sexta-feira, 21 de setembro de 2018

Braima Camará e Nuno Nabian pedem a PR guineense demissão do primeiro-ministro 

Os dirigentes partidários guineenses Braima Camará e Nuno Nabian exigiram ao Presidente do país que demita o primeiro-ministro, Aristides Gomes, a quem acusam de incapacidade para organizar eleições legislativas e se ele não sair, vamos organizar marchas até que o Presidente o demita", declarou Nuno Nabian, presidente da APU-PDGB (Assembleia do Povo Unido - Partido Democrático da Guiné-Bissau), durante uma conferência de imprensa, que decorreu ao final da tarde em Bissau.

Braima Camará, líder do Madem (Movimento da Alternância Democrática, partido recém-criado por dirigentes e militantes saídos do PAIGC), disse que o primeiro-ministro está a "forjar a realizações de eleições da forma como o tem feito" para "tirar dividendos políticos".
"Aristides Gomes quer ser o candidato do PAIGC nas eleições presidenciais", que devem ter lugar no próximo ano, defendeu Braima Camará.

O líder da APU-PDGB, partido que até recentemente estava alinhado com o PAIGC (vencedor das legislativas de 2014), observou que Aristides Gomes quer realizar eleições "à pressa no dia 18 de novembro, mesmo sabendo que tal não será possível".
"Organizar eleições no dia 18 de Novembro é favorecer os partidos grandes, sobretudo o PAIGC", sublinhou Nuno Nabian, que fez questão de frisar estar do lado dos partidos que "reclamam pela verdade eleitoral e o cumprimento das leis" da Guiné-Bissau.
O dirigente da APU-PDGB exortou a comunidade internacional "a não se imiscuir nos assuntos internos" do país, observando que a Guiné-Bissau "tem leis que devem ser respeitadas".

A conferência de imprensa, realizada num espaço de diversão juvenil de Bissau, contou com as presenças de vários dirigentes partidários, nomeadamente os antigos ministros Botche Candé e Victor Mandinga.

O recenseamento eleitoral para as eleições legislativas, que a CEDEAO (Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental) quer que sejam realizadas "sem falta no dia 18 de Novembro", começou nesta quinta feira.
Os primeiros guineenses a fazer o recenseamento foram o Presidente do país, José Mário Vaz, e o primeiro-ministro, Aristides Gomes.
Rispito.com/DN, 21-09-2018

José Mário Vaz pede a vontade de todos para recensearem

O Presidente da Guiné-Bissau, José Mário Vaz, apelou esta quinta-feira aos guineenses para “não serem preguiçosos” e fazerem o recenseamento para votarem nas eleições legislativas de 18 de Novembro.
“Peço a todos os guineenses para não terem preguiça. Não é por cinco ou dez minutos que vamos perder um dos grandes momentos, que é o momento de termos o cartão (eleitoral) para votar no dia 18”, afirmou José Mário Vaz. O Presidente guineense falava aos jornalistas depois de ter sido recenseado num edifício no centro de Bissau, a alguns metros da Presidência, e para onde se dirigiu a pé, juntamente com o primeiro-ministro do país, Aristides Gomes.

“Estão reunidas todas as condições para fazer o recenseamento. Aos que estão na bolanha [arrozal], na pesca, na oficina mecânica, na carpintaria, taxistas, independentemente de onde estiverem, o melhor momento para mostrarmos a nossa cidadania é de facto termos este cartão para votarmos no dia 18 de novembro”, afirmou, enquanto mostrava o seu cartão eleitoral.

O primeiro-ministro insistiu que é preciso todos os guineenses façam o recenseamento para se realizarem as eleições legislativas. “O Governo trabalha dia e noite para pôr à disposição de todas as estruturas encarregues do recenseamento e fiscalização do recenseamento todas as condições logísticas, materiais e de recursos humanos para realizar com sucesso o trabalho de recenseamento”, disse, salientando que o registo de eleitores é importante para realizar as eleições, fundamentais para a estabilidade do país.

O recenseamento eleitoral na Guiné-Bissau devia ter começado a 23 de agosto, e decorrer até 23 de setembro, mas atrasos na receção de ‘kits’ para registo biométrico dos eleitores atrasou o processo durante quase um mês. O primeiro-ministro voltou na quarta-feira a anunciar o início do recenseamento eleitoral, mas na prática o registo de cidadãos eleitores só teve início esta quinta-feira.
Rispito.com/O Indipendente, 21-09-2018

quinta-feira, 20 de setembro de 2018

Começou o recenseamento eleitoral na Guiné-Bissau

A imagem pode conter: 3 pessoas, pessoas a sorrir, pessoas em pé e fatoO primeiro-ministro da Guiné-Bissau, Aristides Gomes, anunciou nesta quarta feira 19 de Setembro, poucas horas depois da partida da missão de CEDEAO que esteve de visita no país, o arranque do recenseamento eleitoral para as eleições legislativas, previstas para 18 de novembro.

Contudo, Aristides afirma que o recenseamento eleitoral vai começar contando naturalmente, com aquilo que o governo tem. Depois acelerando pouco a pouco em função dos meios que vai-se pondo à disposição do executivo. "Neste momento, são os meios logísticos que têm de ser reforçados e nos próximos dias vamos começar a acelerar", disse Aristides Gomes".

O primeiro-ministro guineense falava aos jornalistas depois de um encontro com uma missão do Fundo Monetário Internacional, que que está de visita ao país para avaliação ao Programa de Crédito Alargado.

O recenseamento eleitoral para as legislativas deveria ter começado a 23 de agosto, para terminar a 23 de setembro, mas atrasos na entrega dos 350 ?kits' de registo biométrico doados pela Nigéria impediram o início do processo.

Dos 350 'kits' prometidos, a Nigéria fez chegar ao país 150, no domingo, e o embaixador daquele país na Guiné-Bissau prometeu que os restantes 200 chegariam durante as próximas duas semanas.
Na terça-feira, uma missão de alto nível da Comunidade dos Estados da África Ocidental deslocou-se durante algumas horas a Bissau para avaliar a situação política no país e pediu ao Governo para acelerar o processo eleitoral.

"A missão de alto nível felicita-se com os avanços e apela ao Governo para acelerar os preparativos" das eleições, afirmou o presidente da Comissão da CEDEAO, Jean-Claude Cass-Brou.

Numa declaração à imprensa, lida no final da visita já no aeroporto Osvaldo Vieira, o presidente da Comissão da CEDEAO apelou também a todas as partes interessadas para apoiarem as ações do Governo para aceleração do processo para a realização de eleições, a 18 de novembro, "conforme decisão dos chefes de Estado da CEDEAO".
Rispito.com/Lusa, 20-09-2018

quarta-feira, 19 de setembro de 2018

Comunição Social sofreu mais uma perda

A imagem pode conter: 1 pessoa, a sorrir, closeupMorreu nesta noite do dia 19 de Setembro, no Hospital Nacional Simão Mendes, o jornalista José Augusto MENDONÇA.

Vítima de uma doença prolongada, o malogrado era  director da Informação da Agência Noticiosa da Guiné-ANG. 

Durante a sua careira professional foi ainda defensor dos Direitos Laborais e desempenhou muito recenemente as funções do Secretário-geral do  Sindicato Nacional dos Jornalistas e Técnicos da Comunicação Social (Sinjotecs).

Rispito.com, envia o seu mais profundo pesar à família enlutada  e a todos os amigos e conhecidos.
Rispito.com, 19-09-2018

Campanha de caju não correu como esperado

O primeiro-ministro disse que a campanha de caju deste ano na Guiné-Bissau está longe das expetativas e que o Estado já perdeu cerca de 21 milhões de euros este ano devido aos atrasos registados.
Aristides Gomes disse esta quarta-feira que a campanha de caju não correu como esperado e que isso teve implicações nas receitas do Estado, que diminuíram.
“Tivemos a situação do caju que não correu muito bem porque o preço que o mercado pode oferecer revelou-se mais baixo em relação ao preço do mercado do ano passado, isto é que é o mercado, e isso tem implicações na nossa receita, que baixou”, afirmou Aristides Gomes.
O primeiro-ministro falava aos jornalistas depois de um encontro com a missão do Fundo Monetário Internacional que iniciou hoje a sexta avaliação ao Programa de Crédito Alargado à Guiné-Bissau.
O primeiro-ministro guineense, Aristides Gomes, afirmou recentemente que a campanha de caju deste ano na Guiné-Bissau está longe das expetativas e que o Estado já perdeu cerca de 21 milhões de euros este ano devido aos atrasos registados.
Em causa esteve o preço anunciado pelo Presidente em março na cerimónia de lançamento da campanha, onde o chefe de Estado pediu aos produtores para não venderem a castanha de caju a menos de 1000 francos cfa (1,5 euros), o que afastou exportadores e intermediários.
O Fundo Monetário Internacional, que tem alertado as autoridades guineenses para a necessidade de diversificar a economia, demasiado dependente daquele fruto, iniciou hoje uma visita de trabalho no âmbito da sexta avaliação ao Programa de Crédito Alargado, que foi prolongado por mais um ano, até 2019.
Durante a sua estada em Bissau, que termina a 02 de outubro, a missão do FMI vai reunir-se com as autoridades guineenses de vários setores, com o Banco Central dos Estados da África Ocidental, Tribunal de Contas, instituições bancárias, União Europeia, sociedade civil e com várias empresas a operar no país.
O FMI vai também reunir-se com responsáveis para analisar os “planos de investimento no setor energético, compensação das pescas e receitas relacionadas” e produção e exportação da castanha de caju.
Em junho, o conselho de administração do FMI aprovou a quinta tranche no âmbito do Programa de Crédito Alargado à Guiné-Bissau, que teve início em 2015, no valor de 4,3 milhões de dólares (cerca de 3,6 milhões de euros), totalizando 24,2 milhões de dólares (20,6 milhões de euros) de empréstimo.
O FMI aprovou também um pedido das autoridades guineenses para a extensão do programa por mais um ano até meados de 2019.
Segundo o FMI, o aumento do programa vai ajudar à estabilidade macroeconómica durante o período eleitoral e ajudar às necessidades da balança de pagamentos.
Com a extensão do programa, a Guiné-Bissau vai beneficiar de um empréstimo total de 32,2 milhões de dólares (27,4 milhões de euros).
Rispito.com/Lusa, 19-09-2018

Antigo PGR da Guiné-Bissau diz que corrupção é "endémica e sistémica" no país

O antigo procurador-geral da República da Guiné-Bissau Hermenegildo Pereira disse que o poder judicial guineense não controla a corrupção no país, que é "endémica e sistémica".
Image result for hermenegildo guine bissauHermenegildo Pereira falava num seminário organizado pela Organização das Nações Unidas (ONU), subordinado ao tema "Apoio ao combate à corrupção na Guiné-Bissau", que decorre até nesta quarta-feira (19 Setembro) em Bissau.

Na intervenção durante o debate, o antigo procurador-geral da República fez uma radiografia da atuação do poder judicial guineense, considerando que não controla a corrupção por falta de mecanismos, que os governantes "acabam por ser comerciantes", que a corrupção "é endémica e sistémica" e que se nada for feito "poderá vir a ser tarde".
Victor Bacurim, um magistrado e membro da equipa de inspeção do Ministério Público, corroborou as palavras de Hermenegildo Pereira e destacou que o poder judicial guineense "está hoje completamente dividido, de acordo com as cores políticas" dos atores.

No discurso de abertura do seminário, o ministro da Presidência do Conselho de Ministros e Assuntos Parlamentares, Agnelo Regalla, afirmou que "o sinal mais evidente" de que o fenómeno da corrupção "é encarado com toda a naturalidade" é constatar que os que ostentam sinais exteriores de riqueza duvidosa são elogiados ao invés do mérito pelo trabalho ou competência técnica e profissional.
O adjunto do representante do secretário-geral da ONU na Guiné-Bissau, o australiano David Maclachlan-Karr, enfatizou que, apesar de o país contar com uma legislação e mecanismos de luta contra a corrupção, deve haver "um forte compromisso do Estado e da sociedade" para implementação dos mesmos, assim como uma cooperação internacional para abordar o fenómeno.

O seminário junta técnicos do governo, da Presidência da República, do parlamento, académicos e elementos de organizações da sociedade civil, e está a analisar os mecanismos de controlo financeiro, auditoria e gestão do Orçamento Geral do Estado, bem como o papel do poder judicial na luta contra a corrupção.
Os meandros da concessão de licenças, pelo Estado, para exploração de recursos minerais, nomeadamente o petróleo e as areias pesadas, o corte da floresta para extração da madeira, e as pescas são dos temas em análise no seminário.
Rispito.com/DN, 19-09-2018


Mais uma figura desaparecida...

Guiné-Bissau perde mais uma figura conhecida entre a luta pelos direitos humanos, na politica e comunicação social.

Inácio Tavares, assessor do presidente da ANP para a área da comunicação, faleceu no final da tarde desta terça feira (18 de Setembro ) nos cuidados intensivos do Hospital Nacional Simão Mendes.

Rispito.com, envia o seu mais profundo pesar à família enlutada  e a todos os amigos e conhecidos. 
Rispito.com, 19-09-2018

terça-feira, 18 de setembro de 2018

Situação na Guiné-Bissau mostra "elevado grau" de corrupção que impera no país

O ministro da Presidência do Conselho de Ministros e Assuntos Parlamentares guineense, Agnelo Regala, disse hoje que a situação no país é demonstrativa do "elevado grau" de corrupção que impera na Guiné-Bissau.
Agnelo Regala falava na sessão de abertura de uma conferência sobre o combate à corrupção na Guiné-Bissau, organizada pelas Nações Unidas, e que vai reunir durante dois dias 50 profissionais de vários setores do país.
A Guiné-Bissau, segundo o Índice de Perceção da Corrupção da Transparência Internacional, está no 177.º num ranking de 180 países.

"Pensamos que hoje o diagnóstico já está feito e a própria situação que se vive no país, é demonstrativa do elevado grau de corrupção que impera na Guiné-Bissau e dos efeitos devastadores que esse fenómeno tem na nossa economia e, consequentemente sobre o Estado e a sociedade", afirmou o ministro.
Para Agnelo Regala, o sinal "mais evidente" de que a corrupção se entranhou na Guiné-Bissau é o facto de se assistir a "manifestações que promovem os mais corruptos, os que mais ostentam sinais exteriores de riqueza, ao invés de realçar o mérito daqueles que vivem do seu trabalho e da sua competência técnica e profissional".
"Tudo isto demonstra que se não formos capazes de combater aquele fenómeno e de proceder ao retorno aos valores da moral e da ética, a democracia e a nossa sociedade estarão condenadas e à mercê dos corruptos, em aliança com o crime organizado e o narcotráfico", salientou o ministro.

O ministro alertou que o fenómeno poderá também criar uma "corrupção sistémica" que vai "fragilizar e gangrenar cada vez mais as instituições do Estado e agravar as desigualdades sociais".
No discurso, Agnelo Regala questionou as razões pelas quais a legislação existente na Guiné-Bissau não é aplicada e os implicados em atos de corrupção não são responsabilizados, bem como a razão pela qual os processos levantados pela Inspeção Superior contra a Corrupção se "encontram nas gavetas das instituições judiciais".
Para fazer face ao fenómeno, o ministro disse que é preciso reformar o sistema judicial, investir na formação em prevenção e luta contra a corrupção e que a legislação passe a prever auditorias às contas do Estado e supervisão de áreas de risco.
As Nações Unidas na Guiné-Bissau estão a apoiar o combate à corrupção através do aumento das capacidades nacionais para garantir a supervisão do uso de fundos públicos e formação de funcionários públicos.
Rispito.com/Lusa, 18-09-2018

CEDEAO em Bissau para analisar a situação política guineense

A imagem pode conter: 5 pessoas, pessoas a sorrir, pessoas sentadas, mesa e interioresMissão liderada pelo chefe da diplomacia nigeriana pretende inteirar-se dos passos que estão a ser dados para as legislativas no país. Também fazer uma avaliação da aplicação dos acordos de Lomé e Conacri.
Por esse motivo, uma missão da Comunidade dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) fez, esta terça-feira (18.09), uma visita de algumas horas a Bissau para avaliar a situação política no país.

A missão liderada pelo ministro dos Negócios Estrangeiros da Nigéria, Geoffrey Onyeama, pretende fazer uma avaliação à aplicação dos acordos de Lomé e de Conacri.

Outro objetivo da organização regional é inteirar-se das medidas que estão a ser tomadas para a realização das eleições legislativas guineenses, previstas para 18 de novembro.
A imagem pode conter: 5 pessoas, pessoas em pé
Durante a sua estada em Bissau, o chefe da diplomacia nigeriana reuniu-se com as autoridades do país, signatários do Acordo de Conacri e representantes das organizações internacionais que atuam no país e deixa claro, que a CEDEAO não quer que a Guiné-Bissau seja mais um motivo de instabilidde para a sub-região.

Entretanto, atrasos na entrega dos kits eleitorais - entregues na segunda-feira (17.09) - e, consequentemente, no início do recenseamento dos eleitores levantam dúvidas quanto à realização da votação na data prevista pelas autoridades. 
A CNE fala em falta de dinheiro e um novo cronograma eleitoral, e realça a importância de consensos para evitar eventuais reclamações. Mas agora, com a cologação dos kits a desposição, o momento é de recuperar o tempo perdido e, com estas condições os responsáveis políticos devem assumir as suas responsabiliades para o retorno a estabilidade política.
Rispito.com/DW, 18-09-2018

FMI em Bissau para mais uma missão de avaliação ao programa de crédito alargado

Uma missão do Fundo Monetário Internacional (FMI) chega hoje a Bissau, Guiné-Bissau, para uma visita de trabalho no âmbito da sexta avaliação ao Programa de Crédito Alargado, anunciou, em comunicado, o Governo guineense.

FMI em Bissau para mais uma missão de avaliação ao programa de crédito alargadoSegundo o executivo guineense, durante a sua estada em Bissau, que termina a 02 de outubro, a missão do FMI vai reunir-se com as autoridades guineenses de vários setores, com o Banco Central dos Estados da África Ocidental, Tribunal de Contas, instituições bancárias, União Europeia, sociedade civil e com várias empresas a operar no país.

No âmbito da sexta avaliação ao Programa de Crédito Alargado, o FMI vai também reunir-se com responsáveis para analisar os "planos de investimento no setor energético, compensação das pescas e receitas relacionadas" e produção e exportação da castanha de caju.

Em junho, o conselho de administração do FMI aprovou a quinta tranche no âmbito do Programa de Crédito Alargado à Guiné-Bissau, que teve início em 2015, no valor de 4,3 milhões de dólares (cerca de 3,6 milhões de euros), totalizando 24,2 milhões de dólares (20,6 milhões de euros) de empréstimo.

O FMI aprovou também um pedido das autoridades guineenses para a extensão do programa por mais um ano até meados de 2019.

Segundo o FMI, o aumento do programa vai ajudar à estabilidade macroeconómica durante o período eleitoral e ajudar às necessidades da balança de pagamentos.

Com a extensão do programa, a Guiné-Bissau vai beneficiar de um empréstimo total de 32,2 milhões de dólares (27,4 milhões de euros).
Rispito.com/Lusa, 18-09-2018

domingo, 16 de setembro de 2018

Nigéria entrega 150 'kits' de recenseamento à Guiné-Bissau

O embaixador da Nigéria na Guiné-Bissau, Adeyemi Afo Laham Ambrosi, entregou hoje oficialmente ao Governo guineense 150 'kits' para iniciar o recenseamento eleitoral para as legislativas de 18 de novembro, que chegaram domingo a Bissau.
a cerimónia, que decorreu na direção-geral do Gabinete Técnico de Apoio ao Processo Eleitoral, o embaixador nigeriano disse que a Nigéria vai entregar ao todo 350 'kits', mas que "devido a questões logísticas" ainda não foram todos transportados para a Guiné-Bissau.
"Esperamos que os restantes 200 cheguem dentro de duas semanas, foi o que foi prometido e espero recebê-los brevemente", salientou.
O primeiro-ministro guineense, Aristides Gomes, agradeceu o 'kits' e salientou que é preciso criar condições para que aqueles gestos "não se repitam inutilmente".
"O que quer dizer que nós vamos criar condições para os conservarmos muito bem o material doado pela Nigéria e Timor-Leste. Vamos criar condições para que a ajuda seja transformada num fator de independência, num fator de autonomia", sublinhou.
Para Aristides Gomes, é preciso a Guiné-Bissau criar condições para que a partir das próximas eleições legislativas, o país esteja em "condições de financiar as suas próprias eleições".
A Guiné-Bissau tem eleições legislativas previstas para 18 de novembro, mas a viabilidade do escrutínio se realizar naquela data tem estado a ser contestada por partidos políticos e sociedade civil, devido a atrasos no início do recenseamento eleitoral.
O recenseamento eleitoral deveria ter começado a 23 de agosto, para terminar a 23 de setembro, mas ainda não começou.
A Comissão Nacional de Eleições já defendeu que é necessário fazer um novo cronograma eleitoral.
Rispito.com/DN, 17-09-2018




Partidos sem assento parlamentar sentem-se excluídos do processo eleitoral na Guiné-Bissau

Vários partidos políticos sem assento parlamentar sentem-se excluídos na preparação das eleições legislativas na Guiné-Bissau e dizem que processo decorre fora da lei.
Unterstützer der Partei Movimento Patriótico (DW/B. Darame)Os partidos políticos sem representação parlamentar acusam o Governo guineense de preparar o processo eleitoral apenas com os partidos políticos com assento no Parlamento e deixar de fora as outras formações políticas, de igual modo concorrentes às legislativas marcadas para 18 de novembro próximo. À DW-África esses partidos reclamam o direito de serem envolvidos na busca de consensos e soluções que permitam que o processo eleitoral seja conduzido de forma transparente visando garantir a estabilidade política na Guiné-Bissau depois dos próximos escrutínios. 

Queda de árvore mata cinco pessoas  na ilha de Caravela

Image result for na ilha de Caravela guine bissauA queda de um poilão (árvore de grande porte) num povoado na ilha de Caravela, no sul da Guiné-Bissau, matou cinco pessoas, disse à Lusa Abdulai Silá, administrador do setor.
   
De acordo com o administrador, a mais alta autoridade do Estado no local, a árvore caiu em cima de jovens que se encontravam a assistir a uma manifestação cultural na ilha.
Há receios de que "algumas pessoas possam estar debaixo do poilão", indicou Abdulai Silá, pedindo socorro a partir de Bissau, já que na ilha não existem serviços dos bombeiros.

Image result for na ilha de Caravela guine bissauSeis outras pessoas ficaram feridas, das quais cinco estão a precisar de assistência médica urgente, precisou o administrador, que acrescentou ter informações de que uma equipa da Proteção Civil está a caminho da ilha.

Caravela é uma ilha situada no extremo sudeste da Guiné-Bissau, junto ao oceano atlântico.

A Guiné-Bissau tem sido fustigada nos últimos tempos por chuva intensa, ventos fortes e inundações, que já provocaram quedas de casas e árvores e fizeram centenas de desalojados.
Rispito.com/Lusa, 15-09-2018

sábado, 15 de setembro de 2018

Nasce mais uma formação política "APR"

Mamadú Iaia Djaló
A republica da Guiné-Bissau com a sua preocupada situação de se encontrar um entendimento politico no seio dos particos que já existem, mas ao que parece o ânimo instiga a muitos na crição de partido para assumir a governação do país.

A prova é no nascimento continuo de partidos dentro de um país com superficie e população bastante reduzido.

Aliança para a República com sigla APR é mais uma formação politica que acaba de nascer e que já foi reconhecida pelo Supremo Tribunal de Justiça. Esta, como tantos outros, também promete concorrer as eleições legislativas de 18 de Novembro.

O líder desta nova formação política, Mamadú Iaia Djaló, defende que é preciso reformar o estado, para garantir leis que possam assegurar a estabilidade e desenvolvimento sustentável. E se chegar ao poder a sua prioridade sera reformular as leis adaptando-as com a realidade da Guiné-Bissau e do povo.
Rispito.com, 15-09-2018

Guiné-Bissau é o país lusófono com segundo pior resultado no índice de desenvolvimento da ONU

A Guiné-Bissau desceu duas posições no relatório anual do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) e é o segundo país de expressão portuguesa na categoria de desenvolvimento "baixo", ocupando o 177.º lugar.

Num máximo possível de 1,0 valores, a Guiné-Bissau teve um índice de desenvolvimento humano (IDH) de 0,455 em 2017, o que significa uma melhoria de 0,95% por ano desde 2010, mas que não acompanha o crescimento dos outros países, de acordo com o relatório.

Depois da atualização de dados a que o PNUD procedeu, o país africano foi colocado na 175.ª posição no ano de 2016, uma diferença de três posições em relação ao lugar 178 anunciado em março do ano passado, relativo a 2016.

Deste modo, o relatório global de 2018 apresentado em Nova Iorque, que indica os dados de 2017, conta uma descida de duas posições para a Guiné-Bissau em relação aos dados atualizados da última contagem.

Apesar de uma escolaridade prevista de 10,5 anos, a população guineense passa apenas três anos na escola e soma a maior taxa de trabalho infantil da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP): 36,2% das crianças com idades entre 5 a 17 anos trabalham.

A nível de saúde, nos hospitais existem cerca de 10 camas por 10 mil habitantes e um médico por cada 20 mil habitantes (0,5 em 10 mil).

O vírus da sida atinge cerca de 3,1% da população, a tuberculose atinge uma média de 374 pessoas em cada 100 mil e a malária põe em risco 73 pessoas por cada mil.

De acordo com o relatório, a Noruega, com um índice de 0,953 valores, é o país mais desenvolvido do mundo, enquanto o Níger, com 0,354 valores, o menos desenvolvido.

O IDH é dividido em três áreas: saúde (aliada à longevidade), qualidade de vida (medida em rendimento nacional bruto per capita) e educação, com dados recolhidos por agências nacionais e internacionais até 15 de julho de 2018.
Rispito.com/Lusa, 15-9-2018

sexta-feira, 14 de setembro de 2018

Bebé doente guineense retido pelo SEF no aeroporto de Lisboa

Um menino, de dois anos, que precisa de receber tratamento médico está retido no Centro de Instalação Temporária (CIT) do aeroporto de Lisboa desde domingo, depois de o Serviço de Estrangeiros Fronteira ter impedido a sua entrada em Portugal, após aterrar na companhia da mãe num voo oriundo da Guiné-Bissau. 
Segundo o CM apurou, Djamabo Sanhá, a progenitora, de 28 anos, viajou para Portugal com um visto turístico válido para o espaço Schengen emitido pelo consulado de Espanha na Guiné e uma carta médica a solicitar uma intervenção cirúrgica urgente para a criança devido a um problema grave nas amígdalas e à falta de otorrinolaringologistas naquele país. Mas ficaram logo retidos, uma vez que um inspetor do SEF teve dúvidas na documentação. 
Apesar de ter aterrado às 04h00 de domingo, só depois das 18h00 um advogado pago por amigos da mulher conseguiu entrar no CIT e falar com mãe e filho. A seguir interpôs um pedido de asilo humanitário, que ainda está em análise. 
Amigos da mulher alegam que mãe e filho não tiveram acesso à bagagem, ficando sem roupa ou fraldas. Ao CM, o advogado José Gaspar Schwalbach afirma que, na prática, esta situação configura "uma detenção". O SEF esclarece que mãe e filho foram retidos "por não comprovação do objetivo e condições de estada e falta de meios de subsistência", garantindo que "à criança e à mãe estão a ser asseguradas todas as condições, nomeadamente de higiene, alimentação, repouso, assistência médica e segurança".
Rispito.com/CM, 14-09-2018

quinta-feira, 13 de setembro de 2018

Comunidade de Hafia pede ajuda e denuncia práticas nefastas contra a saúde da mulher.

Related imageRelated imageHabitantes da comunidade de Hafia, um dos mais populosos bairros da capital da Guiné-Bissau, denunciaram práticas nefastas contra a saúde da mulher que ali continuam a ocorrer, como casamentos precoce e forçado ou a mutilação genital feminina. 
As denúncias foram ouvidas pelas secretárias de Estado portuguesas, Rosa Monteiro, da Cidadania e Igualdade e Rosa Matos, da Saúde, ambas a realizar, desde quarta-feira, uma visita de trabalho à Guiné-Bissau, que termina no sábado. As duas governantes portuguesas, que se encontram no país africano para constatarem o trabalho que tem sido feito por várias organizações que beneficiam de apoios lusos, assistiram no bairro de Hafia, na quarta-feira à noite, a uma peça de teatro ao ar livre, a que se seguiu às intervenções de representantes comunitários.
Rispito.com/CM, 13-09-2018


Nove aldeias no norte da Guiné-Bissau isoladas devido ao mau tempo

Image result for varela e sao domingos guine bissauPelo menos nove aldeias da zona de Varela, São Domingos, norte da Guiné-Bissau, estão isoladas há três semanas devido ao mau tempo, noticiou a imprensa guineense.
forte chuva que tem caído no país deixou a estrada que liga Varela a São Domingos intransitável.
Segundo um habitante daquela zona, citado pela Rádio Sol Mansi, a chuva que caiu nos últimos dias "torna impossível a circulação de meios de transporte naquela zona".
"A localidade não beneficia da atenção dos governantes", lamentou.
Uma outra habitante da zona ameaçou não votar nas próximas legislativas, previstas para 18 de novembro, devido aos problemas que afetam a população.
"Para viajar de Suzana para Varela atualmente apanhamos motorizadas pagando 10.000 francos CFA (cerca de 15 euros)", disse, salientando que há dificuldades de alimentação por falta de meios de transporte.
A forte chuva que tem caído na Guiné-Bissau já destruiu dezenas de habitações precárias e deixou outras tantas pessoas desalojadas.
Em junho, o mau tempo provocou três mortos e deixou 800 pessoas desalojadas.
Habitantes de várias zonas do país têm ameaçado boicotar as eleições legislativas devido às más condições das vias rodoviárias do país, que durante a época das chuvas (entre maio e novembro) ficam intransitáveis, e acusado os governantes guineenses de não se preocuparem com as condições de vida da população.
Rispito.com/DN, 13-09-2018

quarta-feira, 12 de setembro de 2018

Atraso na chegada dos "kits" compromete realização das legislativas

Primeiro-ministro da Guiné-Bissau, Aristides Gomes, explicou aos partidos políticos com assento parlamentar que os atrasos verificados no recenseamento eleitoral devem-se a problema burocráticos.
Numa reunião de mais de três horas, o chefe do executivo guineense, Aristides Gomes, explicou esta quarta-feira (12.09) aos partidos políticos com assento parlamentar os atrasos no recenseamento eleitoral, que antecede as legislativas marcadas para 18 de novembro.
Recorde-se, que o recenseamento eleitoral, que devia ter começado a 23 de agosto, ainda não arrancou devido a atrasos na chegada dos 'kits' de registo biométrico.
m declarações à DW-África, Allen Sanka, responsável do Gabinete Técnico de Apoio ao Processo Eleitoral (GETAPE) disse que os Kits ainda estão na Nigéria e que os técnicos vão precisar de formação para atualização dos softwares. Quanto à questão se a GETAPE estará em condições de cumprir a data de 18 de novembro, Allen Sanka remete a resposta ao Governo.
"Estamos a aguardar a chegada de 150 kits provenientes da Nigéria. Em função desses kits vamos utilizar 136 ao nível nacional e 14 para a diáspora, incluindo a Alemanha. Já fizemos a seleção dos técnicos, agora só faltam a chegada dos equipamentos". 
Sanka não soube contudo precisar para quando chegam os Kits, embora afirme que tudo esteja pago e falta apenas o envio por parte das autoridades nigerianas, que poderá acontecer a qualquer momento.
Questões burocráticas
Á saída do encontro Domingos Simões Pereira, presidente do Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC) disse aos jornalistas que "nós ouvimos explicações nos atrasos que se têm registado não só na chegada dos kits ao país, mas no próprio início do processo de recenseamento e essas explicações apontam para o facto de já só serem questões burocráticas que estão a atrasar a saída dos kits".
Domingos Simões Pereira disse que se espera que os 'kits' possam estar no país "nas próximas horas" e que o PAIGC recebeu garantias do Governo de que será apresentado um novo cronograma eleitoral assim que aqueles aparelhos de registo biométrico dos eleitores se encontrarem na Guiné-Bissau.
"Nós aproveitamos para exortar os nossos colegas dirigentes de partidos políticos para não fazer uso em termos de tirar benefícios. É preciso ter algum 'fair play' e reconhecer que este Governo é uma consequência do bloqueio político que se estabeleceu no país e portanto basta de jogar vantagens partidárias", acrescentou Domingos Simões Pereira. 
Para o presidente do PAIGC agora é preciso criar "condições objetivas para a ida às urnas no prazo mínimo possível para esse efeito".
Novo cronograma?
Lembramos que a Comissão Nacional de Eleições (CNE) da Guiné-Bissau defendeu na última sexta-feira (07.09), em comunicado à imprensa, um novo cronograma eleitoral por causa da lei sobre a inalterabilidade dos cadernos eleitorais.
Também o vice-presidente do Partido de Renovação Social (PRS), Certório Biote, disse aos jornalistas à saída da reunião com o primeiro-ministro que se aguarda a chegada dos 'kits' para ser feita uma atualização do cronograma eleitoral. "Depois de recebermos os 'kits', o Governo vai analisar e propor um novo cronograma", disse.
Questionados sobre a possibilidade de as eleições serem adiadas, ambos os dirigentes políticos afirmaram que primeiro é preciso os 'kits' de recenseamento biométrico chegarem ao país e só depois essa possibilidade poderá ser analisada.
Rispito.com/DW, 12-09-2018

terça-feira, 11 de setembro de 2018

Inundação no quartel da Marinha deixa soldados sem sítio para dormir

Image result for quartel da marinha da guine bissauO mau tempo que tem afetado a capital da Guiné-Bissau, Bissau, provocou inundações do Estado-Maior da Marinha do país, deixando 500 soldados sem sítio onde dormir.
"Este quartel está velho e durou muitos anos e o esgoto já não consegue levar a água do mar. Neste momento, a água do mar entra diretamente para as camaratas", disse à agência Lusa o vice-chefe de Estado-Maior da Marinha, comodoro Armando Siga.
As instalações da Marinha guineense estão situadas junto ao rio Geba e a quantidade de chuva que tem caído nos últimos dias, juntamente com a subida da maré, provocado inundações no perímetro, que atingiram vários blocos de camaratas e o refeitório.
"É preciso a intervenção do Governo, porque a Marinha não tem capacidade para prevenir esta situação. Isto ultrapassa as nossas capacidades", pediu o comodoro Armando Siga.
O vice-chefe de Estado-Maior da Marinha disse que neste momento estão a evacuar as camaratas e a colocar os soldados a dormir em outros sítios.
"Nós não temos condições para ficar aqui. O Governo tem de ver a possibilidade de sairmos daqui ou fazer uma intervenção rápida", afirmou.
A forte chuva que tem caído na Guiné-Bissau já provocou a destruição de cerca de mais de 30 habitações e deixou dezenas de pessoas desalojadas.
Em junho, o mau tempo provocou três mortos e deixou 800 desalojados na cidade de Bissau.
Rispito.com/Lusa, 11-09-2018