segunda-feira, 28 de dezembro de 2020

Guiné-Bissau terá que viver sem a presença da missão da ONU

Na Guiné-Bissau, o ano termina com novos e vários desafios para o país que vê partir o UNIOGBIS. Analistas defendem que diferentes atores guineenses assumam mais responsabilidades. 

Na Guiné-Bissau, o ano de 2020 ficará marcado pelo abandono de duas entidades internacionais que estavam no país para ajudar a construir e assegurar a paz e a estabilidade.

A ECOMIB, força militar da CEDEAO, deixou o país ao fim de oito anos de missão, enquanto, 21 anos depois, o Gabinete Integrado das Nações Unidas para a Consolidação da Paz (UNIOGBIS) termina a sua missão a 31 de dezembro e também vai abandonar a Guiné-Bissau.

Muitos questionam a eficácia da estrutura da ONU num país que ainda dá sinais das fragilidades políticas e institucionais que vêm de há muito e, depois de mais de duas décadas de trabalho, não foram superadas.

Observadores temem que os problemas deste ano, marcado por disputas políticas e conturbadas eleições presidenciais que resultaram na mudança da governação, transfiram-se para 2021 e precisem ser superados sem o apoio do UNIOGBIS. 

Mas, para o jornalista guineense, Bacar Camará, a missão política da ONU falhou e agora é a oportunidade de os guineenses promoverem o entendimento, através de um diálogo nacional.
"A presença e a ausência do UNIOGBIS [na Guiné-Bissau] não têm grande significado, porque mesmo com a presença do UNIOGBIS no país, a Guiné-Bissau nunca conseguiu chegar à uma estabilidade efetiva. Foram atrocidades, assassinatos e golpes de Estado assinalados com a presença do UNIOGBIS", avalia.
"Entendo que, realmente, a ausência do UNIOGBIS vai permitir um diálogo nacional e maior entendimento entre os guineenses, porque, contrariamente, o UNIOGBIS só veio agravar o entendimento entre os guineenses", acrescenta.

Com o abandono do país pelo Gabinete Integrado da ONU para a Consolidação da Paz, a agenda da Guiné-Bissau é magna e a responsabilidade é dos diferentes atores, defende Armando Lona, jornalista e antigo membro da missão política da ONU na Guiné-Bissau.
"Coloca-se a grande questão, a responsabilidade dos guineenses, políticos e atores sociais, sobre a necessidade imperativa de construir a estabilidade política e institucional neste país. É uma agenda magna que o país tem tido a dificuldade de consolidar. Já se ensaiaram pactos de estabilidade, mas esses pactos nunca saíram do papel para a prática", afirma. 

Há uma convergência de opiniões sobre os desafios que esperam a Guiné-Bissau no ano 2021 e há problemas sociais para resolver. Entre 4 e 8 de janeiro, há uma greve geral convocada pela União Nacional dos Trabalhadores da Guiné (UNTG).

Para a diretora da ONG "Voz di Paz", Udé Fati, nem tudo pode ser resolvido, mas há aspectos a tomar em conta:

"Não vamos ter condições para resolver todos os problemas que a sociedade está a enfrentar neste momento, que são quase problemas estruturais. Mas é bom que, no ano 2021, sejam traçadas condições para que a economia possa sustentar o desenvolvimento do país e é muito importante trabalhar também na redução da desigualdade social", considera.

O ano 2021 vai constituir a "primeira etapa" do percurso da Guiné-Bissau sem a presença do UNIOGBIS, que foi instalado no país em 1999. Para Armando Lona, são vários os problemas que devem ser superados para o alcance da estabilidade.
"É o protagonismo partidário, cada partido luta em torno dos seus objetivos e, para além dos objetivos partidários, temos os objetivos dos grupos, objetivos individuais, e este país acaba por se colocar numa posição de vulnerabilidade crónica", afirma.
"Associada a esta vulnerabilidade, temos uma outra situação de disputas geopolíticas regionais. Temos facções políticas, cada uma a ter patrocínio de um país vizinho", refere.

Para superar os problemas sociais, Udé Fati elege o reforço da igualdade de género.
"É bom pensar em tornar a igualdade de género numa agenda pública, onde as mulheres terão tratamento que corrija as desigualdades judiciais. Que a lei da paridade seja vista não só no seu limite inferior de 36%, mas que seja entendido que é possível muito além disso, criar melhores condições para que as mulheres possam contribuir para o bem do país", conclui.
Rispito.com/DW, 28-12-2020

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público