quinta-feira, 24 de maio de 2018

Ministério Público guineense sem leis para combater “nova criminalidade

Para Julião Insumbo, procurador-geral adjunto, o Ministério Público tem as competências para atuar, mas não todas as que precisa para "melhor trabalhar" perante "a nova criminalide".

O procurador-geral adjunto e docente universitário guineense Julião Insumbo defendeu que o Ministério Público da Guiné-Bissau não consegue responder à “nova criminalidade” no próprio país e a nível mundial por falta de legislação adequada.

O procurador guineense defendeu esta ideia em declarações à Lusa à margem do segundo congresso de magistrados do Ministério Público, que é presenciado por profissionais de vários países lusófonos.

O congresso começou na quarta-feira e termina esta quinta-feira em Bissau, sob o lema da autonomia do Ministério Público no combate à corrupção para afirmação do Estado de direito democrático e direitos humanos. Julião Insumbo defendeu que o ministério guineense tem as competências para atuar, mas não todas as que precisa para “melhor trabalhar” perante “a nova criminalidade”, citando exemplos da falta de legislação em relação ao crime transnacional e ainda para a recolha de provas na internet.

“Hoje em dia fala-se na recolha de provas no ambiente digital e nós não temos leis sobre isso”, destacou Insumbo. O procurador guineense disse que os magistrados do Ministério Público recorrem às convenções internacionais quando são chamados a colaborar em casos que envolvem crimes transnacionais, já que o país não tem uma legislação específica sobre a matéria.

Julião Insumbo classificou de “longas e complicadas”, por exemplo, as tramitações perante as cartas rogatórias recebidas dos outros países que passam pelos ministérios dos negócios estrangeiros e da justiça, pelo Procurador-Geral da República e só depois ao magistrado.

Após as diligências solicitadas, as mesmas cartas retornam ao país solicitador pelos mesmos canais, enfatizou, para considerar que o caminho podia ser encurtado caso a Guiné-Bissau tivesse acordo de cooperação com os Ministérios Públicos de outras nações. “Muita das vezes a urgência em executar a carta rogada não se conjuga com esse procedimento tão longo”, defendeu Insumbo, que pede reformas urgentes ao nível das competências do Ministério Público guineense.
Rispito.com/Lusa, 24-05-2018

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público