domingo, 21 de outubro de 2018

Eleições em 2019 serão "violação flagrante" das leis da Guiné-Bissau -- PAIGC

A última eleição legislativa foi realizada em abril de 2014, nós devíamos ter legalmente eleições em abril de 2018. Tal não foi possível, estamos a falar em novembro e eventualmente temos um espaço para exercer até dezembro. Qualquer prazo que seja fixado depois de dezembro configura uma violação flagrante das nossas leis internas e o PAIGC não admite isso", afirmou Domingos Simões Pereira.

O presidente do PAIGC falava aos jornalistas na sede do partido, em Bissau, durante uma conferência sobre a situação política no país e o processo eleitoral em curso e depois de questionado sobre se o partido tem uma data preferencial para a realização de eleições legislativas.

A Guiné-Bissau tem eleições legislativas marcadas para 18 de novembro, mas o Gabinete Técnico de Apoio ao Processo Eleitoral apenas conseguiu registar até ao momento cerca de 220.000 eleitores num universo estimado de quase 900.000 eleitores.

A ministra da Administração Territorial, Ester Fernandes, disse na quarta-feira, que o recenseamento iria decorrer no prazo previsto por lei que é de 60 dias, ou seja, deverá terminar a 20 de novembro, depois de o Governo ter inicialmente previsto fazer o recenseamento entre 20 de setembro e 20 de outubro.

Aos jornalistas, Domingos Simões Pereira disse que "não há uma nova data fixada pelo Presidente da República".
"A data de recenseamento ultrapassa essa data e portanto os órgãos competentes, nomeadamente, o Presidente da República, mas em concertação com a conferência de chefes de Estado da CEDEAO, tem de revisitar esse processo propor aos partidos políticos esse consenso para compensação do período necessário para respeitar a lei", afirmou.

Questionado pela Lusa se o processo para ser definida uma nova data para as eleições legislativas já teve início, Domingos Simões Pereira admitiu que sim, referindo-se a uma deslocação feita pelos representantes da comunidade internacional na Guiné-Bissau aos "países da Comunidade Económica do Estados da África Ocidental" e à deslocação, na quarta-feira, do chefe de Estado, José Mário Vaz, ao Senegal.

Sobre se o partido admitia a possibilidade da realização de eleições gerais em 2019, Domingos Simões Pereira disse que o "PAIGC é um partido absolutamente alinhado com a lei".
"A lei da República da Guiné-Bissau diz que há uma periodicidade fixa para a realização de eleições legislativas e renovação dos órgãos correspondentes", afirmou.

O Presidente da Guiné-Bissau, José Mário Vaz, marcou as eleições legislativas para 18 de novembro em abril, na sequência de uma cimeira extraordinária de chefes de Estado e de Governo da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental para ultrapassar o impasse político que se vive no país desde 2015 e que incluiu também a nomeação de Aristides Gomes como primeiro-ministro do país, bem como a reabertura do parlamento.

O processo eleitoral em curso na Guiné-Bissau tem provocado fortes críticas dos partidos sem assento parlamentar, do Partido de Renovação Social (PRS), segunda maior força política do país e que está no Governo, e da sociedade civil, que têm pedido que as legislativas sejam adiadas.

Em causa está, essencialmente, o processo de recenseamento eleitoral.
Rispito.com/Lusa, 21-10-2018

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público