terça-feira, 8 de maio de 2018

funcionários públicos em greve

Primeiro de três dias de greve na Função Pública guineense convocada pela UNTG, para exigir reajustes salariais e o cumprimento do entendimento alcançado com o governo e a principal central sindical em Dezembro de 2016.

mediaA greve de três dias na Função Pública guineense que começou esta segunda-feira (7/05) destina-se a exigir o reajuste de salários, tal como sucedeu no ano passado, para exigir o cumprimento do memorando de entendimento assinado pelas partes a 14 de Dezembro de 2016.

Em Agosto de 2017 a greve foi suspensa depois de o governo ter prometido a sua implementação, sobretudo no que diz respeito ao reajuste das tabelas salariais e remunerações acessórias nas diferentes instituições públicas, mas até hoje nada aconteceu.

A adesão hoje foi importante segundo a comissão negocial, com destaque para os ministérios das Finanças, da Justiça, o hospital Simão Mendes e outros serviços.

O Sindicato dos Trabalhadores de Saúde não aderiu a esta greve, por achar o momento inoportuno, apesar de estar de acordo com as reivindicações decidiu "dar um tempinho ao governo para analisar o processo" como refere o presidente deste sindicato Domingos Sami que afirma ainda que os "sindicatos não têm propostas de grelha salarial".

O primeiro-ministro Aristides Gomes admite que a reivindicação dos trabalhadores é justa, mas o momento não é oportuno.

A Guiné-Bissau tem cerca de 32 mil funcionários públcos e o salário mínimo pago na Função Pública é de 30 mil FCFA (cerca de 45 euros) o que em líquido representa cerca de 29 mil FCFA.
Rispito.com/RFI, 08-05-2018

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público