quarta-feira, 1 de março de 2017

BOAD volta a financiar Guiné-Bissau 

Image result for joao algae mamadou fadiaO Banco Oeste Africano de Desenvolvimento (BOAD) comprometeu-se a voltar a financiar projetos de desenvolvimento apresentados pelas autoridades da Guiné-Bissau, anunciou o ministro da Economia e Finanças, João Fadiá.
Os apoios tinham sido suspensos há mais de um ano perante a falta de pagamento da contrapartida por parte do governo guineense aos projetos em curso nos domínios da agricultura, energia e construção de estradas, bem como ao próprio banco.
O BOAD, banco que apoio o desenvolvimento de países da União Económica e Monetária de África Ocidental (UEMOA) enviou para Bissau uma delegação para negociar o reescalonamento da divida.
O banco aceitou o pagamento durante oito anos, com um período de carência de três anos, adiantou João Fadiá, anunciando também o desembolso de verbas do BOAD para projetos em curso.
De imediato, as empresas contratadas para a reabilitação ou construção de estradas urbanas em Bissau e aquelas que operam em projetos de produção de cereais na zona norte irão receber o correspondente a três mil milhões de francos CFA em atraso, indicou o ministro.
João Fadiá disse ainda que uma delegação do governo guineense estará estas quinta e sexta-feira no Togo, a sede do BOAD, para negociar o desbloqueamento de fundos para financiar o projeto de construção de linhas de condução da energia que virá da barragem de Kaleta, na Guiné-Conacri, até a Guiné-Bissau. O projeto também estava suspenso.
O ministro da Economia e Finanças guineense está igualmente confiante em que o conselho de administração do BOAD irá aprovar, ainda neste mês de março, o desbloqueamento de fundos para a construção da estrada que ligará as cidades de Buba e Catio.
As duas cidades, no sul da Guiné-Bissau, são consideradas zonas essenciais para a produção do arroz, base da dieta alimentar dos guineenses.
Rispito.com/Lusa, 01-03-2017

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público