sexta-feira, 1 de junho de 2018

Autoridades guineenses aguardam ajudas internacionais para eleições legislativas

O ministro da Presidência do Conselho de Ministros e dos Assuntos Parlamentares da Guiné-Bissau, Agnelo Regala, disse hoje que o Governo "aguarda" que os parceiros de desenvolvimento contribuam para a realização de eleições legislativas em novembro.

"Já houve um esforço do Governo anterior para contribuição do Estado da Guiné-Bissau para o orçamento das eleições no valor de 1,8 milhões de dólares (1,5 milhões de euros), o que é extremamente importante. É um sinal que foi dado à comunidade internacional e agora aguardamos que os nossos parceiros de desenvolvimento possam efetivamente dar o seu contributo para que as eleições decorram de forma normal, livres, justas e transparentes", afirmou Agnelo Regala.

Agnelo Regala explicou que a União Europeia se disponibilizou para apoiar com uma verba de 1,5 milhões de euros.

"O primeiro-ministro teve encontros com as embaixadas não residentes em Dacar e esperamos que nos traga boas novas. Sabemos que os países da CEDEAO [Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental] estão dispostos a meter um pouco dos seus meios para que as eleições possam ter lugar", disse.

O ministro falava aos jornalistas no parlamento da Guiné-Bissau, depois de entregar o Programa de Governo e o Orçamento de Estado para 2018, que deverá começar a ser discutido na próxima semana.

O primeiro-ministro guineense, Aristides Gomes, iniciou na terça-feira um périplo por seis países da sub-região para informar sobre a preparação das legislativas na Guiné-Bissau.

Sobre o programa de Governo, Agnelo Regala salientou que o "principal destaque" é a preparação e realização de eleições legislativas, a 18 de novembro, conforme o Acordo de Conacri.

"Portanto, o foco do programa está orientado para este fim, já houve várias reuniões no sentido de definir os critérios para o recenseamento eleitoral, mas também para a criação de condições para a realização do pleito eleitoral", disse.

Sobre o défice previsto no orçamento, já que a despesa é superior à receita, o ministro esclareceu que o Governo vai "continuar a contar com o apoio da comunidade internacional e dos parceiros".

"Este Governo herdou uma situação muito complicada do ponto de vista financeiro que estamos a tentar reverter e estamos a tentar fazer um esforço para criar condições para que a campanha de comercialização de castanha de caju decorra da melhor forma para que os fundos possam entrar para os cofres do Tesouro e assim tentar em certa medida mitigar esse défice que teremos a nível do orçamento", sublinhou.

O Orçamento de Estado até novembro tem prevista uma receita de quase 213 mil milhões de francos cfa (cerca de 323 milhões de euros) e uma despesa de 281,5 mil milhões de francos cfa (cerca de 428 milhões de euros).
Rispito.com/Lusa, 01-06-2018

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público