segunda-feira, 3 de setembro de 2018

Homossexualidade ainda é mal vista na Guiné-Bissau 

Image result for Homossexualidade na Guiné-BissauA Organização Não-Governamental (ONG) Enda Santé admite que a comunidade homossexual da Guiné-Bissau ainda é discriminada, mas também que na sub-região o país é dos que fez mais avanços nos últimos anos neste matéria.

A posição foi manifestada em declarações à agência Lusa por Mamadu Aliu Djaló, diretor nacional daquela ONG, que nos últimos anos tem trabalhado junto daquela comunidade, que ainda é "invisível".

Tudo começou com o trabalho para combater o vírus da SIDA no país, que atinge 3,3% dos 1,7 milhões de habitantes: "Em 2010, fizemos uma análise em relação aos HSH (Homens que fazem sexo com homens) em duas regiões, porque se considera uma população invisível por questões culturais e legais e para aquela população a percentagem de contaminação com vírus é de 25%".

om base naqueles dados, as autoridades guineenses fizeram uma revisão do seu plano estratégico, que agora “inclui o grupo como prioritário”, disse Mamadu Aliu Djaló, sublinhando que o Fundo Mundial incluiu o seu apoio ao HSH, que são mais afetados pelo vírus da SIDA e pela Hepatite B.

Os constrangimentos ao apoio aquela comunidade surgem principalmente devido a razões culturais, mas também em termos legais.
“Em termos legais nada protege as relações entre pessoas do mesmo sexo e essa barreira torna a comunidade cada vez mais invisível por medo de repressão das autoridades e da sociedade”, afirmou Mamadu Aliu Djaló.

Mas, salientou, comparando com a sub-região, o “ambiente sociojurídico é melhor”.

“Na Gâmbia, uma pessoa homossexual corre o risco de ser presa, no Senegal é ilegal. Analisando o mapa sociojurídico da ONUSIDA, a Guiné-Bissau é um dos melhores da sub-região é semelhança de Cabo Verde”, disse.

Questionado pela Lusa sobre o tipo de agressões que sofre aquela comunidade, Mamadu Aliu Djaló disse que as agressões verbais são as mais frequentes, mas as agressões físicas têm ocorrido.
“O problema é a forma como as autoridades reagem a estas questões, porque também têm o preconceito. Às vezes a comunidade não quer admitir o seu estatuto e acaba por não denunciar por medo de mais represálias”, explicou.

O problema também afecta as autoridades sanitárias, que segundo o diretor-geral da Enda Santé na Guiné-Bissau, também não estão preparadas para dar resposta, nem lidar, com infecções sexualmente transmissíveis associadas aos HSH.
“É uma sociedade machista e tolera mais as lésbicas”, lamentou.
Rispito.com/Destak, 03-09-2018

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público