segunda-feira, 29 de fevereiro de 2016

PAIGC NEGA A PROPOSTA DO PRESIDENTE DA REPUBLICA

Não existe crise que eternamente se permanece, mas esta da Guiné-Bissau, desta vez, veio para correr muita tinta e de persistir para mais algum tempo.

José Mário Vaz depois de  muitos dias levados a ouvir para decidir, acabou por relegar mais uma vez as partes desavindas a responsabilidade de procurarem formas de ultrapassar a crise mediante: 
  • Retirada das queixas de ambas as partes nas instâncias judiciais
  • Devolução dos 15 expulsos ao parlamento
  • Chefe de governo se empenhar para encontrar consenso de fazer passar os programas de governo e de OGE
  • Formação de um governo de unidade nacional
  • Ainda o comunicado do PR fala de "status quo"
Mas PAIGC rejeitou liminarmente a proposta apresentada pelo PR mediante alguns pontos que o veterano Manecas dos Santos levantou e explicou de seguinte forma:
  • O governo derrubado pelo PR ja era de unidade nacional onde livremente incluía todos os partidos com acento parlamentar e outros fora do parlamento. Então se um governo de unidade nacional era preciso não havia necessidades de derrubar o governo de DSP.
  • No que respeita ao "status quo" anterior que o PR refere aos 15 deputados expulsos, PAIGC entende que isso agora cabe a decisão judicial para dissipar esse imbroglio, em respeito de separação de poderes
  • O partido ainda insta o PR que o país não está a viver num momento pós-golpe de estado que requeira uma obrigatoriedade de formar governo de unidade nacional ou pacto de transição. Existe sim órgãos de soberania no país a funcionar;  um governo, um parlamento e um presidente de republica cobertos de todas as legalidades. E também é preciso não esquecer que o partido que ganhou as eleições foi com uma maioria absoluta.
Quem falou foi Manuel dos Santos, que garantiu já estando nas mãos do PR uma contra-proposta feita pela direção do partido PAIGC.
De outro lado, em comunicado à imprensa divulgada esta segunda-feira dia 29, a Comissão Permanente da ANP deixou claro que a crise politica não surgiu no parlamento, mas sim, ela nasceu com o derrube do Governo de DSP, em 12 de Agosto de 2015. 
Por isso, ANP Indica que todo o sistema democrático tem suporte a lei e todos os diferendos quer politico ou não, na falta de entendimento, passa necessariamente pelo tribunal porque é o único órgão vocacionado para fazer a justiça.
Rispito.com, 29-02-2016

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público