quinta-feira, 26 de abril de 2018

quarta-feira, 25 de abril de 2018

COMPOSIÇÃO DE NOVO GOVERNO

26 pastas (18 Ministérios e 8 Secretarias de Estado)

Primeiro-Ministro - Aristides Gomes (que acumula as pastas da Economia e das Finanças)

Presidência de Conselho de Ministros e Assuntos Parlamentares - Agnelo Regala
Ministério dos Negócios Estrangeiros, da Cooperação e das Comunidades - João Ribeiro Có
Ministério da Economia e Finanças - Aristides Gomes, em acumulação de funções
Ministério da Defesa Nacional - Eduardo Costa Sanhá
Ministério do Interior - Mutaro Djaló
Ministério do Turismo e Artesanato - Vicente Fernandes
Ministério da Educação, Ensino Superior, Juventude, Cultura e Desporto - Camilo Simões Pereira
Ministério das Obras Públicas, Construção e Urbanismo - António Óscar Barbosa
Ministério da Administração Territorial - Ester Fernandes
Ministério da Justiça e dos Direitos Humanos - Iaia Djaló
Ministério das Pescas - Adiatu Djaló Nandinga
Ministério da Agricultura e Desenvolvimento Rural - Nicolau dos Santos
Ministério da Energia, Indústria e Recursos Naturais - António Serifo Embaló
Ministério dos Transportes e Comunicações - Mamadú Serifo Jaquité
Ministério da Reforma Administrativa, Função Pública e Trabalho - Fernando Gomes
Ministério dos Combatentes da Liberdade da Pátria - Aristides Ocante da Silva
Ministério da Comunicação Social - Victor Gomes Pereira
Ministério da Saúde Pública, Família e Coesão Social - Maria Inácia Có Sanhá

SECRETARIAS DE ESTADO

Secretaria de Estado das Comunidades - Queba Banjai
Secretaria de Estado da Gestão Hospitalar - Pauleta Camará
Secretaria de Estado da Energia - João Saad
Secretaria de Estado do Ambiente - Quité Djaló
Secretaria de Estado do Tesouro - Soleimane Seidi
Secretaria de Estado do Orçamento e Assuntos Fiscais - João Alberto Djatá
Secretaria de Estado do Plano e Integração Regional - Humiliano Alves Cardoso
Secretaria de Estado da Juventude, Cultura e Desporto - Florentino Fernando Dias


Liga Guineense Direitos Humanos contra decisão do PR em aceitar prolongar legislatura

O presidente da Liga Guineense dos Direitos Humanos, Augusto da Silva, disse hoje à Lusa que vai pedir ao Supremo Tribunal de Justiça, o chumbo da decisão do Presidente da República, que prolongou a legislatura conforme votação dos deputados.

Fonte parlamentar guineense disse hoje à Lusa que o Presidente José Mário Vaz promulgou, na segunda-feira, o projeto de lei constitucional, aprovado no passado dia 19 pelos deputados.

Com o diploma, os deputados solicitaram a extensão da vigência da legislatura que deveria terminar no dia 23 deste mês, para até a realização das próximas eleições legislativas marcadas para 18 de novembro.

Para a Liga Guineense dos Direitos Humanos, o Presidente da República "em cumplicidade com os deputados, mais uma vez, prestou um mau serviço" à democracia e ao povo da Guiné-Bissau.

"Foi com espanto que recebemos esta notícia, porque de facto não esperávamos que o Presidente da República, fosse promulgar essa lei", declarou Augusto da Silva, lembrando os deveres do chefe de Estado de defesa da própria Constituição.

O líder da Liga Guineense dos Direitos Humanos, jurista de formação e advogado de profissão, diz que o Presidente "está a contribuir para aniquilar a democracia" na Guiné-Bissau e, ainda, "a minar o Estado de direito democrático".

"Vamos continuar a desenvolver ações no sentido de impugnar esta lei, requerer a sua inconstitucionalidade porque é manifestamente inconstitucional e viola os princípios fundantes do nosso Estado", anunciou Augusto da Silva.

O responsável acredita que o Supremo Tribunal de Justiça, nas suas competências de Tribunal Constitucional, vai declarar a lei de inconstitucional "a semelhança do que fez no passado", disse, lembrando um pronunciamento do órgão, em 2008, sobre a mesma solicitação dos deputados.

Augusto da Silva observou que a Liga tem esta atitude para impedir que no futuro quem quer que seja altere a Constituição "a seu bel-prazer para acomodar os seus interesses inconfessos".

Ao interpelar o Supremo Tribunal, a Liga estará aberta a receber a contribuição de todas as organizações da sociedade civil e de partidos políticos interessados na matéria, explicou Augusto da Silva.
Rispito.com/Lusa, 25-04-2018

CEDEAO NÃO QUER OS SANCIONADOS NO GOVERNO A SER FORMADO

A CEDEAO ainda continua em cima dos sancionados a ponto de os não querer ver no elenco governamental a ser formado. 
A revelação foi do secretário nacional do PRS, Florentino Mendes Pereira, ao jornalista Braima Drame, que também assegurou que o seu partido terá nove pastas, num governo que deverá ser constituido com 26 pastas entre os ministérios e secretarias de Estado.

O politico revela que não existe impasse nenhum, simplesmente a negociação em curso visa estabelecer  consenso a volta de um pacto de estabilidade governativa. E são os pontos deste pacto de estabilidade que estão a ser discutidos na mesa de mediação no momento.
Rispito.com, 25-04-2018


terça-feira, 24 de abril de 2018

Impasse mantem na formação de governo


Uma delegação ministerial da CEDEAO chegou em Bissau no seguimento da formação do governo que será liderado por Aristides Gomes. Mas nos contactos até então estabelecidas pela delegação, ainda se continua verificar impasse no que respeita a divisão de pastas ministeriais.

Prova disso, esta tarde, as negociações da delegação da CEDEAO com o PAIGC e o PRS foram suspensas e a delegação sub-regiuonal seguiu para Palácio reunir-se, novamente, com José Mário Vaz enquanto as delegações das duas formações politicas mantiveram no hotel a aguardar a proposta final que a Missão CEDEAO leva ao Chefe de Estado.

Os atores políticos continuam a discutir a composição do novo elenco governamental, sendo que apesar dos progressos alcançados, persistem ainda alguns pontos de discórdia que alimentam debates entre as partes envolvidas.

A delegação da CEDEAO deverá ficar em Bissau até a tomada de posse dos novos membros do governo guineense. 
Recorde-se que a nona legislatura termina hoje, dia 23 de Abril, com um número de 7 primeiros-ministros e cerca de 180 membros do governo. O país viveu 3 dos 4 anos completamente bloqueado, mergulhada numa profunda crise política, social e económica que dividiu por completo os guineenses.
Rispito.com, 24-4-2018

PR promulga projeto de lei constitucional para prolongar mandato dos deputados

O projeto de lei constitucional, aprovado pelo parlamento guineense, para prolongar mandato dos deputados até à divulgação dos resultados eleitorais das legislativas foi promulgado por José Mário Vaz
O projeto de lei constitucional, aprovado pelo chefe de Estado e enviado esta terça-feira à Lusa pelo parlamento guineense, prevê alterações no artigo 79.º da Constituição da Guiné-Bissau. Segundo o projeto de lei constitucional, o artigo 79.º passou a incluir que a “legislatura de 2014-2018 terminará aquando da proclamação dos resultados das próximas eleições legislativas previstas para o dia 18 de novembro de 2018”.
A alteração ao artigo 79.º é “transitória e fica revogada uma vez decorrido seu prazo de validade”. O projeto de lei constitucional foi aprovado a 19 de abril com o voto a favor de 93 dos 95 deputados presentes na sala.
Vários grupos da sociedade civil, incluindo a Liga Guineense dos Direitos Humanos, tinham apelado ao Presidente guineense, José Mário Vaz, para vetar o projeto de lei. Para a organização guineense de defesa dos direitos humanos, a prorrogação do mandato dos deputados colide com a Constituição do país, tendo admitido requerer, caso fosse aprovada, a sua inconstitucionalidade no Supremo Tribunal de Justiça.


Rispito.com/Observador, 24-04-2018

segunda-feira, 23 de abril de 2018

CEDEAO é convidada a “vigiar” as eleições

A semana passada, algumas organizações da sociedade civil pediram aos Chefes de Estado da CEDEAO que continuassem a acompanhar de perto o processo político no país de modo a que ele respeite o que está estipulado nos chamados Acordos de Conacri.
A sociedade civil teme que o Presidente José Mário Vaz use o Parlamento para aprovar uma série de leis relacionadas com as eleições que possam desvirtuar o que ficou estabelecido nos Acordos de Conacri.
Este pedido surgiu dias antes do Parlamento ter aprovado, com 93 dos 95 votos dos deputados presentes na sala, o prolongamento da actual legislatura e do seu próprio mandato até final de Novembro, de modo a cobrir o tempo que vai até às eleições que se realizam no dia 18 desse mês. Na mesma sessão foi eleito Pedro Sambú como presidente da Comissão Nacional de Eleições.
O prolongamento do mandato dos deputados, que  apenas terá feito de lei caso seja promulgada pelo Presidente da República, José Mário Vaz, mereceu prontamente a condenação de várias organizações da sociedade civil que consideram a decisão “inconstitucional”.
Mas, as duas principais bancadas no Parlamento guineense, a do Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC) e a do Partido de Renovação Social (PRS), entendem o contrário. A Comissão Nacional de Eleições vai ter como primeira missão a actualização do registo dos eleitores, um processo que poderá iniciar-se já em Maio.
Ao discursar na abertura da sessão, o presidente do Parlamento, Cipriano Cassamá, pediu desculpa ao povo guineense pela recorrente instabilidade e salientou que no impasse político vivido nos últimos três anos não há “nem vencedores e muito menos vencidos”.
A iniciativa desta sessão extraordinária surgiu na sequência de um entendimento político obtido entre o Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC) e o Partido de Renovação Social (PRS), para resolver o impasse que estava criado.
No seu discurso, Cipriano Cassamá não se esqueceu da comunidade internacional, a quem agradeceu por todos os esforços empreendidos para a saída da crise.
Cipriano Cassamá pediu aos deputados guineenses para devolverem ao povo o “direito de sonhar e renovar a esperança num futuro de progresso e bem-estar económico e social”.“Vamos enterrar o machado de guerra e erguer bem alto a voz da reconciliação, do companheirismo para que possamos todos caminhar rumo à definitiva estabilização social e política no nosso país”, salientou.

Ao fim de três anos, de recordar, o Parlamento da Guiné-Bissau estava encerrado há quase três anos devido a divergências profundas entre as duas principais bancadas, a do PAIGC e a do PRS.
No fim de semana passado, durante a cimeira extraordinária dos Chefes de Estado e de Governo da Comunidade Económica dos Estados de África Ocidental (CEDEAO), já tinha sido anunciado que, após a nomeação do novo primeiro-ministro guineense, Aristides Gomes, o Parlamento seria reaberto a 19 de Abril.
Aristides Gomes, de 63 anos de idade, vai ter agora a missão de organizar um governo de modo a que o país possa retomar o seu ritmo normal e de preparar as eleições legislativas de 18 de Novembro.
A sua nomeação resultou das negociações promovidas pela CEDEAO para encontrar um mecanismo que pusesse fim definitivo à crise política que afecta a Guiné-Bissau há cerca de três anos.
Aristides Gomes é o sétimo primeiro-ministro nomeado por José Mário Vaz, eleito Presidente da Guiné-Bissau em 2014.

domingo, 22 de abril de 2018

 Corrupção, ausência de investigação em crimes na justiça guieense

A falta de independência judicial, a corrupção, a ausência de investigação em crimes contra mulheres e crianças e o tráfico pessoas são os principais problemas relacionados com Direitos Humanos na Guiné-Bissau, segundo os Estados Unidos.

No relatório sobre a situação dos Direitos Humanos em 2017 divulgado hoje pelo Departamento de Estado norte-americano é referido que a polícia é "geralmente ineficaz, mal paga e corrupta".

"Não receberam treino e não têm recursos suficientes para comprar combustível para os veículos da polícia. A polícia de trânsito costuma exigir subornos aos motoristas", pode ler-se no relatório.

O Departamento de Estado considera que a Procuradoria-Geral da República é responsável pela investigação aos abusos policiais, mas os funcionários do Ministério Público também são "mal pagos e suscetíveis a ameaças, corrupção e coação". O relatório sublinha que a Constituição prevê um poder judiciário independente, "mas está sujeito a manipulação política".

"Os juízes estão mal formados, inadequados e irregularmente pagos e sujeitos a corrupção", refere o documento, sublinhando que faltam recursos e infraestruturas e que as condenações são "extremamente raras", apesar das autoridades respeitarem as ordens judiciais. 
Risp[ito.com/Lusa, 22-04-2018

sexta-feira, 20 de abril de 2018



Governo lança campanha de vacinação contra poliomielite

Image result for  vacinação contra poliomieliteO Ministério da Saúde da Guiné-Bissau lançou hoje uma campanha de vacinação contra a poliomielite, que pretende ver erradicada do país até ao final deste ano.

A campanha, que vai decorrer em simultâneo nos países da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO), realiza-se entre hoje e segunda-feira em todo o território nacional.

"A campanha é organizada porta-a-porta e vai abranger crianças a partir dos zero meses", disse o diretor-geral da Prevenção e Promoção de Saúde, Agostinho N'Dumba, que pediu às pessoas para participarem.

Segundo Agostinho N'Dumba, as crianças vão também ser desparasitadas e tomar o suplemento de vitamina A.

"Já há três anos que não é registado nenhum caso de poliomielite na Guiné-Bissau", afirmou o diretor-geral da Prevenção e Promoção da Saúde, mas o país tem mantido a vigilância para obter o certificado de erradicação da Organização Mundial de Saúde.
Rispito.com/DN, 20-04-2018

 José Mário Vaz felicita novo chefe de Estado de Cuba

Image result for miguel diaz-canel cubaO chefe de Estado da Guiné-Bissau, José Mário Vaz, felicitou hoje Miguel Diaz-Canel, eleito na quinta-feira para suceder na Presidência de Cuba Raúl Castro.

"Por ocasião da sua eleição magistratura suprema da República Socialista de Cuba, endereço-lhe, em nome do povo guineense e em meu nome pessoal as minhas calorosas felicitações e votos de sucesso na mais alta função que acaba de ser investido", refere uma mensagem da Presidência guineense, divulgada à imprensa.

Na mensagem, José Mário Vaz destaca a "histórica relação de fraternidade, solidariedade e de cooperação" existente entre os dois países, esperando que se desenvolvam e consolidem "cada vez mais".

O número dois do regime cubano, Miguel Diaz-Canel, foi eleito pela Assembleia Nacional na quinta-feira para suceder ao atual Presidente Raúl Castro, pondo fim a cerca de seis décadas de poder dos irmãos Castro em Cuba.

Miguel Diaz-Canel foi eleito por um período renovável de cinco anos, com 603 votos dos 604 possíveis dos parlamentares cubanos.
Rispito.com/Lusa, 200-04-2018

Paulo Gomes na conferência sobre consolidação do Estado e criação do emprego para juventude em África

Image result for paulo gomes guinea bissauO Economista guineense Paulo Gomes animou durante reuniões do Banco Mundial e do Fundo Monetário Internacional, no dia 17 de Abril 2018 em Washington nos Estados Unidos da América, uma conferência sobre consolidação do Estado e criação do emprego para juventude em África.

Nesta sessão do Fórum do Banco Mundial, discutiu da seguinte temática :” Como a comunidade internacional pode ajudar os países membros do Banco Mundial a alcançar os desafios do século XXI”. 
O Fórum do Banco Mundial compartilhou destaques e lições importantes da implementação dos Programas do Banco Mundial, bem como os esforços em andamento que possam fazer diferença perante desafios enfrentados pela maioria dos países com – fragilidade e pobreza sobre os objectivo de aumentar o acesso a empregos e abrir o caminho para o desenvolvimento económico.
Dr. Paulo Gomes partilhou a sua visão sobre modos de fortalecimento dos Estados fracos tomando em conta a juventude como factor de estabilidade.

Durante a sua intervenção, Dr. Paulo Gomes apresentou propostas concretas que permitem a inserção da juventude no ticido economico e nas instancias de decisões dos Paises africanos.

Em relação a Guiné, Paulo Gomes disse que qualquer modelo economico e politico que sera adotado nos proximos anos, devera pôr a juventude guineense no centro do paradigma para o desenvolvimento do seu País.

E salientou com otimismo « a palavra esperança é sinonimo do que a juventude tem por direito legitimo de esperar dos responsaveis pùblicos, nomeadamente : segurança, alimentação, saùde e conhecimento ».





quinta-feira, 19 de abril de 2018

COMPORTAMENTO DESENFREADO DA EMPRESA DA EAGB PARA COM OS CONSUMIDORES!

Para um pais pequeno e frágil como a Guiné-Bissau, há determinadas questões que devem ser ponderadas.
O forte crescimento do consumo de energia tem resultado numa actuação enfocada em resolver os problemas de curto e médio prazo. A acção no horizonte 2018 assume-se como a prioridade.
Realmente, não se podem privatizar alguns sectores estratégicos do estado mas a nossa EAGB deve passar pela privatização urgente e libertar os consumidores de uma situação de stress permanente.
No entanto só é possível desenvolver um sector eléctrico que apoie de forma adequada as aspirações do país se,paralelamente,desenvolvermos uma visão de longo prazo para o sector no Norte, no Leste e no Sul e tivermos projectos estruturantes de levar os serviços básicos de energia a todas as povoações do país.Isto requer uma visão integrada de desenvolvimento da rede eléctrica e das responsabilidades das novas entidades do sector.

Presidente do Parlamento pede desculpa ao povo


O presidente da Assembleia Nacional Popular, Cipriano Cassamá, anunciou que 93 dos 95 deputados presentes na sala, votaram a favor da prorrogação da legislatura, uma disposição que só terá força de lei se for promulgada pelo presidente José Mário Vaz.

Vários círculos políticos e da sociedade civil criticaram o prolongamento da legislatura, considerando a iniciativa dos deputados de inconstitucional.

Os líderes das duas principais bancadas no Parlamento, Califa Seidi, do Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC) e Certorio Biote, do Partido da Renovação Social (PRS), entendem o contrário.

Para os dois dirigentes, a medida é necessária "para permitir que os deputados tenham legitimidade" de propor reformas legislativas e que possam conduzir a realização de eleições legislativas a 18 de Novembro.


"Sem a prorrogação da legislatura, é bom que as pessoas entendam isso, teríamos dificuldade na implementação do Acordo de Conacri", defendeu Califa Seidi, referindo-se a um acordo patrocinado pela comunidade internacional para acabar com a crise política na Guiné-Bissau.

Seidi lembrou que o Parlamento é um dos signatários do acordo, proposto pela Comunidade Económica de Estados da África Ocidental (CEDEAO).

Cipriano Cassamá, pediu desculpa ao povo, pela recorrente instabilidade política no país e salientou que da situação que se viveu nos últimos três anos não há "nem vencedores e muito menos vencidos".

"Volto a pedir, do fundo do meu coração, que ponhamos a mão na nossa consciência para pedirmos desculpa ao nosso povo, pelos períodos recorrentes de instabilidade política, cuja responsabilidade é de todos nós, políticos, e assumirmos aqui solenemente que tudo faremos para que nunca mais aconteçam no nosso país situações como estas, que paralisaram as novas vidas e as nossas instituições", afirmou.

O presidente da Assembleia Nacional Popular falava na sessão solene de abertura do Parlamento, que foi possível na sequência de um entendimento entre o Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC) e o Partido de Renovação Social (PRS).

"Lembremo-nos que não há, neste processo, nem vencedores e muito menos vencidos", sublinhou, apelando ao grupo dos deputados dissidentes do PAIGC para regressarem ao partido, conforme previsto no Acordo de Conacri.

No discurso, Cipriano Cassamá agradeceu à comunidade internacional por "todos os esforços empreendidos" para a saída da crise.

"Espero que continue a apoiar o país, nos seus esforços de reconciliação, na realização de eleições legislativas e no seu processo de desenvolvimento económico", disse.

Cipriano Cassamá pediu aos deputados para devolverem ao povo o "direito de sonhar e renovar a esperança num futuro de progresso e bem-estar económico e social".

"Vamos enterrar o machado de guerra e erguer bem alto a voz da reconciliação, do companheirismo para que possamos todos caminhar rumo à definitiva estabilização social e política no nosso país", salientou.

A actual legislatura termina a 23 de Abril e as eleições legislativas realizam-se a 18 de Novembro.

O Parlamento guineense estava encerrado há quase três anos, devido a divergências profundas entre as duas principais bancadas, a do PAIGC e a do PRS.

A sua reabertura ocorre depois do consenso alcançado entre o PAIGC, PRS e o presidente José Mário Vaz, no sábado, em Lomé, Togo, e que vai culminar com a realização de eleições legislativas a 18 de Novembro.

Além da prorrogação do mandato dos deputados, o Parlamento guineense elegeu a nova direcção da Comissão Nacional de Eleições (CNE).
Nesta sessão, José Pedro Sambú foi escolhido para presidente de Comissão Nacional das Eleições da Guiné-Bissau. 96 por cento dos votos é o numero que ditou essa escolha, com um voto nulo e uma abstenção num universo de noventa e cinco deputados presentes. 
N'Pabi Cabi para Secretario executivo, Felisberto Vaz e Idrissa Djaló como adjuntos.

O líder da bancada parlamentar do PRS, Certório Biote defendeu que falta agora que os dois partidos se entendam na formação de um novo Governo, o que disse esperar para breve.
Rispito.com/Angop, 19-04-2018 

quarta-feira, 18 de abril de 2018





COMUNICADO ÁIMPRENSA

Aliança das organizações da  Sociedade Civil  para a Paz e Desenvolvimento vem  acompanhar com grande atenção  a situação política vigente no país, que dura a mais de dois anos, tendo bloqueado o normal funcionamento da Assembleia Nacional Popular, pondo em causa a paz social e bem-estar da população.

Após varias mediações internas e das organizações internacionais e regionais, nomeadamente a CEDEAO, ontem foi nomeado e empossado  um novo Primeiro-ministro de consenso graças ao dialogoentre os guineenses,por via dos maiores  partidos com representações  parlamentares.

 A nomeação de novo  Primeiro-ministroaugura-se nova esperança em termos de normal funcionamento de ANP, do governo e das  diferentes instituições do Estado, criando as premissas para a realização das eleições legislativas para o presente ano.

Com tomada de posse de novo Primeiro-ministro, o país aguarda com grande espectativa a formação do elenco governativo, tendo em consideração os acordos  assinados com a facilitação da Comunidade Estados de África Ocidental e, nessa esteira,  a Aliança das organizações  da Sociedade Civil vem manifestar os seguintes: 

1.     Felicitar a CEDEAO, pelo papel decisivo que vem desempenhando para saída da crise política que assola a Guiné-Bissau a mais de dois anos

2.      Congratular-se com os resultados saidosna CimeiraExtraordinária  dos  Chefes de Estados e de governo realizado em Lomé /Togo no dia 14 de Abril de corrente ano;

3.      Felicitar o Drº Aristides Gomes, pela sua nomeação ao cargo de Primeiro-ministro, desejando votos de sucesso no exercício dessa magna função;

4.     Regozijar-se pela retoma de funcionamento da plenária de ANP, após quase três anos;

5.     Manifestar a sua inquietaçãoem relação a iniciativa de prorrogação do mandato dos deputados desta IXª legislatura, tendo pelo que convidar a ANP apresentar o fundamento legal que sustenta a referida iniciativa.

6.      Apelar a Comunidade Internacional, em particular a CEDEAO no  sentido de continuar omonitoramento detodo o processo de formação e funcionamento de governo;

7.     Apelar a população em geral no sentido de estarem serenos e firmes na defesa dos seus direitos cívicos.

Bissau, 18 de Abril de 2018. 
A Coordenação de Aliança,

FôdécarambáSanhá
/Presidente do Movimento/


Portugal saúda acordo para nomeação do primeiro-ministro

Image result for augusto santos silva portugalO Governo português saudou nesta quarta-feira o acordo alcançado pelos  guineenses que levou à nomeação de um novo primeiro-ministro e à marcação de eleições legislativas, considerando que se trata de um "contributo essencial" para ultrapassar o impasse político.

Em comunicado, o ministério dos Negócios Estrangeiros português referiu que este compromisso representa "um renovado empenho dos atores políticos guineenses" no cumprimento do Acordo de Conakry, respondendo "aos apelos da sociedade guineense e da comunidade internacional".

O presidente guineense, José Mário Vaz, nomeou na segunda-feira o sociólogo Aristides Gomes, 63 anos, primeiro-ministro do país para chefiar um Governo inclusivo, que terá como missão a realização de eleições legislativas, marcadas nesse mesmo dia para 18 de Novembro deste ano.

Esta decisão resultou das negociações promovidas pela Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) para encontrar um mecanismo que pusesse fim definitivo à crise política que afecta a Guiné-Bissau há cerca de três anos.

Aristides Gomes é assim o sétimo primeiro-ministro nomeado por José Mário Vaz, eleito presidente da Guiné-Bissau em 2014.

Sociólogo formado em França, Aristides Gomes, dirigente do Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC), de que chegou a ser primeiro vice-presidente, vai liderar um Governo que terá a missão de organizar eleições legislativas.

O Governo português referiu que continuará a ser "um parceiro activo" na cooperação com a Guiné-Bissau e destacou "o empenho da comunidade internacional" para que as eleições de Novembro possam ser "mais um passo firme no sentido do regresso à estabilidade político-institucional" no país.
Rispito.com/Angop, 18-04-2018