quinta-feira, 21 de setembro de 2017

Angola aguarda "estabilidade política na Guiné-Bissau" para retomar cooperação

O embaixador de Angola na Guiné-Bissau, Daniel António Rosa, afirmou hoje que Luanda aguarda que haja estabilidade política para retomar os projetos de cooperação com o Governo guineense, entre os quais o da exploração da Bauxite.
Angola tem estado em contato com as autoridades da Guiné-Bissau, "mas aguarda que haja estabilidade política" na Guiné-Bissau para retomar os projetos, nomeadamente o de exploração da Bauxite guineense, disse o embaixador.
Daniel António Rosa falava aos jornalistas depois de um encontro com o chefe de Estado da Guiné-Bissau, José Mário Vaz, para entregar o convite formal para as cerimónias de tomada de posse do Presidente eleito de Angola, João Lourenço, que se vão realizar na terça-feira.
Segundo o embaixador angolano, o projeto de exploração daquele mineral está orçado em mais de um mil milhões de dólares.
"O bauxite é um dos dossiês que temos com a Guiné-Bissau e acreditamos que não vai morrer, mas tudo dependerá da estabilidade política na Guiné-Bissau", defendeu ainda António Rosa.
Nas declarações aos jornalistas, António Rosa recordou que a cooperação foi suspensa na sequência do golpe militar ocorrido em Bissau em abril de 2012, que levou a saída forçada do contingente do exército angolano estacionado na Guiné-Bissau, Missang.
O embaixador angolano frisou que as autoridades de Luanda "não têm nenhuma saudade em recordar" o que se passou na altura do golpe militar em Bissau e só vão retomar os projetos de cooperação no domínio das Forças Armadas com a Guiné-Bissau depois da realização de uma "comissão mista" em Angola.
Rispito.com/Lusa, 21-09-2017

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público