quinta-feira, 9 de junho de 2016

Membros do Governo abandonaram o Palácio do Governo 

Os membros do Governo de Carlos Correia barricados no Palácio do Governo acabaram de desocupar ainda esta tarde as instalações do Palácio do Governo.

Os ex-governantes deixaram o local graças a intervenção conjunta de um grupo de líderes religiosos sob a orientação do Bispo de Bissau, José Cannate Na Bissing, e a direção superior do PAIGC.

“Decidimos abandonar o Palácio do Governo de forma voluntária e consciente mas com condição de reposição da legalidade constitucional e respeito da vontade popular.” Disse Cadi Seide

Após quinze dias de barricada, finalmente os membros do Governo de Carlos Correia, militantes e simpatizantes do PAIGC acabaram de desocupar esta quinta-feira 09 de Junho, as instalações do Palácio do Governo.

O entendimento foi possível graças a mediação de Bispo de Bissau, Don Cannate Na Bissing, alguns líderes religiosos, a direção superior do PAIGC e a Comunidade Internacional.

De acordo com ex-ministra da Saúde Publica decidiram-se abandonar o Palácio do Governo de forma voluntaria e consciente mas com condição de reposição da legalidade constitucional e respeito da vontade popular, porque segundo a governante, cabe o PAIGC constituir o seu Governo enquanto vencedor das eleições na Guiné-Bissau.


Cadi Seide afirma que tiveram noite e segurança intensa de tentativa de tirá-los no local por via de força, diligenciaram-se e tomaram os mecanismos em defesa daquilo, para que haja segurança. Garantindo que a Comunidade Internacional sob a mediação de diocese de Bissau assumiu respeitar as suas exigências e a CEDEAO reafirma a vinda de quatro Chefes de Estado à Bissau, com vista a estabelecer um mecanismo de diálogo franco para que o país possa sair definitivamente nas crises cíclicas.
Rispito.com/Lai Baldé-correspondente, 08-06-16

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público