quinta-feira, 31 de outubro de 2019

Novo Governo toma posse na Guiné-Bissau

default
A posse um novo Governo na Guiné-Bissau, liderado por Faustino Imbali. Executivo não é reconhecido pela comunidade internacional.

O novo Governo guineense anunciado esta quinta-feira (31.10) pelo Presidente do país, José Mário Vaz, inclui três ministros de Estado, entre os quais Aristides Ocante da Silva, indicado para a pasta dos Negócios Estrangeiros, Cooperação Internacional e das Comunidades.
Os outros ministros de Estado são Jorge Mandinga, que ocupa a pasta da Presidência do Conselho de Ministros e Assuntos Parlamentares, e Certorio Bioté, que tutela os Recursos Naturais e Energia.

Ocante da Silva é dirigente do Movimento para a Alternância Democratica (MADEM-G15), Jorge Mandinga, da Assembleia do Povo Unido, Partido Social-Democrata da Guiné-Bissau (APU - PDGB) e Certorio Bioté, o atual presidente em exercício do Partido da Renovação Social (PRS).

17 ministérios, 14 secretarias de Estado

No novo elenco destacam-se ainda o ex-primeiro-ministro Artur Sanhá, que entra para a pasta da Justiça e dos Direitos Humanos, Eduardo Costa Sanhá, atual mandatário de José Mário Vaz enquanto candidato às eleições presidenciais, que volta para a pasta da Defesa e dos Combatentes da Liberdade da Pátria, e Suca Intchamá que regressa para dirigir o ministério do Interior.

Victor Mandinga (vulgo Nado Mandinga) é novamente ministro da Economia e Finanças e Sola Nquilin é indicado para liderar a Administração Territorial e o Poder Local.

O novo Governo conta com seis mulheres: Celina Tavares, atual diretora-geral da Migração e Fronteiras, vai chefiar o ministério da Administração Pública, Trabalho, Emprego e Segurança Social, e Mamai Barbosa será ministra da Mulher, Família e Solidariedade Social.

A ativista social Helena Said foi nomeada secretaria de Estado da Cooperação Internacional, a jornalista Conceição Évora, indicada para liderar a secretaria de Estado da Juventude e Desporto; Cornélia Man irá liderar a secretaria de Estado da Cultura; Mónica Buaro, Ambiente e Biodiversidade, e Nhima Sissé, Turismo e Artesanato.

Comunidade internacional não reconhece

O Presidente guineense, José Mário Vaz, candidato às eleições presidenciais e cujo mandato terminou a 23 de junho, demitiu na segunda-feira (28.10) o Governo liderado por Aristides Gomes e nomeou no dia seguinte Faustino Imbali como primeiro-ministro da Guiné-Bissau.

A União Africana, a União Europeia, a CEDEAO, a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) e as Nações Unidas já condenaram a decisão do Presidente José Mário Vaz e disseram que apenas reconhecem o Governo saído das eleições legislativas de 10 de março, que continua em funções.

A Guiné-Bissau tem presidenciais marcadas para 24 de novembro e a segunda volta, caso seja necessária, vai decorrer a 29 de dezembro.
Rispito.com/DW, 31-10-2019

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público