quinta-feira, 18 de maio de 2017

Dissidentes do PAIGC querem reintegração de 200 mil militantes expulsos

Image result for TOMAS BARBOSA GUINE BISSAUOs dissidentes do Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC), principal formação política da Guiné-Bissau, defendeu a integração de cerca de "200 mil militantes" expulsos do partido, informou a Lusa.
Em conferência de imprensa, realizada quarta-feira ao final do dia, Tomás Barbosa, actual ministro do Desporto e Cultura e porta-voz de militantes dissidentes do PAIGC, disse que é errado que a direcção do PAIGC proponha a reintegração apenas dos 15 deputados expulsos.
Para Tomás Barbosa, a reintegração deve ser para os "mais de 200 mil militantes" que apoiam a visão do chamado "grupo dos 15".
 "A reintegração tem que ser a partir das bases do partido. Há muitos militantes de base, das estruturas intermédias, veteranos, jovens que foram expulsos que devem ser reintegrados", disse Barbosa.
O dirigente do PAIGC lembrou ainda que o Acordo de Conacri fala da reintegração sem qualquer negociação prévia, pelo que a diligência iniciada pela direcção daquele partido não faz sentido, ainda que seja um exercício necessário.
 O Acordo de Conacri é um instrumento político patrocinado pela Comunidade Económica de Estados da África Ocidental (CEDEAO) para acabar com a crise política que assola a Guiné-Bissau há quase dois anos.
O documento assinado por diferentes actores políticos guineenses prevê, entre outros, a reintegração dos deputados expulsos do PAIGC e a formação de um governo de consenso de todos, cujo primeiro-ministro seja uma figura de confiança do Presidente, José Mário Vaz.
A direcção do PAIGC disse estar aberta para reintegrar os 15 deputados expulsos em Janeiro de 2016 por terem votado contra o programa do governo que estava a ser debatido no Parlamento.
Rispito.com/Lusap, 18-05-2017

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público