terça-feira, 9 de setembro de 2014

Ministra da Guiné-Bissau apela à população para deixar de consumir carne de caça por causa do ébola

A ministra da Educação da Guiné-Bissau, Odete Semedo, apelou hoje à população guineense para deixar de consumir carne de caça como forma de evitar a infeção com o vírus Ébola.

Odete Semedo falava aos jornalistas à margem das comemorações do Dia Mundial da Alfabetização assinalado esta 2ª feira e que na Guiné-Bissau está a ser dedicado à prevenção do Ébola.


Perante jovens da comunidade do bairro de Antula, arredores de Bissau, a ministra disse que "tem havido resistência" da população aos apelos das autoridades no que toca à suspensão temporária do consumo de carne de animais de caça.

"Ainda temos notícias de gente que está a consumir carne de caça, dizendo que há muito que come porco do mato, gazela e nada acontece", afirmou Odete Semedo.

Para já, o Governo apenas vai reforçar a sensibilização contra essas práticas, mas no futuro pretende tomar "medidas drásticas", disse Odete Semedo.

A ministra da Educação guineense também criticou o comportamento da população que tem vindo a "lançar falsos alarmes" de pessoas infetadas com Ébola supostamente vindas da Guiné-Conacri, país onde a doença já matou mais de 500 pessoas.

O Governo disponibilizou dois números de telefone gratuitos para a denúncia de casos suspeitos mas, de acordo com Odete Semedo, algumas pessoas têm estado a ligar para esses números lançando "falsos alarmes" pondo em pânico os agentes de saúde.

"É uma brincadeira de mau gosto diante de um problema que está a ceifar vidas", notou a ministra da Educação.
Diário de noticias, 09 de Setembro de 2014

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público