segunda-feira, 12 de agosto de 2019

Tabanka Djaz lança novo álbum em Outubro com temas a chamar atenção dos políticos guineenses

Tabanka DjazO grupo musical Tabanka Djaz deve lançar no mercado, em Outubro, um novo álbum e, como sempre, “lá estarão temas a chamar atenção” dos políticos da Guiné-Bissau, pela situação política “muito complicada e preocupante”, segundo Micas Cabras.

O líder da banda, em declarações na Baía das Gatas, após a actuação do grupo, formado maioritariamente por guineenses residentes em Portugal, adiantou que “o mais grave de tudo” é que “não se vê a luz ao fundo do túnel”, capaz de indicar uma melhoria na Guiné-Bissau.

“Cada etapa que é ultrapassada, à espera de dias melhores, acontece sempre episódios desagradáveis”, concretizou a mesma fonte, pelo que, sustentou, é momento de os políticos na Guiné-Bissau “começarem a pensar um pouco mais no povo”.

Crítico da forma como o seu país tem vindo a ser dirigido, Micas Cabral declarou que já são “mais de 40 anos de independência” e que a Guiné-Bissau “ainda não deu um passo”, tirando os primeiros anos pós-independência, precisou, em que o país “deu mostras de desenvolvimento e algum sentido de Estado e de Nação”.

“Mas, infelizmente, nos últimos 30 e poucos anos, tem sido catastrófica a situação na Guiné-Bissau, temos pena porque é a nossa terra, vivemos na Europa, mas o sonho é regressar, viver, sermos acolhidos por aquilo que é nosso e é pena que cada vez notámos que tal está cada vez mais distante”, considerou.

Por isso é que, ao cantar as suas músicas de intervenção, segundo Micas Cabral, Tabanka Djaz mais não faz do que chamar a atenção aos políticos, o que já vem desde 1996, com o disco “Esperança”.

“Nessa álbum, cantamos a esperança da Guiné-Bissau, mas infelizmente essa música ‘esperança’ contínua actual, o que é grave, e não gostaríamos que assim fosse”, explicou Micas Cabral, pois, o desejo, sintetizou, era falar dessa música como sendo do passado.

“Mas ela é uma música do presente pelo que se torna necessário que se repense muito seriamente a Guiné-Bissau”, pontuou.
Sobre a actuação dos Tabanka Djaz no Festival da Baía das Gatas, 22 anos depois, o vocalista considerou-se “super feliz” por regressar àquele palco, do qual guarda “boas recordações” e que foi oportunidade de reviver “bons momentos”.
Rispito.com/Expresso das Ilhas, 12/08/2019

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público