terça-feira, 1 de outubro de 2019

Governo e Magistrados continuam de costas voltadas

mediaO Governo e a comissão de greve dos Magistrados não se entendem quanto à implementação da nova tabela salarial, ponto-chave da greve que vai no seu quarto dia.

Na Guiné-Bissau, a greve dos magistrados judiciais e do Ministério Público ameaça a realização das eleições presidenciais marcadas para 24 de Novembro.

Os dois sindicatos do sector judiciário entregaram, esta tarde, ao Governo um novo pré-aviso de greve, a iniciar na próxima segunda-feira.

Além de melhoria das condições de trabalho e diuturnidade, os magistrados exigem a implementação do novo estatuto remuneratório.

Hoje, no quarto dia de paralisação desta primeira vaga que vai até sexta-feira, as negociações foram inconclusivas.

O Governo e a Comissão da Greve dos Magistrados não se entendem quanto a implementação da nova tabela salarial, ponto-chave da greve.

Jorge Pedro Gomes, o porta-voz do Sindicato dos Magistrados do Ministério Público e da Associação Sindical dos Magistrados Judiciais denuncia que “a proposta do Governo é querer incrementar os valores à margem da própria lei. Isso é impossível. Quer dizer que querem [o Governo] implementar a lei mas não no conteúdo formal, nem material. Perante a presença do representante da CEDEAO na Guiné-Bissau lamentamos tristemente a posição do Governo”.

A greve dos magistrados pode pôr em causa a realização das eleições presidenciais previstas para 24 de Novembro. A apreciação dos dossiers dos 19 candidatos à presidência do país devia ter sido iniciada a 26 de Setembro.

A primeira vaga de greve dos magistrados, com a duração de sete dias, afecta desde tribunais sectoriais até Supremo Tribunal de Justiça.
Rispito.com/RFI, 01/10/2019

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público