terça-feira, 3 de março de 2020

Governo de Nuno Nabian tem 19 ministérios e 13 secretarias de Estado

Image result for governo de nuno nabian
O Governo da Guiné-Bissau liderado por Nuno Nabian, que tomou posse, segunda-feira (02), no Palácio da Presidência, em Bissau, tem 19 ministérios e 13 secretarias de Estado. Ainda não é conhecido quem vai chefiar o setor da saúde.

A ex-ministra dos Negócios Estrangeiros do Governo guineense liderado por Aristides Gomes, Suzy Barbosa, vai ocupar o mesmo cargo no executivo de Nuno Nabian, que tomou posse esta noite, segundo um decreto presidencial divulgado hoje à imprensa.

Outros dois membros do Governo chefiado por Nuno Nabian – que foi nomeado na sexta-feira pelo Presidente autoproclamado da Guiné-Bissau, Umaro Sissoco Embaló, após este ter demitido Aristides Gomes do cargo – são Botche Candé, como ministro do Interior, e Sandji Faty, no Ministério da Defesa.

Quadro ligado ao setor do Turismo, Mamadu Serifo Djakite, deputado do Madem G-15, antigo ministro dos Transportes e Comunicações quando Umaro Sissoco Embaló foi primeiro-ministro, é o novo ministro da Presidência do Conselho de Ministros e dos Assuntos Parlamentares.

Ex-presidente do parlamento e ex-chefe da diplomacia, atual deputado do Partido da Renovação Social (PRS), Jorge Malu, regressa ao Governo para ser ministro dos Recursos Naturais e Energia. É arquiteto de formação.

Já o ministro dos Transportes e Comunicações, Jorge Mandinga é um “fiel” de Nuno Nabian com quem partilha o mesmo partido, a Assembleia do Povo Unido – Partido Social Democrata da Guiné-Bissau. Jorge Mandinga é irmão de Victor Mandinga, deputado do Madem-G15, que foi nomeado para ministro da Economia, Plano e Integração Regional.

Secretário nacional do Madem G-15, pelo qual é deputado, Abel da Silva é o novo ministro da Agricultura e Desenvolvimento Rural.

Também de regresso ao Governo está João Fadia, para liderar as Finanças, cargo que já ocupou por diversas vezes. Não lhe é conhecida qualquer filiação partidária.

Também deputado pelo PRS, Botche Candé retorna ao Governo para chefiar o ministério do Interior, depois de ter estado na Presidência da República, como conselheiro de segurança do Presidente cessante, José Mário Vaz.

O jornalista Fernando Mendonça, elemento ligado ao ex-primeiro-ministro Carlos Gomes Júnior, de quem foi diretor da campanha eleitoral nas presidenciais, é agora o novo ministro da Justiça.

General na reserva e deputado pelo Madem G-15, Sandji Faty, antigo ministro da Educação, e ex-chefe do Estado-Maior do Exército, regressa ao Governo para chefiar a Defesa e os Combatentes da Liberdade da Pátria.

Para a pasta da Administração Territorial e Poder Local entra para o Governo Fernando Dias, líder da juventude do PRS, após ter sido diretor geral da Agência Nacional dos Carregadores.

Até aqui embaixador da Guiné-Bissau para países do Sudoeste Asiático, com residência em Pequim, na China, Malam Sambu é o novo ministro das Pescas. Sambu, engenheiro eletrotécnico formado na China, é quadro do PRS.

Para a pasta do Comércio e Indústria, entra António Artur Sanha, antigo secretário-geral do PRS, antigo primeiro-ministro e ex-presidente da Câmara Municipal de Bissau.

Ministro da Educação e Ensino Superior, Arsénio Jibril Baldé é o porta-voz do Madem G-15 e quadro sénior do ministério que agora vai tutelar.

Celina Tavares, do partido APU/PDGB, ex-emigrante nos Estados Unidos, vai liderar a pasta da Administração Pública, Trabalho, Emprego e Segurança Social. Chegou a ser diretora-geral dos Serviços de Migração, Estrangeiros e Fronteiras.

A jornalista Maria da Conceição Évora, antiga diretora geral do Desporto, primeira mulher na Guiné-Bissau a presidir a um clube de futebol (Atlético Clube de Bissorã) e ligada ao partido Madem G-15, é a nova ministra da Mulher, Família e Solidariedade Social.

Fidelis Forbs, do partido Madem G-15, regressa ao executivo para chefiar a pasta das Obras Públicas, Habitação e Urbanismo, depois de ter liderado o ministério dos Transportes e Comunicações.

Viriato Cassamá, considerado um perito guineense na área das mudanças climáticas, entra para o Governo como ministro do Ambiente da Biodiversidade, depois de vários anos na qualidade de diretor geral e rosto da Guiné-Bissau nos foros internacionais sobre as mudanças climáticas. É engenheiro ambiental formado em Portugal.

Umaro Sissoco Embaló, dado como vencedor da segunda volta das presidenciais da Guiné-Bissau pela Comissão Nacional de Eleições, tomou posse simbolicamente como Presidente guineense na quinta-feira, numa altura em que o Supremo Tribunal de Justiça ainda analisa um recurso de contencioso eleitoral interposto pela candidatura de Domingos Simões Pereira.

Na sequência da posse, o autoproclamado chefe de Estado demitiu Aristides Gomes do cargo de primeiro-ministro, substituindo-o por Nuno Nabian.
Rispito.com/África 21, 03-03-2020

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público