quarta-feira, 1 de março de 2017

Autoridades tradicionais  exigem reabertura do Parlamento

Image result for Autoridades tradicionais da Guiné-Bissau exigem reabertura do ParlamentoOs régulos, autoridades tradicionais da Guiné-Bissau, querem ver o Parlamento a funcionar "nos próximos dias" para aprovação do programa de governo e Orçamento Geral do Estado, defendeu hoje um porta-voz dos patriarcas.
Augusto Fernandes, presidente da associação de régulos, diz que os chefes tradicionais foram mandatados pela população para "exigir ao Presidente do Parlamento" que reabra a instituição.
Na sexta-feira, os régulos tinham sido recebidos pelo líder do Parlamento, Cipriano Cassamá, que lhes disse que a retoma dos trabalhos parlamentares não depende da sua vontade, mas sim dos partidos.
"Quando o Presidente da República decidiu derrubar o primeiro governo constitucional desta legislatura, onde é que se encontravam os régulos", questionou o presidente do Parlamento, que vê na ação "uma encomenda de alguém".
"Não aceito pressão de ninguém, até porque eu apenas obedeço a lei", declarou o líder do Parlamento guineense.
Divergências entre as duas principais forças políticas no Parlamento, PAIGC e PRS, levaram ao bloqueio da instituição desde há cerca de ano e meio, pelo que sucessivos governos não conseguissem fazer aprovar os seus planos de ação ou propostas de orçamento.
Os régulos acusam Cipriano Cassamá de ser o principal responsável "pelo bloqueio no Parlamento", pelo que prometem "tudo fazer" para que a instituição volte a funcionar normalmente.
"O povo mandou-nos dizer-lhe que o Parlamento tem que voltar a funcionar normalmente", defendeu Augusto Fernandes, também conhecido por "Juiz do Povo".
Aquele responsável disse ainda que pode vir a criar e liderar grupos de pressão popular, constituídos por cidadãos que querem ver o Parlamento a funcionar, para obrigar Cassamá a fazer funcionar o hemiciclo.
Rispito.com/Lusa, 01-03-2017

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público