sexta-feira, 27 de outubro de 2017

Guiné-Bissau - sociedade vulnerável abre portas ao extremismo religioso

Têm surgido denúncias sobre a alegada existência de extremismo religioso trazido por estrangeiros. O investigador guineense Hamadou Boiro diz que o país é campo fértil para organizações radicais islâmicas.
O padre Domingos da Fonseca afirma que, tendo em conta as vulnerabilidades da Guiné-Bissau, já alertou as autoridades para este fenómeno do extremismo religioso. De acordo com Domingos da Fonseca, o facto da Guiné-Bissau ser um "país laico" abre portas a "qualquer confissão religiosa, desde que não se torne foco de tensão e de conflito". "Estamos a ser invadidos por muitas confissões religiosas que entram com muito dinheiro. Com que finalidade? Não sabemos", responde.

Para o também presidente da Comissão Organizadora da Conferência Nacional Caminhos para a Consolidação da Paz e Desenvolvimento, é importante que se faça o levamento das confissões religiosas no país, procurando "conhecer a filosofia de cada uma delas". "Os políticos devem estar muito atentos à diversidade religiosa, porque isso pode constituir uma riqueza para o país,  como também pode constituir perigo", alerta.  
Sociedade suscetível de ser "instrumentalizada”
Hamadou Boiro, investigador do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisa (INEP), reconhece que a comunidade islâmica guineense é suscetível de instrumentalização, visto que dispõe de poucos conhecimentos sobre o islão.
Uma realidade que, de acordo com este investigador, faz da Guiné-Bissau um campo fértil para as organizações radicais islâmicas. Os extremistas "vão para uma sociedade, um país, onde há pouco conhecimento sobre o islão", vão "dividir para melhor reinar". No caso específico da Guiné-Bissau, os extremistas "vão ver as divergências entre mandingas e fulas. As duas comunidades são muçulmanas, mas com alguns problemas ligados à história. Eles aproveitam-se desses problemas para os seus fins", explica Hamadou Boiro.
Perante estas ameaças, também o antropólogo guineense defende um estudo aprofundado sobre as atividades de seitas islâmicas no país, destacando os ramos xiita e sunita da religião. Para o Hamadou Boiro, a não realização deste estudo fará com que o país continue "a navegar nas águas turvas, o que é muito grave".
Atualmente, há pessoas das "etnias muçulmanas, tanto fulas como mandingas e beafadas, que vão estudar o alcorão na Arábia Saudita, Irão ou na Turquia. Se há extremistas que financiam os estudos destas pessoas - tendo em conta que o árabe não é a nossa língua oficial -, qual é o objetivo deste financiamento? Nós temos que saber", afirma Hamadou Boiro. O investigador do INEP questiona ainda a proveniência dos fundos que suportam as atividades religiosas no país. 
A inquietação sobre o radicalismo religioso na Guiné-Bissau surge depois do alerta de Bubacar Djaló, presidente da União Nacional dos Imãs da Guiné-Bissau. Numa entrevista à agencia de notícias Lusa, Bubacar Djaló afirmou que o radicalismo no país está a ser conduzido por cidadãos estrangeiros provenientes do norte da África e Médio Oriente. Segundo o líder dos imãs guineenses, estes extremistas "aproveitam-se da pobreza e da falta de formação de muitos guineenses" para lhes incutir o radicalismo.
Rispito.com/DW, 27-10-2017

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público