quarta-feira, 27 de fevereiro de 2019

Bispos apelam para voto consciente e em liberdade

Os bispos da igreja católica guineense, Camnaté Na Bissign e Pedro Zilli, apelaram aos guineenses para votarem de forma consciente nas eleições legislativas de 10 de março, lembrando que o futuro do país está nas suas mãos.

Através de uma carta pastoral, a que a Lusa teve acesso, os dois bispos instaram os religiosos, os políticos e governantes, bem como homens e mulheres guineenses a deixarem para trás a resignação e o desânimo que marcaram a vida do país nos últimos anos e a participarem na votação em consciência e em liberdade.

Os prelados afirmam compreender o desânimo pelo facto de nenhuma legislatura ter chegado ao seu término, desde que o país entrou para a democracia há 25 anos e ainda tendo em conta os constrangimentos que marcaram o recenseamento eleitoral.

Todos esses fatores motivaram o ceticismo em relação às eleições, dizem os bispos, realçando também o comportamento desanimador da classe política, que afirmam, potencia a instabilidade política e governativa e ainda faz aumentar o nível da pobreza.

"O país vive, como consequência de todo esse conjunto de fatores, num clima de desconfiança generalizada, numa divisão insustentável quer entre os atores políticos quer entre a população e mesmo nas famílias, o que aumenta ainda mais a falta de esperança e confiança sobre uma possível mudança do estado atual", referem na missiva.

Os bispos acreditam que "é precisamente neste contexto dúbio e de desencanto" que o povo guineense deve votar em políticos honestos, competentes, conscientes dos valores da democracia, dos direitos humanos e preocupados com o bem comum.

Os dois líderes da Igreja Católica guineense (Camnaté Na Bissing, em Bissau e Pedro Zilli em Bafatá, no leste) exortam a que os eleitores considerem o seu voto, no dia 10 de março, "como um ato sagrado de cidadania" e deixem de lado a ideia de "nha boka ka sta la" (não tenho nada a ver com isso).

Os religiosos apelam para que a campanha eleitoral decorra em paz, que as forças de segurança garantam a tranquilidade durante todo processo, que a comunidade internacional reforce o apoio à Guiné-Bissau e que a votação, a recolha e a contagem dos votos sejam transparentes para que os resultados "legitimamente obtidos", sejam respeitados por todos os candidatos e eleitores.
Rispito.com/Lusa, 27-02-2019

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público