quinta-feira, 31 de agosto de 2017

COMUNICADO À IMPRENSA
______________________________________________
Caso dos Chimpanzés em “cativeiro” nos Parques da Guiné-Bissau

Há vários anos, o Instituto da Biodiversidade e das Áreas Protegidas (IBAP) tem vindo a ser confrontado com a captura ilegal de chimpanzés juvenis para comercialização.
Em 2015, a Direção do Parque Natural de Cantanhez recuperou um chimpanzé fêmea juvenil denominada Bô e pelas informações de que dispomos, ela foi capturada por elementos da comunidade local a volta da Tabanca (aldeia) de Gandambel. Um especialista português em primatas tentou reintroduzi-la nas florestas, mas não foi possível, pois a Bô não quis voltar para as florestas e os outros grupos de chimpanzés não
quiseram aceitá-la.
Em 2016 foi recuperado o 2º chimpanzé fêmea denominada Bella cuja história não se conhece bem, tentouse reintroduzi-la na floresta, mas o processo também falhou, ela está atualmente sob a gestão dos serviços da Guarda Nacional da Região de Tombali em Manpatá-Forea. Meses depois um 3º chimpanzé fêmea, Emília, foi entregue a Direção do Parque Nacional de Dulombi, ela se encontrava em cativeiro em Banbadinca.
O Chimpanzé da África Ocidental (Pan troglodytes verus) é uma espécie integralmente protegida. Ela consta na Lista Vermelha da UICN, como vulnerável e também é sujeita a proteção pela Convenção CITES (Convenção sobre o Comércio Internacional das Espécies de Fauna e Flora Ameaçadas de Extinção), ratificada pela Guiné-Bissau. 
Estes animais selvagens após a captura são dificilmente reintroduzidos nos seus habitats de origem e na Guiné-Bissau não existem estruturas com competências para se ocupar destes animais. Neste contexto, o IBAP com a ajuda de diferentes parceiros, estabeleceu há mais de 2 anos contactos com estruturas internacionais para obter orientações sobre as modalidades a adotar. O PASA (Pan African Sanctuary  Alliance) foi contactado e segundo as informações, os únicos santuários disponíveis para receber estes animais se encontram na Quénia e na Zâmbia. Tendo entrado em contacto com eles, forneceram informações sobre os procedimentos necessários para a transferência destes chimpanzés, entre os quais exames veterinários, procedimentos adminiatrativos, construção de gaiolas de transporte, entre outros.
As condições para a exportação destes chimpanzés fêmeas, principalmente as que estão ligadas às questões veterinárias atrasaram muito o processo de transferência, o país de importação solicitou resultados de exames e certificados veterinários que devem ser realizados/emitidos por um especialista veterinário autorizado, atestando a ausência de doenças epizoóticas e zoonóticas ao qual a espécie é suscetível, entre as quais o ébola.
Considerando a inexistência de serviços especializados na Guiné-Bissau, o IBAP recorreu à Delegação da União Europeia na Guiné-Bissau (UE) e a uma Investigadora Pós-doutoral da CIBIO (Centro de lnvestigação em Biodiversidade e Recursos Genéticos), para identificar um laboratório que aceite realizar estes exames. 
Os parceiros apoiaram a deslocação de um veterinário especializado em animais selvagens para a recolha de amostras que teve lugar em meados de Junho do ano em curso. Para esse efeito foi necessário uma anestesia geral nos 3 animais para se efectuar a recolha de amostras de sangue, medição dos aspectos biométricos, realização do teste de tuberculina, zaragatoas e finalmente a aplicação de um número de identificação subcutâneo. Esta anestesia também teve que ser trazida de Portugal tendo em conta as condições do país.
Por conseguinte, aproveitou-se da vinda deste especialita em veterinária para dar formação aos técnicos da Direção Geral da Pecuária.
As deslocações ao nível de 3 localidades na Guiné-Bissau para a realização destes trabalhos foram efectuadas pelo IBAP com o apoio dos Serviços Nacionais de Veterinária, da Direção Geral das Florestas e Fauna e da Delegação da União Europeia - GB.
Existe boa vontade das autoridades e das instituições concernentes da Guiné-Bissau na execução desta operação. Mas tendo em conta a necessidade de respeitar os trâmites administrativos de exportação e de importação (CITES) e também as exigências veterinárias, torna este processo que já está em curso há 2 anos complicado e moroso.
É importante ressaltar que a União Europeia e a Fundação MAVA disposeram-se em apoiar
financeiramente está transferência. A Embaixatriz da UE na Guiné-Bissau está envolvida directamente nesse dossier.
Manter um animal em cativeiro requer cuidados e gastos financeiros e para além disto, esta não é a filosofiado IBAP. Os chimpanzés fêmeas Bô e Emília teriam morrido a muito tempo se realmente passassem fome como foi noticiado. O IBAP decidiu colocar a Bô numa gaiola improvisada porque os estragos e conflitos com a população de Buba não deixavam de crescer e eram cada vez mais preocupantes.
Para além da captura de filhotes a população de chimpanzés da Guiné-Bissau tem sofrido muito com a degradação e fragmentação dos seus respectivos habitats. Em consequência, nos últimos anos, no sul do país, houve conflitos entre o Homem e o chimpanzé com ataques graves, estes últimos contra as crianças.
Foi uma situação delicada que o IBAP geriu com sabedoria. Todavia, a forma como a Agência Lusa tratou este assunto em uma reportagem, coloca o IBAP numa situação delicada associada ao facto de que dispõem de informações completamente desatualizadas.
O Instituto da Biodiversidade e das Áreas Protegidas (IBAP) vem por este meio informar a opinião pública que este processo esta em curso e que serão respeitados todos os trâmites administrativos, veterinários e legais para que a transferência destes animais para um santuário apropriado seja bem sucedida.
Bissau, 17 de Agosto de 2017.

Para mais informações, contatar: Udimila Kadija Queta Responsável Comunicação IBAP Telm: (+245) 95 535 39 51 E-mail: udimilaqueta@hotmail.com

Avenida Dom Settimio Arturo Ferrazzetta. Caixa Postal 70 Bissau
Tel. (245) 320 71 06/07
Guiné-Bissau
Site: www.ibapgbissau.org

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público