quinta-feira, 26 de outubro de 2017

ECONOMIA GUINEENSE FINALMENTE A CRESCER! E AGORA?

Aliu Soares Cassamá
Quando a economia cresce, o Estado deve gastar menos para não exacerbar o ciclo económico e ganhar folga financeira para poder gastar mais quando vier novo ciclo negativo. Chama-se a isto gestão contra-cíclica.

Neste momento,o crescimento económico está nos 5,8%, acima de alguns países da UEMOA. O deficit público parece controlado e a Guiné-Bissau ganhou maior credibilidade junto das instâncias financeiras internacionais (FMI,BANCO MUNDIAL,BAD,BOAD, entre outros).
A que se devem estes bons resultados ? 
Em primeiro lugar,gostaria de alertar para um erro típico de analistas e comentadores que é tentarem explicar fenómenos económicos estruturais com base em políticas conjunturais. Tal crescimento é impulsionado principalmente pela consolidação fiscal,e por uma melhor gestão da Tesouraria Pública, que são dois vectores importantíssimos para este crescimento. O debate sobre qual é o Governo que tem o mérito destes resultados é um debate inútil e contraproducente pois sugere que as dinâmicas económicas reagem imediatamente a políticas orçamentais.
Infelizmente, este governo não dispõe destes instrumentos e a gestão do país está a ser feita com base em duodécimos.

Não vale a pena,portanto,debater qual governo tem mais mérito, mas vale a pena debater o que deve o actual governo fazer neste novo contexto. É que o acelerar do crescimento económico desde o terceiro trimestredeste ano, o que acontece pela primeira vez em seis anos,significa que o governo guineense tem finalmente opções políticas e económicas de fundo à sua disposição, em vez de apenas tentar gerir uma crise financeira sem disporde margem de manobra nenhuma.

Congratulo-me, pois, com a gestão das nossas finanças públicas efectuada pelo actual ministro das Finanças, Dr. João Aladje FADIA. Em momentos de crise financeira corta-se nas despesas para se evitar o agravamento do deficit e do consequente endividamento, e em alturas de crescimento económico,com maiores receitas fiscais e menos despesas,tem-se margem para gastar mais,aumentando salários e realizar despesas adiadas,sem aumentar muito o deficit público.

Precisamente porque a economia está a crescer,o Estado tem uma oportunidade única de conter os seus gastos de forma a conseguir anular o deficit público. O Estado pode também aproveitar para acumular uma almofada financeira elevada para reduzir o risco inerente à gestão da dívida. Sobrará, ainda, folga para relançar uma política criteriosa de investimentos públicos estratégicos pois,essa sim, exige um debate aprofundado e um consenso alargado entre os diferentes órgãos da soberania.

Se este crescimento se mantiver o país estará em condições de contra-atacar a próxima crise,quando ela aparecer, seja a mesma provocada por uma nova crise financeira ou porqualquer crise politica. E se a crise não aparecer tão cedo,podemos finalmente começar a corrigir os erros do passado, reduzir o peso da divida e ganhar autonomia para o futuro.
Mestre Aliu Soares CASSAMA
Outubro, 2017
OBS: Todas as palavras aqui transcritas, são da inteira responsabilidade do seu titular (autor)

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público