quarta-feira, 14 de outubro de 2020

JAAC EXIGE REPOSIÇÃO DA ORDEM CONSTITUCIONAL NO PAÍS

A Juventude Africana Amílcar Cabral (JAAC) promete desencadear uma serie de manifestações para exigir a reposição da ordem constitucional, uma vez que o Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo-Verde (PAIGC) é o vencedor da ultima eleição legislativa no país.

Decisão tornada publica, esta quarta-feira (14 de Outubro de 2020), numa conferência de imprensa, por Ussumane Camara, que falava em nome do secretariado nacional da JAAC.

Ussumane Camara alerta desde já a comunidade nacional e internacional, a Liga dos direitos humanos das “possíveis violações dos direitos que possam advir” dessas manifestações, que o mesmo considera de uma “luta democrática”.

Questionado sobre a declaração de presidente da república que afirma que o lugar do primeiro-ministro nao é negociável, Camara responde que o PAIGC é o vencedor das últimas eleições legislativas no país e  isso tambem é inegociável, apesar de “actualmente quem está a liderar o governo, nunca chegou a ganhar as eleições e só conta actualmente com um deputado no parlamento”. 

Entretanto, a solução para o PAIGC é “exigir a reconstrução da ordem constitucional”.

Na mesma conferência de imprensa, a JAAC não deixa de notar os últimos acontecimentos, nomeadamente; o espancamento de dois activistas políticos, facto que consideram de “abusiva violação da paz social e da democracia liberal”.

A juventude ainda renova a moção de solidariedade para com o antigo primeiro-ministro, Aristides Gomes, e de outros militantes do PAIGC que foram impedidos de sair de país.
Rispito.com/Radio Sol Mansi, 14/10/2020

 

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público