sexta-feira, 5 de agosto de 2016

PAIGC espera que PR "seja coerente" e demita o atual Governo

O PAIGC, partido vencedor das últimas eleições legislativas na Guiné-Bissau, mas arredado do poder, afirmou hoje, num comunicado, que espera que o Presidente do país "seja coerente" e que demita o atual Governo.

Em comunicado a que a Lusa teve acesso, o Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC), diz que o Presidente guineense, José Mário Vaz, deve demitir o Governo por este estar a funcionar "fora do quadro legal" previsto pela Constituição do país.

O partido alude ao facto de o Governo do primeiro-ministro Baciro Djá não ter apresentado o seu programa de ação ao Parlamento, onde devia obter anuência, volvidos 60 dias desde a sua entrada em funções.

A lei guineense considera de ilegal o Governo que não tenha tido a aprovação do seu programa de ação pelo Parlamento 60 dias depois de ser investido em funções.

Divergências entre os dois principais partidos no Parlamento, PAIGC e PRS, têm levado a que até agora não tenha sido marcada a data para a discussão do programa do Governo de Baciro Djá, uma situação considerada pelo executivo de "má-fé e de bloqueio".

No comunicado, o PAIGC responsabiliza o Presidente guineense, José Mário Vaz, pela existência do que diz ser "Governo de iniciativa presidencial" -- figura não prevista na Constituição do país -- e ainda espera que o chefe de Estado demita a equipa de Baciro Dja tal como fizera com o Executivo liderado por Carlos Correia.

O PAIGC lembra que o Governo de Carlos Correia foi demitido, no passado mês de maio, por José Mário Vaz, entre outros motivos, por não ter obtido a aprovação do seu programa no Parlamento.

O partido alerta a opinião publica nacional e internacional sobre o facto de o atual Governo estar a contrair dividas e assumir compromissos em nome do país sem que para isso tenha um programa aprovado pelos deputados ao Parlamento.

"Aguarda-se que o Presidente da República assuma as suas responsabilidades, mantendo e respeitando a sua coerência de procedimentos (....), enquanto primeiro magistrado da nação não deve ter dois pesos para a mesma medida", declarou o PAIGC no seu comunicado.
Rispito.com/Lusa, 05-08-2016

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público