quarta-feira, 17 de agosto de 2016

PGR prendeu João Bernardo Vieira

O ex-Secretario de Estado de Transporte e comunicações e Porta-voz de governo, João Bernardo Vieira, acaba de ser detido por instruções de Procuradoria Geral da Republica.

No mandado de detenção vem a justificação de que, alegadamente, o João Bernardo Vieira não atendeu duas notificações emitidas pelo Ministério Publico. Segundo o causídico, a detenção do político, que ainda hoje completou 39 anos de vida, deve-se, segundo a Procuradoria, ao facto de João Bernardo Vieira ter desrespeitado uma ordem do Ministério Público que o convocou para uma audiência quando ainda era governante.
Notificações essas que Carlos Pinto Pereira,  advogado do ex-governante disse que, ele e o seu constituinte desconhecem da sua existência. Ainda que o Bernardo Vieira está disponível em responder, onde e quando e colaborar com a justiça no que quer que seja.
De acordo com o Pinto Pereira, se for o caso da falta de responder alguma notificação a razão da detenção, ele tem como provar que essa razão em causa é completamente falsa.

Fontes familiares adiantaram, por outro lado, que o político foi detido na sua residência por agentes da Polícia Judiciária que o conduziram para uma cela no centro prisional de Bandim, no centro de Bissau.

Lembra-se que no dia 12 do corrente, João Bernardo Vieira, disse que estava a ser perseguido pelo PGR que está a fazer de tudo para prender e humilhar os antigos membros do governo de DSP . 
Na mesma linha falou de forças ocultas que agora dão ordens de detenção, mas, o ex-governante afirma estar confiante na sua execução transparente da coisa publica e garante estar inocente de tudo quanto lhe querem imputar.
Rispito.com, 17-08-2016

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público