quarta-feira, 28 de dezembro de 2016

Guiné-Bissau desperdiçou duas oportunidades de cooperação com  China em 2016

A Guiné-Bissau desperdiçou duas grandes oportunidades no âmbito da cooperação com a China ao longo de 2016, afirmou o embaixador cessante da China, Wang Hua, em declarações ao jornal guineense “O democrata.”
O diplomata chinês especificou que a primeira delas ocorreu no passado mês de Julho, aquando do Fórum da Cooperação China/África, em que meia centena de países africanos levaram cerca de 300 projectos avaliados em 50 mil milhões de dólares, os quais a República Popular aceitou financiar.
Apesar de ter participado neste encontro, “a Guiné-Bissau não conseguiu apresentar uma ideia concreta, específica e viável, por falta de uma definição clara da sua política de cooperação com a China”, disse o embaixador.
Wang Hua assegurou que foi o seu país que tomou a iniciativa de mudar do antigo para um novo formato de cooperação entre os dois países, o que resultaria na assinatura, nomeadamente do acordo de cooperação no domínio agrícola com uma duração de 2 anos.
A outra oportunidade não aproveitada pela Guiné-Bissau, prosseguiu o embaixador, surgiu no decurso 5.ª Conferência Ministerial do Fórum de Macau, em que o então primeiro-ministro, Baciro Djá, à frente de uma delegação ministerial de sete pessoas, não conseguiu apresentar nenhum projecto viável capaz de mobilizar fundos do sector privado chinês.
Wang Hua, cuja missão termina no final do ano em curso, sublinhou que apesar de tudo a China procurou sempre minimizar os problemas da Guiné-Bissau e deu como exemplo a iniciativa do seu pais em perdoar a dívida de Bissau no valor de 30 milhões de dólares.
Por outro lado, salientou o diplomata, o governo chinês ofereceu este ano um apoio financeiro de 100 milhões de yuans para financiar alguns projectos de infra-estruturas da Guiné-Bissau, entre os quais a construção da auto-estrada Bissau/Safim.
Esclareceu que apoios deste género podiam ser em número muito maior, bem como por parte do sector empresarial chinês, não fosse a situação de instabilidade política institucional.
“Durante a minha estada na Guiné-Bissau trabalhei com seis primeiros-ministros”, disse, para exemplificar as constantes trocas de governo na Guiné-Bissau. 
Rispito.com/Macauhub, 28-12-2016

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público