segunda-feira, 12 de agosto de 2019

Guiné-Bissau quer ser o portal dos EAU para a América Latina

_w0i7729.jpgO ambicioso plano de ecoturismo e desenvolvimento de infra-estrutura da Guiné-Bissau seria fundamental para tornar a pequena nação da África Ocidental uma porta de entrada para a América Latina para os Emirados Árabes Unidos, segundo o primeiro-ministro do país."Estamos na esquina da África Ocidental, na costa do Atlântico.

"Estamos na esquina da África Ocidental, na costa do Atlântico. Mesmo sem um vôo direto, o Brasil está a menos de cinco horas de Bissau [a capital com o único aeroporto internacional do país]", disse o primeiro-ministro Aristides Gomes. a Emirates News Agency, WAM, numa entrevista exclusiva em Abu Dhabi. "Dadas as crescentes relações entre os EAU e a América Latina, nosso país pode ser uma porta de entrada", acrescentou.

Agora, a viagem entre a Guiné-Bissau e os Emirados Árabes Unidos leva de 16 a 28 horas, já que não há voos diretos, enquanto o vôo direto entre Dubai e o Brasil chega em 15 horas. Desenvolver a infra-estrutura aeronáutica da Guiné-Bissau pode criar uma rede de turismo que liga a África Ocidental e a América Latina e reduzir consideravelmente o tempo de viagem entre essas regiões e o Golfo, explicou Gomes, em visita oficial a Abu Dhabi na semana passada.

O governo planeja um projeto de ecoturismo no Arquipélago de Bijagós, um grupo de 88 ilhas espalhadas pelo Atlântico ao largo da costa da Guiné-Bissau, o que também pode atrair turistas dos Emirados Árabes Unidos, disse ele. "O novo destino pode oferecer um pacote para as pessoas que viajam para a América Latina e outras partes da África", disse o primeiro-ministro.

Listado em 1966 pela UNESCO como uma reserva da biosfera, o Arquipélago dos Bijagós possui uma flora e fauna marinhas raras no mundo, incluindo tartarugas marinhas e hipopótamos marinhos.

Durante a visita dos Emirados Árabes Unidos, o primeiro-ministro encontrou-se com o Xeque Abdullah bin Zayed Al Nahyan, Ministro de Relações Exteriores e Cooperação Internacional, e discutiu as relações bilaterais e formas de melhorar a cooperação geral.

O Xeque Abdullah sublinhou a sua vontade de melhorar as relações bilaterais dos EAU com a Guiné-Bissau.

_w0i7741.jpg"Foi uma reunião extraordinária", disse o primeiro-ministro, revelando que a cooperação em energia renovável e estratégia de desenvolvimento sustentável foi um tema importante nas discussões. "Estamos impressionados com a forma como os Emirados Árabes Unidos efetivamente utilizaram suas receitas de petróleo e adotaram um caminho de desenvolvimento sustentável", disse Gomes.
O primeiro-ministro e sua delegação também se reuniram com Mohammed Saif Al Suwaidi, diretor-geral do Fundo para o Desenvolvimento de Abu Dhabi, ADFD, e discutiram a cooperação em obras de desenvolvimento e financiamento.

Sobre a sua ambição de melhorar a economia da nação empobrecida, o primeiro-ministro disse ter procurado a parceria dos EAU no projeto de ecoturismo no Arquipélago de Bijagós e nos projetos de aviação e energia renovável do país. "Temos que construir tudo a partir dos arranhões", disse Gomes.

O país não tem sua própria companhia aérea. O único aeroporto internacional da capital recebe voos do resto da África e de Portugal. A infra-estrutura do aeroporto precisa ser mais desenvolvida para receber mais vôos, disse ele.

A Guiné-Bissau ainda não possui um projeto de energia renovável e a maior parte da eletricidade é produzida por combustíveis fósseis. "Estamos apenas começando. Temos que ir passo a passo [em energia renovável]", disse o primeiro-ministro.
Rispito.com/Ag. Noticias dos Emirados, 12-08-2019

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público