segunda-feira, 1 de agosto de 2016

União para a Mudança (UM)
Comunicado
Reunida na sua sede em Bissau, para análise da atual situação política no país à luz do Acórdão nº 4/2016 e da recente detenção ilegal do Deputado do PAIGC, Gabriel Só, a Comissão Permanente da União para a Mudança (UM),

Considerando o absurdo e a incongruência que constitui o Acórdão nº 4/2016, que ao invés de conhecer do requerido em relação à inconstitucionalidade do Decreto presidencial nº 2/2016, que nomeia um novo Primeiro-Ministro à revelia do partido vencedor com maioria absoluta das eleições legislativas, o PAIGC, preferiu enveredar pela via da tergiversação;

Constatando que o Acórdão nº 4/2016, contraria em absoluto e de forma aberrante o Acórdão nº 1/2015, que confere estatuto de “força de lei geral e obrigatória” a esta decisão do Supremo Tribunal de Justiça, não podendo ser em nenhum momento, posta em causa mesmo pela própria Suprema Corte e que obriga a que seja o PAIGC a indigitar o candidato ao cargo de Primeiro-Ministro;

Sabendo que as maiorias parlamentares são aferidas imediatamente após o anúncio dos resultados das eleições legislativas pela CNE, resultados esses confirmados pelo STJ e publicados em Boletim Oficial, não podendo por isso sofrer alteração;

Constatando que a dita nova configuração do Parlamento guineense intencionalmente sustentada pelo Presidente da República que cria uma alegada nova maioria resultante de uma aliança inconstitucional entre dois partidos e um grupo de deputados dissidentes, o que infringe deliberadamente o Regimento da ANP;

Verificando que a ser verídica, essa nova configuração e essa nova maioria deveriam ter, obrigatoriamente, reflexo na composição dos órgãos da ANP (Mesa da Presidência, Comissão Permanente e Comissões Especializadas), órgãos esses, em que o PAIGC, partido vencedor das eleições legislativas com maioria absoluta, continua por via disso a deter a maioria;
Preocupada com a degradação das condições de segurança a todos os níveis, o aumento de sinais evidentes do regresso do narcotráfico e do crime organizado e, a constante violação das liberdades, direitos e garantias constitucionais dos cidadãos, a exemplo do ocorrido com o sequestro do Deputado do PAIGC, Gabriel Só e as ameaças que impendem sobre membros de anteriores governos constitucionais;

Decide:
1. Lamentar profundamente o conteúdo do Acórdão nº 4/2016 proferido pelo STJ, que contraria de forma grosseira o conteúdo do Acórdão nº 1/2015, esperando que a bem da credibilidade e do bom nome do poder judicial, os Magistrados do Supremo Tribunal de Justiça, tenham sido movidos única e exclusivamente pelo princípio do respeito da lei e das suas consciências;

2. Repudiar de forma veemente a política de “dividir para reinar”, que vem sendo empreendida por Sua Excelência o Presidente da República, que ao invés de se afirmar como garante da unidade nacional e do respeito da Constituição, persiste na sua busca incessante do poder absoluto, o que em nada tem contribuído para a paz, a estabilidade e o entendimento entre os atores políticos guineenses;

3. Recomendar a Sua Excelência o Presidente da República para que se mantenha atento e coerente, cumpridos os prazos constitucionais, em relação à ausência de instrumentos indispensáveis de governação por parte do atual governo;

4. Manifestar a sua profunda estranheza pela ligeireza com que o Presidente da República vem tratando a problemática da madeira confiscada, ultrapassando os seus limites constitucionais e usurpando as competências do governo;

5. Condenar firmemente o sequestro do Deputado Gabriel Só, cujo processo de levantamento da imunidade estava em curso a nível do Parlamento e exigir a sua libertação imediata e incondicional aguardando a conclusão do processo na ANP e, proceder à consequente responsabilização dos autores desta medida ilegal e arbitrária;

6. Alertar a comunidade internacional para a tentativa de instauração a nível do país de um regime totalitário e repressivo e o risco crescente do recrudescimento da corrupção, do narcotráfico e do crime organizado, fatores que irão agravar a já de si precária estabilidade vigente e pôr em causa as conquistas democráticas alcançadas pelo povo guineense;

7. Apelar aos guineenses para que continuem firmes na luta pela construção na Guiné-Bissau, de um Estado de Direito democrático, onde reine a paz, a justiça, o progresso e o bem-estar de todos.
Feito em Bissau, aos 31 de Julho de 2016.

A Comissão Permanente da UM

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público