sexta-feira, 24 de fevereiro de 2017

Conselho de Segurança da ONU prolonga por mais um ano missão na Guiné-Bissau 

O Conselho de Segurança das Nações Unidas prorrogou a missão na Guiné-Bissau (UNIOGBIS) por mais um ano, anunciou hoje o escritório guineense da ONU
A tomada de decisão acabou por representar uma formalidade, dado que todos os meios e operações estão no terreno, sem alterações, pois a prorrogação já era assumida como um dado adquirido, tal como tem acontecido nos anos anteriores.

O mandato foi renovado numa reunião realizada na quinta-feira em Nova Iorque, sendo que o novo período de ação "terá início no dia 01 de março de 2017 e irá até 28 de fevereiro de 2018".
No final do encontro, o Conselho de Segurança manifestou-se preocupado com a crise política na Guiné-Bissau e instou as partes interessadas "a respeitarem e cumprirem rigorosamente o Acordo de Conacri e o roteiro da CEDEAO".

A Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) patrocinou um acordo entre dirigentes políticos de Bissau, assinado em outubro, na Guiné-Conacri, mas que teve diferentes interpretações e não chegou a ser aplicado.
O parlamento continua bloqueado e depois de o Presidente da República, José Mário Vaz, ter demitido o governo, em agosto de 2015, já deu posse a outros quatro executivos, mas ainda nenhuma conseguiu fazer aprovar um programa ou orçamento de Estado.

Os 15 membros do Conselho congratularam-se com o anúncio de "uma missão de alto nível que deverá chegar ao país sob a orientação da CEDEAO, como parte de um acompanhamento para a implementação do Acordo".

O Conselho de Segurança aponta como prioridades da UNIOGBIS: impulsionar o diálogo político inclusivo, a reconciliação nacional, a revisão da Constituição, a reforma do setor da segurança nacional e do Estado de direito, bem como o desenvolvimento de sistemas de justiça civis e militares compatíveis com as normas internacionais.

Foi ainda dado um voto de confiança à força policial e militar de estabilização, ECOMIB, composta por países do oeste africano, sendo solicitado à CEDEAO que mantenha esta força em funções para lá de 30 de junho - data prevista de desmobilização.
Rispito.com/Lusa, 24-02-2017

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público