quinta-feira, 5 de setembro de 2019

Batalha renhida entre Jomav e Domingos Simões Pereira nas presidenciais

José Mário Vaz (esq.) e Domingo Simões Pereira (dir) (Fotos de arquivo/2014)
As eleições de 24 de novembro vão vincar ainda mais a oposição entre duas grandes figuras políticas: Domingos Simões Pereira, apoiado pelo PAIGC, e José Mário Vaz, presidente cessante, que se apresenta como independente.

Há uma grande expetativa por um duelo entre grandes figuras políticas nas eleições presidenciais de 24 de novembro na Guiné-Bissau. Os dois homens que ambicionam a Presidência do país, José Mário Vaz, à procura da reeleição, e Domingos Simões Pereira, que tenta chegar pela primeira vez à mais alta magistratura do país, têm origem no Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC).

Previsões 
O analista político guineense, Augusto Nhaga, que considera José Mário Vaz e Domingos Simões favoritos, acredita que será uma disputa muito renhida. Mas destaca algumas diferenças entre as duas candidaturas: "Um tem o apoio da máquina do PAIGC, partido que suporta o Governo, partido da nova maioria parlamentar. O outro tem a imagem do Presidente da República e alguma franja da sociedade, que de uma forma voluntária ou não decidiu apoiar a sua candidatura”, diz.

Nhaga acredita que quem sair derrotado no embate terá algumas complicações, que poderão, eventualmente, contribuir para agravar a sua progressão na política: "Porque se um destes candidatos ganhar, vai consolidar a sua posição política e tentar, no máximo, fragilizar a parte derrotada. Por isso, ninguém vai baixar braços e ninguém vai encarar o processo com ânimo leve”.

Para Nhaga, Domingos Simões Pereira vai ter a máquina do PAIGC a acompanhar a sua candidatura, com o objetivo de tentar salvaguardar e consolidar a maioria governativa. "Porque com a sua vitória vai-se consolidar a maioria e projetar as próximas fases da luta. José Mário Vaz, por seu lado, vai tentar manter a sua linha de atuação, procurando novas alianças políticas.

Na eventualidade da vitória de José Mário Vaz, o analista aposta até em uma possível descontinuidade com o Governo do PAIGC. "Isso será uma situação um pouco mais delicada a qualquer dirigente ou militante do PAIGC. Em caso da segunda volta, toda a oposição vai-se posicionar ao lado de Mário Vaz, para ver se consegue a alteração do atual quadro político”, explica.

O analista afasta ainda qualquer cenário da violência física ou verbal, mas prevê muitas trocas de acusações entre os apoiantes, e também entre os candidatos.

Nas ruas de Bissau, os cidadãos desvalorizaram o duelo. A capacidade do futuro Presidente de unir o país foi considerado um critério mais relevante para os entrevistados, como disse Alice Moreira, cidadã: "Eu espero tudo. O importante é um deles ser dada a oportunidade para trabalhar e mostrar o que sabe fazer em prol da Guiné-Bissau”.

Alfredo Gomes, estudante, também valoriza a união e a estabilidade do país: "Neste momento, precisamos de um candidato capaz de unir a família guineense e também a própria imagem da Guiné-Bissau precisa de ser resgatada, a nível internacional".

Passado com divergências
As divergências entre Jomav e Domingos Simões Pereira são antigas. Primeiro, José Mário Vaz, que foi apoiado pelo PAIGC para chegar à Presidência da República, demitiu o Governo de Domingos Simões Pereira, em agosto de 2015, alegando os sinais evidentes da corrupção, no executivo, e a falta de confiança mútua com o então chefe do Governo.

Depois, seguiram-se várias trocas de acusações e de argumentos entre os dois, até que, o PAIGC voltou a ganhar as eleições legislativas em março de 2019. José Mário Vaz recusou a nomeação do seu oponente, Domingos Simões, argumentando que não havia condições para uma coabitação, mesmo estando a poucos dias do fim do seu mandato presidencial. Uma decisão que foi aplaudida, pelos apoiantes do Presidente cessante, e repudiada pelo PAIGC e os seus aliados políticos.
Rispito.com/DW, 05-09-2019

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público