terça-feira, 12 de janeiro de 2021

Governo da Guiné-Bissau dá maior atenção à comunidade na diáspora – ministra

A ministra dos Negócios Estrangeiros da Guiné-Bissau afirmou hoje que o Governo está empenhado em dar maior atenção à comunidade guineense na diáspora, através da reestruturação das redes consulares e diplomáticas, importantes para capturar investimentos
“Entendemos que a Guiné-Bissau tem muito a ganhar com uma diplomacia ativa e dinâmica e que traga benefícios para o país, porque a diplomacia tem de ser, sobretudo, uma forma de ajudar ao desenvolvimento do país”, afirmou Suzi Barbosa.

A ministra dos Negócios Estrangeiros e da Cooperação da Guiné-Bissau inaugurou hoje o consulado-geral do país em Albufeira, no distrito de Faro, o primeiro na Europa.

Em declarações à agência Lusa, Suzi Barbosa afirmou que existe na nova dinâmica da diplomacia guineense, “a vontade de reestruturar todo o ministério e as redes consulares e diplomáticas, para tirar proveito desses benefícios, importantes para desenvolver a Guiné-Bissau”.
“O objetivo é captar investimentos, dar atenção à nossa comunidade na diáspora, porque uma comunidade na diáspora assistida vai ter condições e confiança de investir no seu país”, alegou.

Para a chefe da diplomacia guineense, o acompanhamento dos emigrantes através da rede consular “é um sinal de que o Governo se preocupa, está próximo, sendo uma garantia de que os governantes realmente se preocupam com eles”.

Questionada sobre se a renovação e adoção de uma nova diplomacia virada para os emigrantes guineenses não tardou a ser implementada, Suzi Barbosa afirmou que “nunca é tarde”.
“Dentro das possibilidades foi o mais rápido que foi possível, tendo em conta a situação da pandemia [de covid-19] que não tornou fácil organizar a abertura deste consulado-geral e também porque temos limitações financeiras e administrativas, mas mesmo assim fizemos o esforço de concretizar a promessa e abrir a primeira representação consular”, explicou.

A governante recordou que a promessa do Presidente da República da Guiné-Bissau de abrir a representação consular em Albufeira, a primeira na Europa, “foi um outubro e em menos de dois meses está a ser concretizada”.
“Foi até mais rápido do que muita gente pensava e aqui estamos hoje para provar que somos uma geração de concreto”, sublinhou.

Suzi Barbosa referiu que a escolha de Portugal para abrir o primeiro consulado-geral deve-se ao facto de ser o país “onde existe a maior comunidade residente na diáspora, e pelas boas relações históricas, políticas, diplomáticas e comerciais”.
“Nós temos Portugal como a segunda pátria. A grande maioria de nós temos familiares residentes, interesses no país e, por isso, justifica-se o interesse de abrir em Portugal”, enfatizou.

De acordo com Suzi Barbosa, depois de Portugal, o Governo da Guiné-Bissau pensa abrir um consulado-geral em Madrid (Espanha), “país onde também existe uma grande comunidade de guineenses e ampliar progressivamente a rede consular”.
“O objetivo é estar, cada dia, mais próximo da nossa comunidade para que sintam o Estado da Guiné-Bissau e não se sintam desamparados”, sustentou.

A ministra disse ainda que o Governo guineense está a trabalhar para combater a documentação fraudulenta, “com um trabalho que está a ser feito de origem para melhorar a credibilidade dos documentos”.
“Um dos projetos deste Governo é mudar toda a gama de passaportes, para tornar o documento cada vez mais credível e para que não tenha nenhum problema de autenticidade, ao mesmo tempo que se está a informatizar e modernizar os serviços de autenticação e de registo, para dar mais credibilidade à documentação e para que a Guiné-Bissau seja olhada com mais respeito e credibilidade”, concluiu.
Rispito.com/Visão, 12-01-2021

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público