domingo, 26 de abril de 2020

Bispo de Bafatá explica que estado de emergência está a afetar muitas famílias

O bispo de Bafatá, na Guiné-Bissau, disse que num “dos 10 países mais pobres do mundo” o estado de emergência decretado por causa da pandmeia Covid-19 está a afetar a vida de muitas famílias, com o confinamento em casa.
“As pessoas não têm dinheiro para comprar o peixe, a carne, bastante e deixar armazenados até porque não teria como conservar. A maioria das pessoas nem tem luz elétrica, nem frigorífico, nem nada”, conta D. Pedro Carlos Zilli.

Num vídeo divulgado pela Fundação Ajuda à Igreja que Sofre (AIS), o bispo da Diocese guineense de Bafatá sublinha que as “dificuldade são enormes” no país lusófono e, “às vezes, na mesma casa moram muitas pessoas”.

O confinamento em casa, por causa da pandemia do novo coronavírus, pode revelar-se dramático, grande parte da população vive de uma economia informal, e o estado de emergência levou ao encerramento de mercados, das fronteiras e provocou um aumento nos preços dos bens de primeira necessidade.
D. Pedro Zilli é missionário na Guiné-Bissau há mais de 35 anos e explica que o país lusófono a “saúde é muito fraca”, em “tempos normais”, o Ministério da Saúde tem dificuldade mas destaca o seu trabalho e dos “médicos, enfermeiros”, de “sensibilização, de prevenção, de acompanhamento da situação” e o Governo, para além da Igreja.
“A Igreja Católica, através da Caritas, das paróquias, tem feito um bom trabalho de sensibilização, de prevenção, de ajudar as pessoas. A nossa rádio ‘Sol Mansi’ tem feito, graças a Deus, um bom trabalho nesse sentido também”, assinalou o bispo natural do Paraná, no Brasil.

A Fundação pontifícia Ajuda à Igreja que Sofre, que também monitoriza a liberdade religiosa no mundo, contabiliza que os cristãos representam cerca de 13% da população na Guiné-Bissau, os muçulmanos com mais de 45% são a religião principal, e 40% dos guineenses segue as religiões tradicionais.
“Temos rezado muito. Nós, os católicos, os evangélicos, os muçulmanos, a religião tradicional, todos estão em oração. Pedindo a Deus forças para trabalhar ainda mais, com coragem, na luta desta pandemia, deste sofrimento. E pedindo a Deus para que acabe com isso tudo, que Deus nos dê a graça de retornar à normalidade, ao nosso dia-a-dia”, desenvolveu o bispo de Bafatá.

D. Pedro Zilli partilhou que também tem “rezado bastante, talvez até mais do que noutros tempos”, divulga o secretariado português da AIS.
“Na minha oração coloco sempre o nosso mundo, a nossa África, a nossa Guiné-Bissau, o nosso Brasil, o nosso Paraná. Coloco todos nós na minha oração”, assinalou o bispo brasileiro.

Os bispos das dioceses católicas da Guiné-Bissau – D. Pedro Carlos Zilli  e D. José Camnate na Bissign (bispo de Bissau) – lançaram uma recolha de fundos, dentro e fora do país, para que as Cáritas guineenses possam ir ao encontro dos mais necessitados na luta contra a pandemia de Covid-19 no país lusófono
Rispito.com/Eclesia, 26/04/2020

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público