segunda-feira, 2 de setembro de 2019

Médica cozinheira inicia produção de iogurte grego na Guiné-Bissau pela saúde das crianças

Médica cozinheira inicia produção de iogurte grego na Guiné-Bissau pela saúde das criançasMaísa Gomes Cabral dos Reis é médica e enquanto aguarda a sua integração no sistema de saúde guineense, de onde saiu para fazer o mestrado, criou os iogurtes N’Té para melhorar a saúde da populaçao guineense.

“Sempre quis fazer algo pela saúde, para melhorar a saúde da população guineense e pensando nas crianças que é o género mais vulnerável da população decidi criar esta linha de iogurtes grego natural feito e produzido cá na Guiné-Bissau”, disse à Lusa a médica, de 37 anos.

Aliando a sua especialidade em Saúde Pública - depois de estudar medicina na Rússia, fez uma pós-graduação no Burkina Faso e está a acabar o mestrado em Epidemiologia no Gana - ao seu gosto pela cozinha e ao facto de estar farta de ficar em casa sem nada para fazer criou o N’Té, o primeiro iogurte grego natural produzido na Guiné-Bissau.

“Antes fazia para as minhas crianças, mas depois pensei e disse ao meu marido e se fizéssemos algo não só para as nossas crianças, unindo o útil ao agradável”, explicou.

E assim começou o N’Té.

Mãe de quatro filhos, Maísa Gomes Cabral dos Reis trazia, sempre que viaja a Portugal de férias, uma mala só com iogurtes. Como ela, as suas amigas.

“Este ano não fomos de férias e decidi lançar estes iogurtes para ajudar não só as minhas crianças, mas também as outras para termos um iogurte mais cremoso, natural e feito na Guiné-Bissau. Por isso abracei este projeto com muito amor”, salientou Maísa Gomes Cabral dos Reis.

O que a médica guineense não esperava é que o número de encomendas e de clientes aumentasse tão depressa, estando em curso a contratação de pelo menos duas pessoas.

“É verdade. Quase que não dou conta, mas é um projeto para a vida. A curto-prazo estamos a projetar fazer chegar o iogurte aos minimercados da cidade, nas tabernas, porque não vamos continuar a fazer a entrega ao domicilio, como agora”, disse.

Atualmente, o N’Té pode ser encomendado pela página no Facebook, criada com o mesmo nome do iogurte, ou telefonar, mas Maísa Gomes Cabral dos Reis pretende torná-lo mais visível e deixar de o entregar diretamente às pessoas.

A ideia é que o produto passe a estar disponível em mais estabelecimentos comerciais e criar num futuro próximo uma unidade de produção.

“Eu tive um sonho e tenho ainda que é poder levar o nome da Guiné-Bissau, que é o país que eu amo, além-fronteiras. Quem sabe um dia produzir o iogurte grego e comercializar. Este é o nosso plano a longo-prazo”, afirmou.

Maísa Gomes Cabral dos Reis e o marido, que abraçou a ideia da médica desde o primeiro momento, viajam e importam as boas ideias.

“Temos potencial e temos de divulgar esta boa imagem da Guiné-Bissau para não ficarmos só no país politicamente instável”, disse.

Questionada sobre a sua outra carreira, a de médica, Maísa Gomes Cabral dos Reis não tem dúvidas de que a medicina está no “meio tudo”.

“A medicina não é só tratar, mas também prevenir. Se tivermos uma boa alimentação, não vamos ter doenças. Isto liga a saúde alimentar, usamos leite testado e certificado no laboratório para o iogurte chegar em boas condições à população guineense”, afirmou.

O N´Té tem um prazo de validade de 15 dias desde a sua produção e deve ser mantido no frigorífico.
Rispito.com/Lusa, 02/09/2019

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público