quinta-feira, 14 de abril de 2016

Segundo ano após eleições com 3º governo quase a cair

Guiné-Bissau, assinala hoje 14, o segundo ano após as eleições gerais que anteviam uma fase promissora de estabilidade e desenvolvimento, mas com um cenário que demonstra a possibilidade da queda do terceiro governo da mesma legislatura a todo o momento.

As promessas eleitorais entoadas na campanha para a conquista de votos e a confiança das figuras eleitas inspirou um delírio. Mas, ao contrário, o país atravessa agora uma das fases mais críticas da sua história democrática, derivado do conflito político e institucional entre o Presidente José Mário Vaz e o PAIGC, liderado por Domingos Simões Pereira.

Muitos que votaram no dia 14 de Abril de 2014, pondo fim ao período de transição, manifestam-se agora revoltados com facto das suas esperanças ficarem adiadas com a actual situação do país.

Pior é que, precisamente neste momento, vários observadores em Bissau acreditam estar para breve a queda do governo de Carlos Correia (PAIGC) e já se aventa a possibilidade de tal ocorrer já esta quinta-feira, 14 se o discurso de PR tivesse lugar conforme era previsto extraordinariamente na ANP. É essa, também foi a previsão do Africa Monitor, que na sua última edição avança exactamente dia 14 no parlamento para a queda do governo.


Prevê-se, ainda, que o próximo executivo da Guiné-Bissau venha a receber o apoio do Partido da Renovação Social (PRS), de dissidentes do PAIGC e de personalidades ligadas ao Presidente da República, José Mário Vaz.

A análise do "Africa Monitor" coincide com a opinião da maioria dos observadores em Bissau, que apontam José Mário Vaz como o inspirador de mais uma mudança de executivo. E há relatos de que o PR se tem desdobrado em reuniões com vários setores políticos.

A iminente queda do governo de Carlos Correia decorre de um acórdão do Supremo Tribunal, com data de 4 de Abril, onde se determina que os 15 deputados do PAIGC, que se rebelaram contra a direção do partido e pediram o estatuto de independentes, regressem ao Parlamento.

A decisão do tribunal aconteceu após um recurso interposto pelos deputados que foram expulsos do Parlamento com a alegação que o regimento da Assembleia Nacional não admitia o estatuto de independente.


Com o regresso dos parlamentares dissidentes e a convocação do plenário para dia 14, que agora passou para dia 19, o mais provável é que uma moção de censura para provocar a queda do governo do PAIGC. E, nesse sentido, o PR já “mexe os cordelinhos” para se encontrar uma outra solução decorrente da nova maioria parlamentar (PRS e dissidentes do PAIGC)

Um cenário que está ser desenhado, mas que certamente constituirá mais um barril de pólvora e com chamas constantemente a arder, onde a preocupação de pagar o fogo será o trabalho único que acompanhara o resto da legislatura e o mandato presidencial.
Rispito.com/VOA/AM/CV-Direto, 14/04/2016

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público