segunda-feira, 30 de outubro de 2017

21 partidos guineenses juntos contra a "ditadura" do Presidente José Mário Vaz  


21 partidos guineenses juntos contra a "ditadura" do Presidente José Mário Vaz
O Coletivo dos Partidos Políticos Democráticos (CPPD) acusa o Presidente da Guiné-Bissau, José Mário Vaz, de instalar um regime ditatorial no país.
Em Bissau, um coletivo constituído por 21 partidos guineenses, opositores ao regime do Presidente da Guiné-Bissau, José Mário Vaz, iniciou nesta sexta-feira (27.10), uma série de ações para denunciar aquilo que chama de "ditadura" do Chefe do Estado.
O Coletivo dos Partidos Políticos Democráticos (CPPD) responsabilizou José Mário Vaz pelas "graves ruturas e a descredibilização de instituições" do Estado. O grupo acusou também o Presidente guineense de liderar "uma saga destrutiva", ao promover desentendimentos nos partidos e impedir a construção de consensos mesmo na comunidade internacional, parceira da Guiné-Bissau.
Democracia em perigo
Membros dos 21 partidos, militantes e simpatizantes reuniram em  vários círculos eleitorais 24, da capital, para  exigir o fim da crise e o respeito pelas regras democráticas, contra a intenção do Presidente José Mário Vaz, de instalar um regime ditatorial na Guiné Bissau.
O  presidente da União para a Mudança-UM, Angelo Regala, declarou que a união de forças é um sinal claro de que a ditadura não pode ter lugar. Regala vê no ato, que aconteceu a alguns metros da sede do Parlamento em Bissau, um bom sinal. "É um sinal de que as pessoas estão conscientes de que a democracia está em perigo e que é preciso de fato nos juntarmos e, em uníssono, dizermos que a ditadura não tem lugar na Guiné Bissau", disse o líder da UM.
Manifestação é ato de cidadania
De acordo com o líder do Movimento Democrático Guineense (MDG), Silvestre Alves, a adesão ao coletivo é, antes de mais, um dever de consciência de um cidadão que quer "salvar a democracia". "Não tenho outra solução, senão aderir à causa. O senhor Presidente tem uma leitura deficiente e descabida da Constituição. E está aí a impor algo que não tem utilidade", afirmou.
Para o porta-voz do partido da Nova Democracia (ND), Ibriama Djaló, um dos deveres de chefe de Estado na democracia é garantir o que está na  Constituição e o normal funcionamento das Instituições. Djaló disse em entrevista à DW África que, enquanto ator político, não se pode permitir que esse grave precedente continue.  
Segundo a Agência Lusa, a mesma ação será organizada nos dias seguintes em outros locais de Bissau. O grupo de partidos também planeia realizar "um megacomício" na capital guineense, em data a anunciar.
Em conferência de imprensa, Nuno Nabian, candidato derrotado na segunda volta nas eleições presidenciais de 2014, e presidente da Assembleia do Povo Unido - Partido Democrático da Guiné-Bissau (APU-PDGB), avisou que "ninguém terá autoridade de impedir a realização das manifestações programadas".
Rispito.com/DW, 30-10-2017

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público