quinta-feira, 8 de dezembro de 2016

LGDH - Falta de governo na Guiné-Bissau aumenta pobreza e corrupção 

A falta de governo na Guiné-Bissau tem contribuído para o aumento da pobreza e da corrupção no aparelho do Estado, alertou hoje o presidente da Liga Guineense dos Direitos Humanos, Augusto da Silva.
O Presidente guineense, José Mário Vaz, nomeou o general na reserva Umaro Sissoco Embaló como primeiro-ministro a 18 de novembro, mas este ainda não formou um governo.
Guinea-Bissau Straßenmarkt Frauen (DW/B. Darame)Augusto da Silva afirmou hoje que a crise política que assola a Guiné-Bissau tem levado a que o país deixe de contar com políticas públicas devido a "ausência de um governo legítimo" para as elaborar.
Para o presidente da Liga Guineense dos Direitos Humanos, "a culpa é do Presidente da República" que, disse, não consegue convencer os partidos políticos a aderirem o executivo de Sissoco Embaló.
Augusto da Silva diz que "há mais de um ano que não tem havido políticas públicas", um vez que desde agosto de 2015 o país deixou de contar com um governo com legitimidade para apresentar ao Parlamento um orçamento e o plano de ação.
Aquele responsável disse também que o facto tem levado à deterioração do respeito pelos direitos humanos, a um aumento de pobreza e a tem feito com que a corrupção acelere na administração pública por falta de controlo.
Rispito.com/Lusa, 08-12-2016

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público