quinta-feira, 2 de agosto de 2018

Sindicatos e Governo guineense acordam aumentar salário mínimo para 75 euros

O secretário-geral da União Nacional dos Trabalhadores da Guiné (UNTG), Júlio Mendonça, saudou hoje o entendimento alcançado entre a central sindical e o Governo, que vai possibilitar o aumento de salário mínimo no país para 75 euros.
salário mínimo na Guiné-Bissau estava fixado até agora em 31.000 francos CFA (cerca de 46 euros) e com o entendimento vai subir para 50.000.

Nos últimos dois meses, a UNTG tem promovido ondas de greves na Função Pública para, entre outros, exigir o cumprimento de uma lei de 2016 que previa o aumento do salário mínimo e ainda o reajuste salarial.

"Foi possível este acordo porque, finalmente, o Governo começou a tratar esse assunto com mais seriedade, fruto da pressão do parlamento", declarou Júlio Mendonça, referindo-se à mediação feita pelo órgão legislativo perante o diferendo que opunha os sindicatos ao executivo.

O secretário-geral da UNTG confirmou hoje a suspensão da onda de greves na Função Pública, mas deu ao Governo 30 dias para cumprir com o acordado, caso contrário, prometeu retomar as paralisações laborais em setembro.

O Governo comprometeu-se a aumentar o salário mínimo e pagar todos os impostos e contribuições que os funcionários públicos devem ao Estado, "para que possa receber os 50.000 francos CFA líquidos", observou Mendonça, que considera a medida como de justiça salarial para a Guiné-Bissau.

Além do aumento do salário mínimo, ficou acordado um reajuste dos salários entre funcionários do Estado que façam trabalho igual, sublinhou o sindicalista, dando como exemplo situações "em que pessoas que prestam o mesmo serviço, ganhem salários diferentes".

Segundo o sindicalista, ficou ainda decidido que o Estado irá pagar a cada trabalhador, do Presidente da República ao último colaborador, um subsídio mensal correspondente a 20% do ordenado.
Rispito.com/DN, 02-08-18

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público