quarta-feira, 11 de abril de 2018

CEDEAO em Bissau para procurar solução para crise

defaultO presidente da comissão da CEDEAO encontrou-se esta terça-feira com José Mário Vaz, um dia antes da chegada a Bissau de uma missão de alto nível. Partido da Convergência Democrática espera atitude firme da comunidade.

A Guiné-Bissau continua à espera de uma solução para a mais longa crise política vivida nos últimos anos. O país está a ser gerido por um governo demissionário há mais de 80 dias. E o novo primeiro-ministro, Artur Silva, ainda não conseguiu o apoio dos partidos para constituir o seu elenco.

Para tentar alcançar uma solução que permita formar um novo Governo que, por sua vez, terá a missão de organizar as próximas eleições legislativas, chegou esta terça-feira (10.04) à capital guineense o presidente da comissão da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO).

Jean-Claude Kassi Brou encontrou-se com o Presidente da Guiné-Bissau, José Mário Vaz, e com o presidente do Parlamento, Cipriano Cassamá, antecipando a vinda da missão ministerial do alto nível, que chega quarta-feira a Bissau.

Aos jornalistas, disse apenas que está em contacto com as autoridades "para discutir a crise política", remetendo mais detalhes da missão para a delegação ministerial que irá reunir-se com as partes signatárias do Acordo de Conacri.

Aos microfones da DW África, Vicente Fernandes, líder do Partido da Convergência Democrática (PCD), partido com representação parlamentar e um dos signatários do Acordo de Conacri, diz esperar uma atitude firme da CEDEAO.

"Penso, desejo e sonho que, de facto, eles (a CEDEAO) definitivamente tomem uma posição tendente a impor, agora não é a exortar, mas sim impor ao Presidente da República que nomeie o primeiro-ministro de consenso no Acordo de Conacri, que é Augusto Olivais", afirma Vicente Fernandes.

"Já lá vão dois anos desde que assinamos o acordo e nada foi feito para a sua implementação", sublinha ainda. O Acordo de Conacri foi elaborado devido à falta de consenso entre as várias forças políticas e previa a nomeação de um primeiro-ministro de consenso. Agora vai voltar a ser analisado porque a CEDEAO entende que ainda não foi posto em prática.

A missão de alto nível da CEDEAO é liderada pelo chefe da diplomacia do Togo, Robert Dussey, e durante a sua estada em Bissau vai reunir-se com as "autoridades e atores políticos no quadro da implementação do Acordo de Conacri."

Com o agudizar da crise, agudiza-se também a situação social. O país depara-se com longos cortes de energia eléctrica e no fornecimento de água potável.

Segundo a diretora de operações do Banco Mundial para a Guiné-Bissau, Louise Cord, a atual situação política no país está a dificultar o trabalho da organização no apoio ao combate à pobreza.

"Temos uma estratégia para apoiar a Guiné-Bissau nos próximos três anos e gostávamos de continuar a implementar esta estratégia para reduzir a pobreza, mas é muito importante para nós que exista um Governo efetivo com o quem possamos implementar estes programas e espero que isso aconteça brevemente", disse esta terça-feira (10.04).

São esperadas grandes novidades no plano político em Bissau durante esta semana. No próximo sábado (15.04), os líderes da CEDEAO reúnem-se em cimeira extraordinária com um único ponto: o impasse político na Guiné-Bissau e medidas para sair da crise. A cimeira terá lugar em Lomé, no Togo.
Rispito.com/DW, 11-02-2018

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público