quinta-feira, 8 de dezembro de 2016

LGDH - Falta de governo na Guiné-Bissau aumenta pobreza e corrupção 

A falta de governo na Guiné-Bissau tem contribuído para o aumento da pobreza e da corrupção no aparelho do Estado, alertou hoje o presidente da Liga Guineense dos Direitos Humanos, Augusto da Silva.
O Presidente guineense, José Mário Vaz, nomeou o general na reserva Umaro Sissoco Embaló como primeiro-ministro a 18 de novembro, mas este ainda não formou um governo.
Augusto da Silva afirmou hoje que a crise política que assola a Guiné-Bissau tem levado a que o país deixe de contar com políticas públicas devido a "ausência de um governo legítimo" para as elaborar.
Para o presidente da Liga Guineense dos Direitos Humanos, "a culpa é do Presidente da República" que, disse, não consegue convencer os partidos políticos a aderirem o executivo de Sissoco Embaló.
Augusto da Silva diz que "há mais de um ano que não tem havido políticas públicas", um vez que desde agosto de 2015 o país deixou de contar com um governo com legitimidade para apresentar ao Parlamento um orçamento e o plano de ação.
Aquele responsável disse também que o facto tem levado à deterioração do respeito pelos direitos humanos, a um aumento de pobreza e a tem feito com que a corrupção acelere na administração pública por falta de controlo.
Rispito.com/Lusa, 08-12-2016

João Fadiá disse que Guiné-Bissau está de "boa saúde financeira"

O diretor nacional do Banco Central de Estados da Africa Ocidental (BCEAO) para a Guiné-Bissau, João Fadiá, defendeu hoje que a saúde financeira do país "é boa" com as reservas cambiais a permitirem pagar as exportações durante 14 meses.
O responsável do BCEAO deu estas indicações numa conferência de imprensa após a reunião de balanço trimestral do desempenho dos bancos comerciais que operam na Guiné-Bissau cujas ações são supervisionadas pela instituição que dirige.
Related imageJoão Fadiá adiantou que o "desempenho foi bom também ao nível da inflação" que acabou por ser situar na ordem de 2,6% quando a meta inicialmente prevista era de 3%.
"Financeiramente a situação do país está boa, em termos das finanças públicas é outra coisa", disse o diretor nacional do BCEAO, remetendo para o Governo guineense uma resposta conclusiva.
O diretor do banco central guineense explicou que para a boa saúde financeira contribuiu a campanha de comercialização da castanha do caju, principal produto de exportação do país.
O país exportou cerca de 200 mil tonadas do caju em 2016.
João Fadiá indicou que perante os dados de que o BCEAO dispõe, o país conseguiu atingir todas as metas em termos da política monetária o que deixa antever boas perspetivas para 2017.
Uma boa campanha agrícola associada à retoma da assistência do Fundo Monetário Internacional (FMI) irão ajudar a Guiné-Bissau a conhecer melhor desempenho, precisou ainda João Fadiá.
Rispito.com/Lusa, 08-12-2016

quarta-feira, 7 de dezembro de 2016

40 ALDEIAS ABANDONAM PRÁTICA DE MUTILAÇÃO GENITAL FEMININA

Image result for aldeias da guine bissauA população de 40 aldeias do sul da Guiné-Bissau decidiu publicamente abandonar a prática de Mutilação Genital Feminina (MGF), anunciou hoje Fatumata Djau Baldé, presidente do comité para o abandono de práticas nefastas à saúde da mulher e criança.
Image result for Mutilação Genital Feminina guine bissauFatumata Baldé, antiga ministra dos negócios Estrangeiros guineense, mostrou-se "feliz e convencida" em como "pouco a pouco" as comunidades começam a perceber que a MGF "é uma prática nociva à saúde da mulher e das raparigas e que não tem nada a ver com a religião".
A presidente do comité para o abandono das práticas nefastas à saúde da mulher e criança (instituição criada pelo Estado guineense) realçou o simbolismo do anúncio feito pela população das 40 aldeias pelo facto de serem localidades com acentuada presença de costumes islâmicos.
A vila de Quebo, principal posto administrativo da zona onde foi declarado o abandono da prática da mutilação genital feminina, é um conhecido centro de aprendizagem do Alcorão (livro religioso dos muçulmanos) e alguns líderes deste centro têm-se vindo a posicionar contra a lei que criminaliza a prática.
Um líder religioso de Quebo, Rachide Djaló, anunciou publicamente que vai liderar uma campanha de recolha de assinaturas para pedir ao Parlamento que anule a lei que proíbe a MGF, que considera "uma determinação islâmica".
O Parlamento guineense aprovou, em junho de 2011, a lei que criminaliza a prática, mas são raras as autoras da excisão julgadas e condenadas na justiça.
Image result for fatumata djau balde em quebo guine bissauPara Fatumata Baldé, constatar que a população das 40 aldeias da zona de Quebo decidiram voluntariamente largar a prática da excisão significa que "não estão a seguir os líderes religiosos de forma cega", notou.
Até ao final do ano, a presidente do comité acredita que serão cerca de 100 aldeias do interior da Guiné-Bissau a abandonarem a prática, sobretudo por se terem apropriado das campanhas de sensibilização e de informação.
A presidente do comité para o abandono das práticas nefastas à saúde da mulher e criança diz que a excisão tem vindo a baixar na Guiné-Bissau mas apela para o reforço da vigilância junto da população rural.
Dados da Organização Mundial da Saúde apontam que cerca de 50 por cento das mulheres e raparigas da Guiné-Bissau tenham sido submetidas à prática da excisão.
Rispito.com/Lusa, 07-12-2016

Confusão e expulsão resultou no encontro de concertação entre Umaro Sisso e Cipriano Cassama


Num episódio de viagem de ida e de volta para Dacar, houve especulações de proximidade entre Cipriano Cassama e Umaro Sissoco. Mas hoje vive-se um cenário que aparenta ser uma versão contraria.
Isso porque denotou-se um relacionamento desconfortável se não desagradável entre os dois nesta terça feira, 06 de Dezembro, na gabinete do Presidente do Parlamento.

De acordo com as fontes Parlamentares, Umaro Sissoco entrou na Assembleia Nacional Popular, para ter com o presidente do parlamento, Cipriano Cassamá, para informa-lo a sua intenção de formação do seu Governo e que consequentemente seria empossado na  próxima sexta-feira.

Mas a contrario disso, Cipriano Cassama aconselhou Sissoco para esperar pelo dia 17, data em que o mediador da crise guineense, Presidente Alpha Conde, divulgará o nome da figura de consenso obtido em Conacri, durante as reuniões das mediações.
Mas esse posicionamento contrario do Cipriano Cassama não caiu bem ao Sissoco, e o encontro que devia ser harmonioso se transformou em confusão e desconsideração mútua, obrigando à intervenção dos guarda-costas de um e de outro lado a tomarem devidas medidas de segurança no local. 

Daí o novo Primeiro-mistro, Umaro Sissoco foi expulso do gabinete do Presidente do Parlamento. E este ultimo visivelmente irritado saiu de mediato para o Palácio da Republica, certamente para informar ao Presidente Mário Vaz do  incidente ocorrido.

Ao que tudo indica, em termos de abrandamento das tensões entre os órgãos da soberania ainda nada está resolvido. O que nos leva a reafirmar que esta legislatura e mandato presidencial ainda promete castigar o povo de forma nunca antes vista na história do país.
Rispito.com, 07-12-2016


terça-feira, 6 de dezembro de 2016

Maçarico. Ave que voa da Islândia à Guiné-Bissau sem comer nem beber

Uma equipa de investigadores descobriu um novo herói no mundo das aves: Chama-se maçarico e abriu “uma autoestrada entre o Ártico e os trópicos” com um voo sem paragens  e sem comer nem beber água entre a Islândia e a Guiné-Bissau.
Esta ave faz 6.000 quilómetros sobre o oceano sem consumir qualquer alimento e sem beber água, em esforço contínuo, durante cinco dias”, explicou à Lusa, José Alves, investigador do Departamento de Biologia da Universidade de Aveiro (UA), que lhe chama um “voo incrível”.
Trata-se de uma “ponte muito estreita a que chamamos quase uma autoestrada entre o Ártico e as zonas tropicais, nos Bijagós”, arquipélago da Guiné-Bissau, detalhou.
Image result for Maçarico aveJosé Alves é um dos coautores do artigo científico que explica a descoberta (numa parceria da UA com a Islândia) e que foi publicado na quarta-feira na internet, pela revista Nature. O ciclo é repetido todos os anos pela ave cujo peso ronda as 350 gramas “relativamente pequena para estes voos intercontinentais”.
O Maçarico, também conhecido em Portugal como Maçarico Galego (e com o nome científico Numenius phaeopus) “reproduz-se na Islândia, onde passa três meses por ano” e faz depois o voo direto para as ilhas Bijagós, na Guiné-Bissau, “onde passa sete a oito meses” — quando na Europa é inverno. As ilhas Bijagós servem para o pássaro se alimentar, antes de voltar a viajar para norte, desta vez com paragem na Irlanda e daí para a Islândia.
Image result for ave Maçarico em vooA descoberta foi feita graças ao seguimento da espécie com um geolocalizador, um aparelho que pesa uma grama, que se fixa numa das patas do pássaro e que regista o percurso e tempo das deslocações. Conhecer o Maçarico é importante “para perceber quais são os elos” de uma longa cadeia que se estende por milhares de quilómetros.

“É conhecimento fundamental que está sempre à frente do conhecimento aplicado e que nos permite compreender que conservar só aqui [na Guiné-Bissau] não faz sentido sem conservar na Islândia”, exemplificou José Alves.
Image result for ave Maçarico em vooViemos agora até à Guiné-Bissau para perceber como estas aves conseguem adquirir estas reservas de energia” para fazer voos tão longos, acrescentou.
O investigador integra a equipa internacional que está a preparar um novo projeto de estudo e preservação de aves no arquipélago dos Bijagós. Estima-se que as 80 ilhas e ilhéus da Guiné-Bissau no Oceano Atlântico sirvam de abrigo a mais de um milhão de aves que durante o inverno saem de vários países da Europa, um número que tem vindo a baixar.”Há um espetro de espécies que está a ser afetado”, referiu à Lusa, José Pedro Granadeiro, docente e investigador da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, que integra a equipa.
Os cientistas procuram as razões para este declínio que se verifica noutros pontos do globo: Ainda não se percebeu se há problemas “nos sítios onde as aves se reproduzem, se nos locais onde param para se alimentar”, sublinhou. Com a realização de estudos mais detalhados ao longo dos próximos anos nas ilhas Bijagós, os investigadores vão tentar perceber “encontrar a chave para este declínio”, referiu José Pedro Granadeiro.

Com o projeto “vai haver investigação, mas também capacitação dos técnicos locais”, realçou Aissa Regalla de Barros, dirigente do Instituto de Biodiversidade e Áreas Protegidas (IBAP) do país. “Já é tempo de haver investigadores locais que possam acompanhar os técnicos externos”, realçou a coordenadora da área de biodiversidade do IBAP.
Rispito.com/Lusa, 05-12-2016

Guiné-Bissau com 11 casos de microcefalia por Zika, Dengue e Chicungunha

Related imageA Guiné-Bissau registou 11 casos de microcefalia em recém-nascidos desde o início do ano provocados pelos vírus Zika, Dengue e Chicungunha, anunciou o diretor do Instituto Nacional de Saúde do país, Plácido Cardoso.
"Houve mais de 30 casos enviados para análise e dos 19 já concluídos há 11 confirmados, alguns devido a Zika, outros devido a Dengue e Chicungunha", referiu aquele responsável aos jornalistas.
As análises foram feitas pelo Instituto Nacional de Serologia da Dinamarca e pelo Instituto de Medicina Tropical da Bélgica.
Os casos são provenientes das ilhas Bijagós, Gabu, Bafatá e da capital, Bissau.
Plácido Cardoso aconselhou à limpeza das zonas em redor das habitações como a melhor forma de prevenir a infeção por vírus que são transportados por mosquitos.
A Organização Mundial de Saúde (OMS) anunciou a 18 de novembro que o vírus Zika, associado a graves anomalias cerebrais em recém-nascidos, deixou de ser uma "emergência de saúde pública" a nível mundial.
"O vírus Zika continua a ser um problema extremamente importante a longo prazo, mas já não é uma emergência de saúde pública de alcance mundial", declarou o presidente do comité de urgência da OMS sobre o Zika.
Rispito.com/Lusa, 06-12-2016

Fórum Nacional de Justiça da Guiné-Bissau debate riscos do radicalismo

A prevenção do radicalismo vai ser um dos temas em foco nos três dias de debates do Fórum Nacional de Justiça da Guiné-Bissau, que decorre a partir de hoje e até sexta-feira na sede do Governo na capital do país.
"As sessões a serem ministradas durante o fórum dedicam-se sobretudo à justiça criminal, à prevenção do radicalismo, à justiça militar e à reforma penitenciária, bem como à avaliação do Documento Estratégico sobre o Sector Penitenciário (2016-2020)", anunciou a organização, a cargo das Nações Unidas e do governo.
Apesar de já ter havido várias tentativas para reformar o setor na última década, nenhuma resultou devido à instabilidade política no país.
Só no último ano e meio o país já conheceu quatro governos, aguardando-se a nomeação de um quinto executivo.
Numa avaliação feita em Outubro de 2015, a ONU concluiu que a Justiça na Guiné-Bissau "não chega às pessoas" e que o setor está numa situação "grave".
A Resolução 2267 do Conselho de Segurança, que rege o mandato do Gabinete Integrado das Nações Unidas para a Consolidação da Paz na Guiné-Bissau, estabelece a justiça criminal como um dos domínios prioritários para a consecução da estabilidade política e da paz duradoura.
Neste quadro, o Fórum Nacional de Justiça junta os profissionais do setor, especialistas e principais parceiros internacionais.
Rispito.cm/Lusa,06-12-2016

segunda-feira, 5 de dezembro de 2016

Nome de consenso acordado em Conacri será conhecido no dia 17 em Abuja

Quem brinca ou goza consigo mesmo, pouco ou nada pode reclamar quando os outros fazem dele, de pouco importa no que para ele é vital.

Guiné-Bissau continua num país estagnado, onde os políticos não se entendem e o custo do desentendimento continua em soma constante de despesas nas andanças de um lado para outro dos políticos. 
Mais uma despesa em vão, no gasto com a comitiva liderado pelo presidente do parlamento guineense, Cipriano Cassama, na deslocação para Conacri destinado a pedir a divulgação do relatório do acordo de Conacri, assinado pelos politicos da Guiné-Bissau.
Tudo porque, Alpha Condé o responsavel encarregue pela CEDEAO para mediar a crise política guineense, só vai divulgar o nome da figura de consenso alcançado nas reuniões de mediação em Conacri, na Cimeira dos Chefes de Estados da CEDEAO, a decorrer no dia 17 de Dezembro em Abuja, Nigéria.
Atitude que suscita muitas dúvidas e interpretações difusas que aparentam de que a forma como o acordo está a ser materializado não  deve ser o mesmo que levou aceitação de assinatura das partes envolvidas.
Seja como for, espera-se idoneidade e muita responsabilidade pela equipa mediadora para o bem do país e do povo guineense.
Rispito.com, 05-12-2016

Cidadãos Inconformados reiteram vontade de afastar JOMAV

Os jovens do Movimento de Cidadãos Conscientes Inconformados (MCCI) com a crise Política na Guiné-Bissau, voltaram a afirmar a sua determinação de ver partir da presidência do país José Mário Vaz, que acusam de ser o responsável pelo impasse político.

O advogado Sana Canté é o presidente do Movimento que reagrupa essencialmente jovens que não concordam com a crise política. Este afirmou nomeadamente que "o presidente da República tem que renunciar das suas funções porque revelou ser incapaz de meter fim à crise que ele criou".

Na quarta-feira, o Movimento de Cidadãos Inconformados com a Crise Política, terá uma audiência com uma delegação da comissão dos assuntos políticos da ONU que se encontra de visita a Bissau. Será ocasião para que o Movimento transmita à ONU que a solução da crise guineense passa necessariamente pela renúncia do Presidente José Mário Vaz.

Os jovens do Movimento prometem intensificar a luta e anunciam uma manifestação já no próximo sábado em Bissau. Esta segunda-feira o Movimento fez seguir para o tribunal da CEDEAO uma queixa-crime contra o Estado guineense que acusa de proibir as manifestações dos Cidadãos Inconformados com a Crise Política.
Rispito.com/RFI, 05-12-2016

UNTG AVANÇA COM PRÉ-AVISO PARA MAIS UM GREVE

A maior organização sindical da Guiné-Bissau avançou com um pré-aviso de greve na Função Pública.
União Nacional dos Trabalhadores da Guiné-Bissau (UNTG), anunciou hoje a realização de uma greve geral na função pública guineense nos próximos dias 14 e 15 deste mês

Objectivo da greve é para exigir do governo o cumprimento judicial por parte das empresas “MTN” e Orange Bissau para reintegrarem dos dirigentes sindicais expulsos nos exercícios de forma injusta e ilegal, bem como a definição do salário mínimo nacional e do seu respetivo reajuste a mesmo nível dos países membros da UEMOA
Rispito.com, 05-12-2016

sábado, 3 de dezembro de 2016

Adama Barrow derrota Yahya Jammeh nas presidenciais

Image result for adama barrow
Yahya Jammeh
Image result for adama barrow
Adama Barrow
O candidato de uma coligação da oposição, Adama Barrow, venceu as eleições presidenciais na Gâmbia com 45,5 porcento dos votos contra 36,6 porcento do presidente Yahya Jammeh, no poder desde há 22 anos, anunciou esta sexta-feira, em Banjul, a Comissão eleitoral independente, citada pela AFP.
Barrow obteve 263.515 votos, Jammeh, 212.099 votos, e o terceiro candidato, Mama Kandeh, 102.969 votos (17,8 porcento dos sufrágios) desse escrutínio à uma volta, indicou a imprensa o presidente da Comissão eleitoral independente, Alieu Momar Njie.
A taxa de participação foi de aproximadamente 65 porcento.
"Declaro Adama Barrow legalmente eleito para servir como presidente da República da Gâmbia", proclamou Njie, num anúncio transmitido pela televisão do Estado.
"Apelamos à toda gente a respeitar a paz, a tolerância e a tranquilidade, porque conforme podeis verificar pelos resultados, iremos assistir à uma mudança de governo", acrescentou.     
Segundo a imprensa local, registaram-se manifestações de regojizo nas ruas de Banjul, após o anúncio dos resultados.

quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

DSP em entrevista ao jornal 'O Democrata' (parte I)

O líder do Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC), Domingos Simões Pereira, revelou que o mediador da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) está preparado para convidar o presidente da Assembleia Nacional Popular (ANP), Cipriano Cassamá, acompanhado dos líderes das bancadas parlamentares, para que divulgue o conteúdo do relatório da reunião das negociações de Conakry.

Simões Pereira falava numa entrevista exclusiva para a rubrica "Grande Entrevista" do semanário O Democrata, sobre a actual crise política, sobretudo no concernente à implementação do Acordo de Conakry'' bem como das divergências internas no PAIGC e da questão do regresso do grupo dos 15 deputados expulsos das fileiras do partido.

quarta-feira, 30 de novembro de 2016

CARMELITA PIRES ABANDONA VIDA POLITICA ATIVA NA GUINÉ-BISSAU

Tal como vinha anunciar a demissão logo após as eleições de 2014 e a reiterada intenção recente de abandonar a politica. Carmelita Pires, convocou a Comissão Política de PUSD e anunciou  abandono, por tempo indeterminado, à vida politica activa na Guiné-Bissau.

Tudo porque, conforme ela, o actual momento político do país não  motiva continuar nesse caminho, agravado por algumas questões internas do seu partido que conduz a falta de respeito e de uma convivência democrática saudável.

Carmelita Pires que até neste momento era a Presidente do PUSD afirmou que “Não é fácil liderar uma formação política num contexto de bipolarização política dos partidos minoritários, sobretudo na situação da instabilidade, porque as tendências se manifestam, e nota-se que cada qual começa agilizar-se de um lado para outro e começam a andar por volta dos partidos maiores razão pela qual chamam-nos de satélite dos partidos maiores... Dessa forma, não tendo duvidas que a Guiné-Bissau está longe de andar num bom caminho, visto que, em nenhum país do mundo, em três anos, se conhece cinco primeiro-ministros”.

Para Carmelita pires, “O desentendimento político vigente no país, conduziu-nos hoje a escolher um Primeiro-ministro da confiança do Presidente da República, que nos vai levar, mais uma vez, na incerteza de como vai ser formado o esperado governo”. Enquanto que a maior preocupação do povo é a retoma das sessões de Assembleia Nacional Popular e o funcionamento normal do Hospital Nacional Simão Mendes.

Um pais assim e dessa maneira, pouco ou nada se dignifica os que fazem politica de profissão, nem é possível converter a sua experiência politica num contributo para o bem estar social.

Dessa forma, a Carmelita sublinha o amor que tem para o povo guineense e a sua força de vontade de contribuir politicamente para o país, mas infelizmente é obrigada a abandonar a vida politica ativa por agora.
Rispito.com,30-11-2016

Umaro Sissoco - primeiro-ministro sem governo num país que continua em crise

Umaro Sissoco Embaló esteve esta terça feira em Liberia com odjetivo de transmitir à presidente em exercício da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) os passos que tem encetado para a formação de um governo inclusivo.

Ellen Johnson esteve em Bissau a 18 de Novembro para presenciar a assinatura de um acordo visando a formação do novo executivo no país.

No documento ficou determinado que o novo governo teria que incluir todas as partes envolvidas na crise política e que o primeiro-ministro desse governo seria escolhido por consenso. E a figura teria que ser também alguém da confiança do Presidente guineense, José Mário Vaz.

Mesmo com a mediação da CEDEAO, as partes continuaram a não chegar a um entendimento, pelo que o Presidente guineense decidiu nomear o general na reserva Umaro Sissoco Embaló.

PAIGC, vencedor das últimas eleições legislativas, diz que não reconhece o novo primeiro-ministro e informou que não irá fazer parte do governo, posição também defendida por outros dois partidos com representação no Parlamento guineense, a União para Mudança (UM) e o Partido da Convergência Democrática (PCD).

Desta viagem à Liberia, Umaro Sissoco não trouxe nada de especial, se não o aconselhamento da Ellen Johnson de envidar todos os esforços possíveis para convencer PAIGC a reconhecer e integrar o governo.
Sissoco Embaló prometeu acatar o conselho mas avisou que irá avançar com a sua equipa governamental caso persistir a recusa do PAIGC em integrar o novo executivo.

Mais de uma semana após a nomeação e a tomada de posse de Umaro Sissoco Embaló como primeiro-ministro, a Guiné-Bissau continua sem governo formado.
E ao que tudo indica, a falta de consenso e a não reconhecimento do PAIGC de qualquer primeiro-ministro nesta legislatura, nenhum governo consegue sobreviver devido ao bloqueio do parlamento.
Precisamente desse bloqueio do parlamento, Umaro Sissoco não deve esperar uma governação facilitada e quem sabe, se não será igual ou pior ao do quarto governo derrubado desta legislatura.
Rispito.com, 30-11-2016

terça-feira, 29 de novembro de 2016

TAP - Condições de operacionalidade dos voos para Guiné-Bissau estão garantidas 

Image result for tap portugal As condições de operacionalidade dos voos para a Guiné-Bissau estão garantidas, disse hoje à Lusa uma fonte oficial da transportadora aérea portuguesa TAP, que vai recomeçar a rota para Bissau no dia 01 de Dezembro.

«A suspensão da rota deveu-se a um incidente que pôs em causa a verificação das condições normais de operacionalidade, e é essa situação que se considera estar ultrapassada», disse o porta-voz da TAP, António Monteiro.
Os voos da TAP de e para a Guiné-Bissau estão suspensos desde Dezembro de 2013, quando a tripulação de um voo da companhia aérea portuguesa foi coagida pelas autoridades de transição guineenses a transportar 74 passageiros sírios ilegais para Lisboa, o que mereceu fortes críticas da comunidade internacional e levou à suspensão da operação da companhia nesse país.

O reinício das operações "tem a ver com a verificação de condições que levaram à suspensão da rota", vincou o porta-voz da transportadora portuguesa, mas também com a gestão da frota de aviões da TAP.

"Há uma redução global da oferta, por isso há mais disponibilidade da frota e foi também isso que permitiu programar o reinício das operações", que arrancam esta quinta-feira.

"A TAP está muito satisfeita por voltar a operar Bissau, voltando a servir todos os países africanos de língua portuguesa, reforçando a sua presença em África, continente que constitui um dos seus eixos estratégicos", acrescentou.

No site da TAP, consultado esta manhã pela Lusa, já é possível fazer reservas para esta rota, com uma viagem de ida e volta para a Guiné-Bissau, com partida dia 1 de Dezembro às 21h50 e chegada às 02:00, e regresso no dia 04 de Dezembro a custar um total de 782 euros, na versão mais barata.
Rispito.com/Lusa, 29-11-2016

segunda-feira, 28 de novembro de 2016

CEDEAO E FMI GARANTEM APOIO À UMARO SISSOCO

Related imageRelated imageEnquanto PAIGC se torna publico a sua posição concernente a não participação no governo projetado à ser inclusivo e liderado por Umaro Sissoco. De outro lado, CEDEAO e FMI dão garantias de total apoio à Umaro Sissoco e o aconselham a rapida formação de governo.

Para o representante de CEDEAO em Bissau, o acordo de Conacri está claro, o Presidente escolheu entre os três da sua confiança, por isso a comunidade não tem objecção ou alguma duvida de não apoiar o país. Tanto a nivel de sub-região, como a nivel de mesa redonda de Bruxelas.
E reforça que todas as interpretações que se está a fazer a volta do acordo de Conacri são simples histórias inventadas.

Quanto ao Fundo Monetário Internacional também reafirma o apoio a Guiné-Bissau, e ainda nesta semana o FMI vai reunir o seu Conselho de Administração com vista a apresentação de um novo programa de apoio à Guiné-Bissau.
Rispito.com, 28-11-2016

"OS 15" REAGEM A DECISÃO DO PAIGC

O grupo dissidente do PAIGC, mais conhecidos por "Os 15", consideraram hoje, 28 de Novembro, de vergonhosa e de inexistente a parte da decisão final do partido que fala da retirada de confiança politica ao cidadão e militante José Mário Vaz.

Conforme "Os 15", o cidadão José Mário Vaz,  trata-se de um Presidente da Republica que por inerência de funções e por imposição constitucional, não é militante de nenhum partido político. Pelo que retirar confiança politica à um cidadão não militante da sua filiação partidária, ao menos é uma aberração, se não muito vergonhoso.
Esta reação foi conhecida num comunicado divulgado em Bissau, por onde Os “15” ainda responsabilizam o presidente do Parlamento guineense, Cipriano Cassamá e a actual direcção do PAIGC pelas consequências que possam der e vier, por aquilo que consideram de mais manobras intencionadas a bloquear o parlamento e a continuidade de inviabilizar o país.
Rispito.com, 28-11-2016


domingo, 27 de novembro de 2016

PAIGC DECIDE NÃO INTEGRAR AO FUTURO GOVERNO

PAIGC terminou a reunião do Comité Central  no dia 26 de Novembro, com um posicionamento firme e determinados na seguinte resolução final:

  • Não integração do partido no futuro governo a ser formado sob a liderança do Umaro Sissoco
  • Retirar a confiança política ao  José Mário Vaz, que segundo a conclusão do partido, é  o principal promotor de toda a grave crise politica e que outrora beneficiou de apoio do partido na candidatura de à presidência da Guiné-Bissau e que hoje se transformou num determinado em prejudicar o PAIGC. 
  • Ainda de acordo com fontes partidárias, o PAIGC mandatou o presidente da Assembleia Nacional Popular, Cipriano Cassamá para intervir junto do mediador da CEDEAO, Presidente Alpha Condé, para esclarecer a figura escolhida ao cargo do primeiro-ministro e de encetar diligencias com vista ao cumprimento do acordo de Conakry tal como foi realmente acordado.
O encontro reuniu 212 membros do Comité Central, dos quais 201 expressaram com votos a favor, apenas 11 manifestaram contra, o que correspondeu 96.06% favorável e 04% contra a decisão do partido.

Para PAIGC o Governo em preparação resulta de uma decisão unilateral do Presidente guineense, José Mário Vaz, que propôs Sissoco Embaló para o liderar.

Isto acontece depois de, em Outubro, a classe política guineense ter chegado a um entendimento na capital da vizinha Guiné-Conacri para ser constituído um executivo de consenso, com todos os partidos representados no Parlamento e cujo líder seria uma figura de confiança do chefe do Estado.
O PAIGC diz que dos três nomes propostos por José Mário Vaz (Sissoco Embaló, Augusto Olivais e Aladje Fadiá) foi escolhido o de Augusto Olivais, militante do partido, no entanto, o comunicado final do encontro de Conacri não especifica o nome o que tem permitido que se façam diferentes interpretações.
Rispito.com, 27-11-2016

sexta-feira, 25 de novembro de 2016

Maternidade do Hospital Simão Mendes passa ter bloco para cesarianas

O governo da Guiné-Bissau e parceiros internacionais inauguraram hoje no Hospital Simão Mendes, em Bissau, principal unidade de saúde do país, um bloco operatório moderno para cesarianas que esperou dois anos para funcionar.
«Técnicos do Hospital Simão Mendes, por favor valorizem este equipamento», pediu o secretário-geral do governo, Olívio Pereira, que representou o primeiro-ministro Umaro Sissoco na cerimónia.
«O objetivo é diminuir a mortalidade materno-infantil na Guiné-Bissau», destacou Kourtoum Nacro, representante do Fundo das Nações Unidas para a População (UNFPA), um dos doadores das duas salas de operações.
Partos que requerem cesariana e com hemorragias associadas são a principal urgência que o Hospital Simão Mendes recebe todos os dias, segundo dados da unidade.
O bloco da maternidade estava pronto a funcionar há dois anos, mas a abertura foi sendo adiada pela direção do hospital por alegada falta de técnicos, obrigando as grávidas a depender do bloco geral de cirurgias, mais antigo, com menos equipamento e mais pacientes.
A primeira cesariana deverá acontecer na próxima semana, depois de uma desinfeção profunda do bloco.
Na Guiné-Bissau, 549 mulheres morrem por cada 100 mil partos (a pior taxa do mundo lusófono, segundo dados da Organização Mundial de Saúde de 2015), e 55 crianças em cada 1000 morrem antes do primeiro aniversário, de acordo com dados do Ministério da Saúde da Guiné-Bissau, relativos a 2014.
Rispito.com/Lusa, 25-11-2016