quarta-feira, 18 de setembro de 2019

Sissoco Embaló deposita candidatura e critica PM por presença em ações do líder do PAIGC

O antigo primeiro-ministro e candidato às presidenciais na Guiné-Bissau Umaro Sissoco Embaló criticou hoje a presença do atual líder do Governo, Aristides Gomes, por participar em ações de campanha do líder do PAIGC, Domingos Simões Pereira, também candidato.
"Já estamos a ver o que se passa. Um primeiro-ministro de um Governo que gere eleições a acompanhar um candidato para a deposição da sua candidatura", no Supremo Tribunal de Justiça, observou Sissoco Embaló, candidato apoiado pelo Movimento para a Alternância Democrática (Madem-G15), em declarações aos jornalistas momentos depois de proceder hoje à mesma diligência.

Aristides Gomes, bem como vários membros do Governo acompanharam na terça-feira Domingos Simões Pereira, candidato às presidenciais de 24 de Novembro apoiado pelo PAIGC, ao Supremo Tribunal de Justiça.

Para Umaro Sissoco Embaló, aquele gesto "é como pendurar a língua no pescoço do gato".
"Mas felizmente, como Deus não dorme, vimo-los a denunciarem-se uns aos outros por causa da droga", afirmou Embaló, adiantando que os políticos que estão no poder atualmente na Guiné-Bissau trocam acusações sobre "quem trouxe e quem transporta a droga" e que o seu partido não parte desse debate.

A Polícia Judiciária guineense apreendeu no início deste mês quase duas toneladas de cocaína, que já foi incinerada, e deteve 10 pessoas.

Umaro Sissoco Embaló defendeu que se for eleito Presidente nas eleições de 24 de Novembro, a sua missão será a de "limpar a Guiné-Bissau", e que por isso anda com uma vassoura nas mãos e para que "ninguém escape" à sua ação.

O candidato suportado pelo Madem G-15, líder da oposição na Guiné-Bissau, não citou nomes, mas considerou que "de cada vez que certas pessoas estão no Governo ouve-se falar da droga" na Guiné-Bissau.

Sissoco Embaló disse que a sua candidatura visa a refundação do Estado guineense, que frisou estar hoje no chão, desencadear um verdadeiro processo de reconciliação dos cidadãos, acabar com a impunidade e dignificar as instituições, defendendo que a Guiné-Bissau "não pode ser uma República das bananas".
"Se for eleito Presidente, como serei eleito, posso garantir que os guineenses vão dizer de uma vez por todas que já encontraram a pessoa de que estavam à procura", defendeu Embaló, que saiu das instalações do Supremo Tribunal ao som da música dos seus apoiantes.
Rispito.com/Lusa, 18-09-2019

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público