sexta-feira, 6 de maio de 2016

Parlamento da Guiné-Bissau suspende trabalhos pelo quarto dia consecutivo

Desentendimentos entre deputados das duas principais bancadas levaram, pelo quarto dia consecutivo, à suspensão dos trabalhos no Parlamento da Guiné-Bissau.
Mal a sessão começou, foi logo encerrada por ordens do presidente em exercício, Inácio Correia, para quem não houve "condições para continuar" com os trabalhos, sobretudo depois de os deputados do Partido da Renovação Social (PRS), oposição, não o deixarem ler um discurso de abertura.

O responsável estava a tentar apresentar aos deputados a resposta da mesa em relação aos requerimentos apresentados pelo Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC), no poder, e pelo PRS.

Visivelmente insatisfeitos com a resposta que a mesa estava a dar ao seu requerimento, os deputados do PRS insurgiram-se contra Inácio Correia, e alguns insultaram-no.

Inácio Correia teve que parar o discurso para responder a um deputado do PRS, a quem disse que o podia atender "fora do Parlamento, se fosse o caso".

Seguiram-se trocas de insultos entre os deputados do PRS e do PAIGC, que saíram em defesa de Inácio Correia, dirigente do partido no Governo.

Desde terça-feira, dia em que o Parlamento da Guiné-Bissau retomou os trabalhos que devem durar até 13 de junho, que a sessões têm sido sucessivamente suspensas devido ao ambiente crispado entre os deputados.

Na quinta-feira, a bancada do PRS, que detém 41 dos 102 mandatos no Parlamento, anunciou ser sua intenção derrubar o atual Governo através de uma moção de censura que quer ver agendada.

Insultos, acusações gratuitas e recíprocas sem ética nem enquadramento legal continuam a dominar os trabalhos da III Sessão Ordenaria da XI Legislatura da Assembleia Nacional Popular (ANP).
O facto tem vindo a suscitar os órgãos de comunicação social que transmitem em direto os debates da plenária da ANP, a cancelar, por se considerar inútil e obscena ataques entre os deputados do PRS articulados com o grupo de 15 contra os da bancada parlamentar do PAIGC e aos membros da Mesa da ANP. 

De notar que desde o iniciou das sessões parlamentares a 03 de maio, nenhuma dela chegou ao fim. Não conseguiram aprovar o Projeto da Ordem do Dia destinada para esta sessão que termina a 14 de junho. “O PRS mais os 15 deputados expulsos do PAIGC estão a desenhar uma maioria parlamentar para a concretização das suas intenções”.
Rispito.com/Lusa, 06-05-02016

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público