terça-feira, 7 de julho de 2020

"É uma perda de tempo PAIGC pensar em novo Governo"

Guinea-Bissau - Califa Seidi, Leiter der PAICG-Bank (Präsidentschaft von Guinea-Bissau)

Palavras são de um deputado do MADEM-G15, na véspera de um debate no Parlamento sobre a situação política e o apelo do Conselho de Segurança à formação de um novo Executivo. PAIGC pondera impugnar a sessão parlamentar.

O Parlamento da Guiné-Bissau debate esta terça-feira (07.07) a situação da tensão política que se vive no país, após aprovação do programa do Governo de Nuno Gomes Nabiam e o pronunciamento do Conselho de Segurança da ONU, que pede a formação de um novo Executivo com base nos resultados eleitorais, tal como recomendou a Comunidade Económica dos Estados de África Ocidental (CEDEAO), em abril. O debate foi requerido pela bancada parlamentar do PAIGC, durante a sessão desta segunda-feira (06.07).

"Estamos num momento muito difícil, no que concerne aos direitos humanos com raptos, sequestros, espancamentos e temos muitos outros exemplos do terror que ocorreram e que continuam a acontecer. Por isso, já fizemos a nossa declaração neste sentido para um debate", disse à DW África o líder da bancada parlamentar do Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC), Califa Seidi.

Na semana passada, a bancada parlamentar do PAIGC escreveu ao presidente do Parlamento, Cipriano Cassamá, alegando que não havia condições de segurança para o início da sessão parlamentar. Pediu que fosse protelada para uma outra data, devido a ameaças de que são alvo e aquilo a que descreve como "estado de terror" em curso no país. Cassamá indeferiu o pedido do seu partido.

"Indeferi o pedido do PAIGC, porque não tinha a condição moral para tal e a minha visão política não me orienta assim", disse o presidente do Assembleia Nacional Popular ao responder à pergunta da bancada do partido de que Cassamá é também segundo vice-presidente.

Impugnação judicial

O líder do Parlamento disse que não podia fazer nada para impedir o agendamento, discussão e consequente aprovação do programa de Governo liderado por Nuno Gomes Nabiam. Governo esse não reconhecido pelo PAIGC e a comunidade internacional.

À DW África, Califa Seide, líder da bancada do PAIGC, confirma que o partido vai recorrer a outras vias para impugnar judicialmente a sessão parlamentar do dia 29, em que se aprovou o programa do Governo, com os votos de cinco deputados do PAIGC, que compareceram na sessão contrariando as ordens dada pela comissão permanente do partido. "Estamos a trabalhar nisso e na devida altura iremos entregar o pedido [de impugnação]".

"O PAIGC continua a não reconhecer o atual Governo, porque resulta da subversão da ordem constitucional", disse Califa Seidi, reafirmando que o partido retomou o seu lugar no parlamento para "enfrentar com firmeza atos que colocam em causa o Estado de direito democrático" na Guiné-Bissau.

Novo Governo?

Guinea-Bissau Braima Camará MADEM-G15

Sobre a posição do Conselho de Segurança da ONU para a formação de um novo Governo, Nelson Moreira, deputado do Movimento para a Alternância Democrática (MADEM-G15), partido no poder atualmente, disse que a comunidade internacional estaria a criar instabilidade política se colocasse o PAIGC novamente na governação.

"É um desperdício e uma perda de tempo estar agora a pensar num Governo liderado pelo PAIGC, uma vez que o PAIGC já perdeu a maioria parlamentar. A maioria deslocou-se de lado na Assembleia Nacional Popular e é esse lado que tem agora a maioria é que deve formar o Governo, o que acontece", disse o jurista que é um dos advogados do partido liderado por Braima Camará.

O também deputado e dirigente do MADEM-G15 criticou ainda a mediação da comunidade internacional, tendo afirmado que a Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) podia ter resolvido o problema da Guiné-Bissau como fez na Gâmbia:

"O que aconteceu em Gambia? Yaya Djemé perdeu as eleições, felicitou Adama Baró, mais tarde recusou os resultados e queria recorrer ao Supremo Tribunal da Gambia, a CEDEAO diz-lhe não, pois já tinhas reconhecido o vencedor, agora não podes voltar atras. É exatamente o que está a acontecer na Guiné-Bissau, mas com a CEDEAO a ponderar muito".

A CEDEAO tinha pedido a formação de um Governo que respeitasse os resultados das legislativas até 22 de maio, mas o prazo não foi cumprido, porque os partidos com assento parlamentar, divididos em dois blocos, reivindicavam ambos ter a maioria para formar Governo.
Rispito.com/DW, 07/07/2020

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público