sexta-feira, 2 de fevereiro de 2018

LGDH: "Guiné-Bissau vive como um Estado policial"

O presidente da Liga Guineense dos Direitos Humanos, Augusto da Silva, considerou a Guiné-Bissau como um Estado policial, onde os agentes atuam "sem mandado judicial", limitando as liberdades dos cidadãos.

Augusto da Silva reagia às últimas atuações das forças de segurança para impedir a realização do congresso do Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC), que deveria ter começado na terça-feira.

"A polícia age como se fosse o próprio Estado, isso é intolerável em democracia", defendeu Augusto da Silva, salientando que os agentes não podem "em nenhuma circunstância" agir sem uma ordem judicial "legítima e clara", disse.
"Parece que a Guiné-Bissau vive num Estado de polícia que faz e desfaz sem mandado judicial", defendeu o presidente da Liga Guineense dos Direitos Humanos.

O secretario nacional do PAIGC, Aly Hijazi denunciou que agentes da policia arrombaram as portas da sede do partido de onde "escorraçaram militantes" que aí aguardavam o início do congresso. O responsável afirmou que a polícia não apresentou nenhum mandado judicial para entrar na sede do partido.

Para o presidente da Liga Guineense dos Direitos Humanos, mesmo que fossem reais as ordens judiciais que proíbem a realização do congresso, a polícia não tem autoridade para impedir que os militantes se mantenham nas instalações do partido.
"Afinal a polícia agora pode limitar a liberdade de reunião dos cidadãos?", questionou o presidente da Liga dos Direitos Humanos, para perguntar se o país "já vive também num Estado de sitio".

Augusto da Silva salientou que a Guiné-Bissau "é ainda um Estado de direito democrático", que tem regras que devem ser cumpridas pelos agentes da lei e ordem e pelos cidadãos.

O presidente da Liga dos Direitos Humanos criticou também o comportamento "de alguns juízes" do país pelas "decisões vergonhosas e contraditórias" que têm produzido perante as disputas entre militantes do PAIGC. 
Rispito.com/Lusa, 02-02-2018

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público