quarta-feira, 7 de junho de 2017

CPLP tem mostrado "falta de coragem" quanto à crise na Guiné-Bissau

Image result for sana cante Guiné-Bissau no Instituto Superior de Economia e Gestão, em Lisboa,O ativista guineense Sana Canté, líder do Movimento dos Cidadãos Conscientes e Inconformados (MCCI), considerou hoje que a CPLP tem revelado "falta de coragem" na abordagem à crise política da Guiné, por "medo" às potências da sub-região.
"Acho que falta vontade política, falta coragem à Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), efetivamente. A CPLP não está a querer desafiar outras organizações da sub-região, que em termos estratégicos invocam que estão mais bem colocados para mediar a crise na Guiné, o que não corresponde à verdade. Falta coragem. Acho que têm medo de ser esmagados pelas potências dos países da sub-região" [Senegal e Nigéria], considerou o ativista à agência Lusa.
Canté, que falava à margem de um debate sobre a Guiné-Bissau no Instituto Superior de Economia e Gestão, em Lisboa, criticou ainda o "papel muito 'pequenino' da CPLP" [na questão da Guiné-Bissau] em comparação com a posição de força da CEDEAO (da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental).

"Poderia jogar um papel muito mais ativo. A CEDEAO tem assumido o protagonismo, mas nós identificamo-nos mais com a CPLP. Ainda que não tivesse um papel ativo, como mediador principal, poderia apoiar a CEDEAO a compreender melhor a nossa realidade", salientou Sana Canté.
O dirigente do MCCI - que tem organizado as principais manifestações em Bissau, exigindo a demissão do Presidente José Mário Vaz - criticou ainda a posição da máxima responsável da CPLP, a são-tomense Maria do Carmo Silveira, que no início de maio esteve em visita oficial à Guiné-Bissau.
"Falta coragem. Na última vez que esteve em Bissau, a secretária-executiva da CPLP passou a mensagem de que os guineenses poderiam perfeitamente resolver os seus problemas e que deveriam ser os guineenses a resolver os seus problemas", recordou Sana Canté.
"Nós entendemos que essa declaração é ofensiva, porque é justamente isso que os guineenses têm vindo a fazer. Se a CPLP quer ajudar tem que acrescentar alguma coisa: Pressão sobre o Presidente porque é evidente para todos que é ele o principal responsável por esta crise", disse.

A CPLP, concluiu, "tem de ter a coragem de chamar o Presidente à razão".
"Se o fazem secretamente deveriam também tornar essa posição pública", realçou o ativista.
A Guiné-Bissau atravessa um impasse político, que teve início há cerca de dois anos com a demissão de Domingos Simões Pereira do cargo de primeiro-ministro.

Após o Presidente ter demitido Domingos Simões Pereira, a Guiné-Bissau teve mais quatro primeiros-ministros (um dos quais nomeado duas vezes).
A crise política na Guiné-Bissau levou à intervenção da CEDEAO - incluindo com uma força militar - e ao estabelecimento do Acordo de Conacri, que continua sem ser aplicado no país, apesar de a organização ter admitido a imposição de sanções a quem criasse obstáculos à sua execução.
Rispito.com/Lusa, 07-06-2017

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público