sexta-feira, 6 de janeiro de 2017

TRÊS TÉCNICOS PORTUGUESES AJUDAM SELEÇÃO DA GUINÉ-BISSAU

A seleção da Guiné-Bissau conta com três técnicos portugueses que a ajudam a preparar-se para o Taça das Nações Africanas (CAN'2017), a disputar de 14 de janeiro a 5 de fevereiro no Gabão.

Filipe Moreira, treinador de guarda-redes, Nelson Pires, fisioterapeuta, e João Gião, especialista em metodologia de treino de campo, são vistos diariamente ao lado de técnicos guineenses na preparação dos 'djurtus'. 
Em declarações à agência Lusa, depois do primeiro e único jogo treino realizado pela seleção guineense diante dos jogadores que atuam no campeonato local, João Gião mostrava-se confiante com as indicações dadas pelos jogadores ainda que lamente que alguns estejam com ritmos diferenciados.

A Guiné-Bissau irá participar pela primeira vez na CAN'2017, os adeptos sonham e vaticinam bons resultados na fase de grupos, em que os 'djurtus' irão defrontar o Gabão, os Camarões e o Burkina-Faso, mas João Gião quer que se tenham "os pés bem assentes na terra".
O técnico luso lembra que é a primeira vez que a Guiné-Bissau disputa uma fase final e ainda por cima, realçou, terá pela frente seleções cujos jogadores "jogam regularmente a Liga dos Campeões".

"Não estamos a falar de adversários banais. Estamos a falar de equipas compostas por jogadores do topo mundial", enalteceu João Gião, destacando o avançado gabonês Aubameyang, que diz ser o melhor jogador africano do momento.
O treinador luso respeita os três adversários que a Guiné-Bissau defronta na fase de grupos, mas acredita na "humildade e capacidade de sofrimento" que os guineenses demonstraram durante o apuramento para superar as dificuldades. "O objetivo é dignificar o nome da Guiné-Bissau", sublinhou João Gião.

A imprensa desportiva do país tem criticado a opção do selecionador guineense, Baciro Candé, que preferiu levar mais médios do que defesas e avançados para a CAN, mas João Gião diz ser normal uma vez que cada um tem a sua opção.

A expectativa e ânsia que se reina entre os guineenses levou na aventura dos falsificadores a quererem aproveitar o momento para angariar algum dinheiro de forma ilegal.
Mas a iniciativa estoirou quando Polícia Judiciária desmantelou  rede montada de fabrico e venda de equipamentos contrafeitos da seleção de futebol.
O caso foi tornado publico quando  Fernando Jorge da Costa  em conferência de imprensa, disse que a PJ capturou 531 cachecóis, 100 camisolas e calcões e ainda 311 Chinelos com símbolos da Guiné-Bissau, fabricados ilegalmente por comerciantes chineses e da Guiné-Conacri. Neste momento o caso está seguir a tramitação legal para chegar aos tribunais .
Rispito.com/Lusa, 06-01-2017

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público