na máxima força em submeter o povo o seu melhor. Não se pode esperar outra coisa se não os período de tensões frequentes e os momentos de susto e de espanto... Pois sempre foi assim o PAIGC no seu melhor e nem mais.

Afinal, os três órgãos em choque, se não conseguirem libertar-se das ideias rígidas e dos tratos falsos no interior do PAIGC;
Se não conseguirem libertar-se de aconselhamentos dos chamados "macucos" que reclamam ter grandes experiências politicas mas que nunca conseguiram traduzir esta experiência politica para o bem estar social;
Se não cuidarem com os "ditos falsos" e os "parece que"... dos homens ou das mulheres próximos do chefe, que de uma ou de outra maneira, querem ser bem visto pelo chefe, o que obriga muitos a abandonar dignidade e não se importando de mentir;
Acreditem que poderão continuar a querer destacar-se dos outros governos anteriores (de PAIGC), mas sempre terão  razões de bloqueio.

Perante o controverso momento politico que o país se confronta, todo o mundo, particularmente os cidadãos guineenses, estão com olho no conhecido PAIGC e acompanhar o desenrolar da situação graças ao avanço tecnológico de propagar as notícias com facilidade.

Assim sendo, se a liderança da atual pirâmide governamental é legitima e querida por muitos que apontam a capacidade intelectual, competências e dinamismo aceitável como factores de não criar mais complicações ao país. 
Esperamos que o Presidente da Republica, o Primeiro Ministro e o Presidente do parlamento (todos de PAIGC), devem usar mais a maturidade politica e intelectual de não se igualarem a preza fácil e de se deixarem levar com os problemas a forum pessoal. Ou de arcarem com as divergências internas do partido para sacrificarem toda a republica. 

Queridos irmão de PAIGC...
Neste momento em que toda a classe politica, todas as forças da defesa e de segurança e toda a republica da Guiné-Bissau está mobilizado num só acordo direccionado em apoiar a vossa maioria absoluta conquistada nas urnas. Para que de forma inédita, desta vez, possam sair com honra e de conseguirem uma governação aplausível. 
Por isso, não sejam vocês os únicos opositores da vossa próprio honra.
Porque desta vez, se esta legislatura correr mal e voltarem a defraudar a confiança do povo guineense só por razões das vossas fraturas  ou das vossas ardentes divisões internas do partido. Acreditem que as cinco letras que vinham ser bem pensadas como Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo-Verde, poderão  passar a ser interpretadas de:
Perigo Atívo para Interromper  as Grandes Competências.
Bem haja
Samba Bari

Bissau acolhe a reunião dos Ministros da economia e finanças da UEMOA 

Os ministros da área económica e financeira  dos oito países membros da União Económica e Monetária Oeste Africana(UEMOA) estão reunidos em Bissau no âmbito da sua segunda reunião ordinária.
A cerimónia de abertura do evento que decorre até sexta feira, nas instalações do Banco Central dos Estados da África Ocidental (BCEAO), foi presidida pelo ministro das Finanças da Republica do Níger e igualmente Presidente do Conselho de Ministros da UEMOA.
Na sua intervenção, Saidou Sidibé revelou que os países da UEMOA conseguiram este ano um crescimento do seu Produto Interno Bruto na ordem de 7,2 por cento contra 6,6 por cento  do ano passado, graças a performance do sector terciário e da produção industrial.
Disse que a manutenção da referida performance passa pela garantia de estabilidade sociopolítica e de segurança no espaço comunitário.
Em declarações à imprensa, à margem da reunião, o ministro da Economia e  Finanças da Guiné-Bissau disse que o encontro é realizado trimestralmente e rotativamente  nos  Estados membros da organização.
Geraldo Martins disse tratar-se de reuniões para discutir as questões económicas, financeiras e monetárias nos oito Estados membros da UEMOA.
O ministro das Finanças da Guiné-Bissau disse que existem ainda outros pontos inscritos na Ordem do Dia da Reunião do Conselho de Ministros da UEMOA, nomeadamente a questão da Lei Uniforme sobre o Branqueamento de Capitais, o Programa Estatístico Regional da organização para o ano 2015/20 bem como o reforço dos dispositivos para as crises no sector bancário no espaço comunitário.
Geraldo Martins disse que a situação económica da organizaçâo é boa, acrescentando que a organização porta-se bem do ponto de vista económico inclusive a de Guiné-Bissau.
Declarou que a taxa de crescimento económica no ano passado foi de 5 por cento e que estima-se que os países do espaço UEMOA vão continuar a crescer na ordem de 6 à 7 por cento. Apesar de todas as crises que está a afectar vários países mais desenvolvidos, os países da UEMOA vai bem do ponto de vista económico.
Instado a dizer sobre o que espera da reunião de Bissau, Geraldo Martins frisou que é, acima de tudo, um espaço de solidariedade entre os países membros da UEMOA, salientando que são Estados que partilham a mesma moeda e políticas comuns em vários sectores nomeadamente, o monetário e fiscal.
RTP África/ANG, 02 de Julho de 2015


União Africana apela a entendimento entre dirigentes da Guiné-Bissau

Image result for uniao africanaA União Africana (UA) manufestou-se preocupada com a tensão na Guiné-Bissau entre o Presidente da República e o primeiro-ministro, anunciou hoje a organização em comunicado.
O comissário para a Paz e Segurança da UA, Smail Chergui, mostra preocupação face à "tensão entre dirigentes políticos", refere o documento, sem nunca referir nomes ou cargos.
A declaração surge numa altura em que a relação política entre o Presidente da Guiné-Bissau, José Mário Vaz, e o primeiro-ministro, Domingos Simões Pereira, tem centrado atenções.
"Se não for rapidamente circunscrita, a situação atual pode comprometer os progressos já alcançados e complicar os esforços empregues para mobilizar apoio internacional necessário para a Guiné-Bissau", refere-se no comunicado, que cita Smail Chergui.
As declarações foram feitas na quinta-feira, na sede da UA, em Addis Abeba, capital da Etiópia, num encontro com dois membros do Governo da Guiné-Bissau: Mário Lopes da Rosa, ministro dos Negócios Estrangeiros, e Cadi Seidi, ministra da Defesa.
Apesar de sublinhar os progressos realizados desde as eleições de 2014, o representante da UA expressou a sua preocupação sobre a situação política.
Smail Chergui exortou todas as partes a trabalhar em prol de uma "grande coesão, a acelerar as reformas do setor da segurança, a promover a justiça e reconciliação e ainda a relançar a economia".
Auscultado pelos veteranos do partido no poder e que o elegeu, o PAIGC, o chefe de Estado disse estar na posse de dossiês que põem em causa a autoridade moral de alguns membros do Governo e que essa é a razão das divergências.
Entretanto, o PAIGC e o parlamento aprovaram na última semana moções de apoio a Domingos Simões Pereira e ao Governo, apelando ao diálogo entre todos - algo que o primeiro-ministro acredita que será mais fácil depois do afastamento de dois dirigentes políticos na última semana.
Baciro Dja demitiu-se do cargo de ministro da Presidência do Conselho de Ministros e Abel Gomes abandonou o secretariado-nacional do PAIGC.

quarta-feira, 1 de julho de 2015

                               
Image result for pusdComissão Política Nacional
                      Comunicado
Reunida a Comissão Política Nacional do PUSD – Partido Unido Social Democrata –, no dia 30 de Junho do corrente mês, e tendo procedido a uma aturada análise da situação interna do Partido e, igualmente, da situação política actual, adoptou as seguintes resoluções:
1. Congratular com os esforços que a Presidente do PUSD, Dra. Carmelita Pires, vem exercendo no actual Governo, em prol da paz, da justiça e da legalidade;
2. Congratular com o actual clima de paz reinante no país;
3. Exortar os actores políticos, a Sociedade Civil, os titulares de órgãos de soberania e todas as forças vivas da Nação a não pouparem esforços no sentido da manutenção da paz, da harmonia e da confiança, na base do respeito recíproco e interdependência e estrita observância da Constituição e demais leis da República;
4. Instar os titulares de órgãos de soberania a enveredarem pelo diálogo e pela concertação como o único caminho capaz de devolver integralmente a dignidade na condução dos destinos do Estado;
5. Apelar ao Senhor Presidente da República para que, no quadro das suas atribuições e competências constitucionais, procure paciente e pedagogicamente agir de molde a esgotar por todos os meios pacíficos de resolução de reais ou eventuais problemas existentes, evitando assim a utilização da figura legítima de derrube de um Governo – que apenas teria o condão de perpetuar a instabilidade e de gerar novas crises institucionais, com consequências nefastas imprevisíveis para a Guiné-Bissau e para os guineenses.
6. Conferir a Senhora Presidente do PUSD, Dra. Carmelita Pires, os plenos poderes para, em nome do PUSD e junto ao Governo e outros órgãos de soberania, exercem uma activa magistratura de influência em prol da estabilidade política, da paz e do desenvolvimento da Guiné-Bissau.
7. Aprovar, com emendas, o Plano de Actividades para o período de Julho a Dezembro, apresentado à Comissão Política Nacional pela Senhora Presidente do PUSD, Dra. Carmelita Pires.
Feito em Bissau, aos 30 dias do mês de Junho de 2015.

A Comissão Política do PUSD

União Europeia apoia Guiné-Bissau no controlo e fiscalização das fronteiras

Image result for fronteiras da guine bissauO Ministro da Administração Interna anunciou esta quarta-feira, 1 de Julho, que a União Europeia vai apoiar o Governo da Guiné-Bissau no controlo das suas fronteiras terrestres e marítimas.
À margem de seminário de validação da proposta do Programa Nacional de Descentralização, a decorrer durante em Safim, região de Biombo no norte do país, Octávio Alves disse à PNN: “Vamos contar com os nossos parceiro, designadamente a União Europeia, através do projecto União Europeia Fronteiras que só deve arrancar no início de 1016, mas vamos fazer a nossa parte no que diz respeito à criação de condições para que haja maior segurança das fronteiras”.

O mesmo responsável sublinhou também que não adianta montar tantos dispositivos de segurança em Bissau e “deixar as fronteiras no interior do país à sua sorte”, e manifestou preocupação pela forma que as fronteiras da Guiné-Bissau são atravessadas sem o mínimo controlo por parte das autoridades. “O nosso grande desafio é a garantia de segurança interna, pois nas nossas fronteiras, tanto terrestres como marítimas. Infelizmente a situação que existe não é a melhor e temos dificuldades na fiscalização. Cidadãos estrangeiros entram sem qualquer controlo e em alguns casos as autoridades presentes não são munidas de meios suficientes para proceder controlo e fiscalização para garantirem a segurança das nossas fronteiras. É esse o nosso desafio, criar condições para que as nossas fronteiras tenham segurança”, destacou.

Sobre a actuação do seu ministério, um ano depois da tomada de posse do Governo liderado por Domingos Simões Pereira, Octávio Alves disse que houve melhorias em relação aos anos transactos, à segurança dos cidadãos na capital. “Vários incidentes aconteceram, mas foram sempre submetidos as instâncias competentes, evitando que pusessem em causa os direitos de cidadãos, o que acho que foi um ganho para o país. Contudo não podemos conformar com isso, por esse motivo devemos trabalhar, fazer cada vez mais e ter desafios permanentes para que as coisas possam continuar a funcionar”, disse Octávio Alves.
PNN, 01 de Julho de 2015

terça-feira, 30 de junho de 2015

Mário Lopes da Rosa no conselho de segurança da União Africana

Image result for mario lopes da rosa guine bissauA atual crise política dos titulares dos órgãos da soberania da Guiné-Bissau será tema de debate hoje no conselho de segurança da União Africana a ter lugar em Adis Abeba, Etiópia. 
De acordo com o comunicado do ministério dos Negócios Estrangeiros da Cooperação Internacional e das Comunidades, o país se faz representar pelo chefe da diplomacia guineense, Mário Lopes da Rosa.
No encontro o diplomata guineense fará uma explanação breve sobre a crise guineense bem como dos resultados obtidos durante a mesa redonda de Bruxelas.
No outro patamar, os participantes vão debater a situação da instabilidade profunda em Burundi e o terrorismo na Tunísia.
Lai Baldé/Rispito.com, 30 de Junho de 2015

Cipriano Cassama criticou o comportamento exagerado dos titulares de órgãos da soberania 

O Presidente da Assembleia Nacional Popular reconheceu hoje ter a sensação que os titulares dos órgãos de soberania exageraram um pouco as divergências. Por isso disse estar convicto se alguns sinais de crispação politica emitidos assolam o cenário politico guineense se enquadram no espírito de fazer mais e melhor para o país.

No discurso da abertura da quarta sessão parlamentar da nova legislatura que começou hoje terça-feira, 30 de junho, com o término à 11 de Agosto de 2015, Cipriano Cassamá, disse que é imperativo o espirito de diálogo se mantém porque todos estão comprometidos em preservar a paz e estabilidade política do estado guineense. O Presidente do parlamento guineense garante que a sua instituição não se pretende ser um fator de instabilidade política, nem se quer de desconfiança institucional ou de incerteza de relacionamento entre as instituições política do estado mais relevante ao governo. Com o efeito disto, 

O nº 01 da casa parlamentar, disse esperar que o governo seja capaz de superar tensões internas se manifestaram recentemente, demonstrando disposição clara por forma a melhorar a eficácia e a credibilidade da ação governativa e mobilizadora junto da comunidade internacional.

Durante 30 dias, os parlamentares agendaram entre outros pontos, código de trabalho, estatutos dos magistrados judiciais e do ministério público, subvenção vitalícia dos titulares dos órgãos da soberania, estatutos dos ex-titulares dos órgãos de soberania, disciplina militar e o polemico ponto de pedido de levantamento de imunidade parlamentar de alguns deputados.

Rispito.com soube de uma fonte bem informada, digna de crédito, que mais de 05 deputados da bancada parlamentar do PAIGC e do PRS cobrem do capote parlamentar para livrar-se da justiça.
Coisas nossas…!
Lai Baldé/Rispito.com, 30 de Junho de 2015

DSP abre a cerimónia das Jornadas Nacionais da Indústria 2015

O Primeiro-ministro abre a cerimónia das Jornadas Nacionais da Indústria 2015, com a participação de personalidades das áreas económicas, investimentos, financeiras e bancários oriundos de 28 países.
O início das jornadas ficou marcado com uma marcha desportiva e feira de produtos industriais do país.  
Gabriel Labão Dava, Representante Residente Adjunto do Programa do PNUD salienta que a industrialização constitui um dos eixos de desenvolvimento plasmado no projecto “Terra Ranka. Devendo ser feita de forma adequada, para não trazer impactos negativos do ponto de vista ambiental  e de exclusão.
O Ministro da Energia e Indústria, Florentino Mendes Pereira na sua longa alocução faz o enquadramento da importância que o governo atribui ao sector, tece o seu breve historial desde a época colonial, até aos nossos dias, dizendo que a jornada tinha como objectivo a contribuição de debates para desembocar um sistema de qualidade com vista a melhoria da performance e da competitividade para promover o emprego, uma vasta variedade de produtos alimentícios nacionais saudáveis e uma indústria nacional. 
 O Chefe do Governo depois felicitar o seu Ministro pela revelante organização, sublinha que é “através da industrialização, que seremos não só capaz de proporcionar a formação, ter uma mão-de-obra qualificada, podermos de facto participar deste exercício atual que é o domínio das tecnologias e ao mesmo tempo permitir que um fluxo de capitais esteja ao serviço do desenvolvimento do país.
Simões Pereira  realçou que o país precisa de um sector vibrante, engajado que queira participar deste processo, aonde a coesão é importante. Lembrando que esse sector, no país está longe de ser aquele que se precisa, aonde poderia jogar o papel que lhe compete, neste momento tão importante da nossa vida e dos desafios que estão a nossa frente. Que os imputes que os produtos guineenses necessitam para se serem mais competitivos estão reunidos à volta da jornada, que tem pessoas com a competência, a vocação e a capacidade, podendo numa só ação congregar todas essas valências.   
De acordo com o Gabinete de Comunicação do Primeiro-ministro, as  jornada irão de 29 de Junho a 1 de Julho, contará com vários painéis temáticos e uma lista enorme de conferencistas e moderadores do Governo, das organizações regionais, do sistema das nações unidas, do sector de investimentos, financiamentos e bancários, das associações e técnicos especialistas.
Lai Baldé/Rispito.com, 30 de Junho de 2015

Diplomatas guineenses na China ouvidos no processo de venda ilegal de passaportes

Foto de ArquivoO escândalo da venda ilegal de passaportes de serviço e diplomático que tem afectado a diplomacia da Guiné-Bissau nas últimas semanas e que resultou na detenção, por algumas horas, do secretário de Estado das Comunidades, Idelfrides Fernandes, continua a concentrar as atenções no país.
O Ministério Publico ouviu nesta segunda-feira, 29, Malam Sambú, que chefia a representação de Bissau naquele país desde o Governo de transição no âmbito do processo.
Sambú está a ser investigado sob a suspeita de envolvimento na venda ilegal de passaportes, sobretudo, aos cidadãos chineses.  
No mesmo caso, o magistrado do Ministério Público, encarregue do processo, ouviu, na última sexta-feira, o cônsul da Guiné-Bissau em Macau, um dos mais antigos na história do consulado guineense no estrangeiro.
John Ló representa os interesses consulares da Guiné-Bissau em Macau há mais de 10 anos e, desde então, trabalhou com diferentes ministros que passaram pelos Negócios Estrangeiros e teve sempre uma relação privilegiada com a maioria dos Presidentes da República.   
Fontes ligadas ao processo disseram à VOA que o embaixador da Guiné-Bissau na China, Malam Sambú, e o Cônsul em Macau, John Ló, terão uma acareação amanhã, na vara crime do Ministério Público, junto ao Tribunal Regional de Bissau.
Voz de América, 29 de Junho de 2015

segunda-feira, 29 de junho de 2015

Governo lança concurso público sobre projecto de construção da rede eléctrica da Barragem de Kaletá

Image result for geraldo martinsO ministro da Economia e das Finanças anunciou que, nos próximos três meses, o Governo vai lançar um concurso público sobre o projecto de construção da Barragem de Kaletá, na vizinha República da Guiné-Conacri, para a Guiné-Bissau.

«Temos alguns pequenos procedimentos que é necessários agora completar, de modo a que o projecto possa entrar em vigor, mas provavelmente nos próximos três meses os fundos poderão já começar a estar disponíveis, sendo que vamos fazer concurso público para recrutamento da empresa que vai efectuar os trabalhos de construção desta empresa da rede de distribuição de luz eléctrica», disse Geraldo Martins.

Em declarações à PNN no âmbito da sua recente deslocação a África, Europa e América do Norte, sendo que neste último local assistiu à cerimónia de assinatura do acordo de financiamento entre o Executivo e o Banco Mundial, no valor de 78 milhões de dólares (cerca de 69 milhões de euros), no quadro do projecto da Organização para o aproveitamento da Bacia do Rio Gâmbia (OMVG), Geraldo Martins sublinhou que no período previsto pode ser conhecida a empresa vencedora do concurso para o início das obras desta construção até à Guiné-Bissau.

O encontro serviu ainda para o governante informar que a Guiné-Bissau, no âmbito da OMVG tem sua quota nesta barragem, mas no entanto não tinha na distribuição de luz eléctrica, cujos valores assinados vão financiar a construção de uma linha de distribuição, com uma capacidade de 30 megawatt de energia na Barragem de Kaletá, a partir da vizinha República da Guiné-Conacri para a Guiné-Bissau.

Em termos de itinerário, Geraldo Martins explicou que esta rede vai passar por Bambadinca, na região de Bafatá, leste do país, Jugudul, sector de Mansoa, no norte, Safim, sector com o mesmo nome na região de Biombo, norte do país, até chegar à capital, Bissau.

Em Moçambique, durante a reunião do Banco Islâmico de Desenvolvimento, o chefe máximo da pasta das Finanças da Guiné-Bissau falou em nome dos ministros africanos das finanças, tendo agradecido o apoio desta instituição aos países africanos, bem como também a disponibilidade dos países africanos em continuar a cooperação com esta instituição financeira.

Por outro lado, Geraldo Martins informou que, após o Ramadão, uma delegação do Banco Islâmico de Desenvolvimento vai deslocar-se à Guiné-Bissau para identificar as áreas de financiamento, e uma delegação do Banco Árabe para o Desenvolvimento Económico de África, chefiada pelo Presidente, vai informar-se das áreas em que será aplicado o valor de 20 milhões de dólares (cerca de 17 milhões de euros), anunciados aquando da mesa redonda de Bruxelas.

Em Portugal, concretamente em Braga, o ministro das Finanças manteve um encontro com as empresas desta região sobre as oportunidades de negócio na Guiné-Bissau.

Sobre a questão do Fundo de Consolidação da Paz para a Guiné-Bissau, Geraldo Martins lembrou que as Nações Unidas anunciaram em Bruxelas a possibilidade de disponibilizarem, a favor da Guiné-Bissau, 10 milhões de dólares (cerca de 9 milhões de euros), mas o Governo guineense alterou este valor para 15 milhões de dólares (cerca de 13 milhões de euros), estando agora em estudo a modalidade do seu desbloqueamento, que pode ser o valor global desbloqueado pela ONU ou a organização pode avançar 10 milhões de dólares iniciais, sendo os restantes 5 milhões de dólares (cerca de 4 milhões de euros) avançados pelo Governo da Guiné-Bissau.
PNN, 29 de Junho de 2015