quinta-feira, 14 de junho de 2018


A PROBLEMÁTICA DO ENDIVIDAMENTO DAS FAMÍLIAS GUINEENSES!

Nos últimos tempos, o endividamento das famílias guineenses subiu em flecha. Vários factores conjunturais explicam esse aumento acentuado. 
O aumento do funding dos bancos comerciais (ORABANK,BAO,ECOBANK,BDU,BANCO ATALNTIQUE) aliado a outros factores como o aumento da concorrência entre os bancos, a descida das taxas de juro (de 12%para 9%) praticadas nas operações de crédito, a bancarização do salário dos funcionários públicos, a forte competição entre a oferta, as inovações financeiras e o afrouxamento de algumas restrições permitiu que um número maior de famílias tivesse acesso a crédito. 

O surgimento de novos bancos (ORABANK, ex BRS e o Banco Atlantique) e o fim do monopólio do BAO levou a uma enorme concorrência. Afim de ganhar vantagens no mercado, a banca facilitou o processo de obtenção de crédito não avaliando, talvez, na sua plenitude, o risco dos clientes. Toda esta situação levou a que as famílias consumissem mais do que o seu rendimento disponível, sobreendividando-se. 

Num contexto de emprego e níveis de confiança elevados, as famílias guineenses anteciparam um aumento do seu rendimento e endividaram-se sobretudo para consumo. Algumas passaram a consumir mais do que o seu rendimento disponível, levantando a questão do sobreendividamento, ou seja, da sustentabilidade ou não do serviço da divida a prazo. 

E o crédito às famílias na Guiné-Bissau cresceu em média 22 por cento tendo como principal impulsionador o segmento do crédito ao consumo. Para evitar situações de incumprimento, tornou-se essencial uma melhor avaliação do risco de crédito por parte das instituições bancáriastendo,nesse sentido, o Banco Central dos Estados da África Ocidental (BCEAO), entidade que regule o sector bancário no espaço UEMOA,aumentado o requisito mínimo de provisões para crédito ao consumo, que entretanto cresceu aritmo acelerado. 
O elevado endividamento das famílias e a reduzida confiança fizeram rever em baixa as expectativas das empresas quanto à evolução futura da procura constituindo um desincentivo ao investimento. 
Uma solução para ajudara resolver o problema do excessivo endividamento das famílias guineenses poderá ser a melhoria salarial sustentada não obstante a fraca produtividade que se verifica no país em diferentes sectores, sobretudo na função pública. 

Os bancos estão a jogar um papel relevante neste aspecto. Como não temos ainda um mercado financeiro pujante, ficam os bancos como os únicos meios onde se pode ir buscar dinheiro. 

Mas as relações entre as famílias e as instituições bancárias têm de se basear num permanente aconselhamento. Em minha opinião, enquanto bancário, as instituições bancárias devem antes de mais ter mecanismos para sugerir o que é melhor para as famílias, mais do que proporcionarem crédito, os bancos devem sugerir às famílias as opções de que dispõem. 

Espero apenas que haja um mecanismo para travar o elevado endividamento das famílias. 
Se os bancos precisam de dinheiro e o vão buscar às famílias e às empresas, é necessário que haja prudência e razoabilidade. 
O elevado consumismo das famílias guineenses pode leva-las a endividarem-se desenfreadamente. Penso que o aconselhamento deve funcionar completamente para permitir que as famílias reflictam antes de se endividarem. 
‘’A dívida movimenta a economia. Permite que as pessoas façam grandes investimentos mediante o compromisso de obter receitas futuras.’’ 
Numa economia com pouca folga orçamental como a nossa e onde o endividamento das famílias é elevado, para evitar uma recessão mais profunda e prolongada o governo deve criar um programa abrangente para reestruturar a dívida das famílias. 
Os actuais níveis de endividamento das famílias poderá provocar sérios problemas sociais, tendo em conta as carências e limitações financeiras com que a maioria se debate. 
Será que sabemos verdadeiramente como poupar? 
Será que recolhemos informações sobre o financiamento que necessitamos junto de várias instituições financeiras e sabemos escolher o crédito mais vantajoso? 
Será que nos preocupamos em saber todas as implicações legais futuras dos contratos de crédito que assinamos? 
Será que pedimos esclarecimentos ao nosso banco em relação às questões que não compreendemos? 
Pois bem, se respondemos negativamente à maior parte destas questões, importa agir o mais rapidamente possível. Sejamos prudentes com a banca. 
Para concluir, gostaria de deixar algumas recomendações: 
Um amplo programa de alfabetização financeira seria o ideal 
Os consumidores devem recorrer a produtos financeiros que não coloquem em risco o seu orçamento familiar e fazerem adesões ao crédito com responsabilidade 
 Os consumidores não devem aceder os produtos acima do seu rendimento familiar e devem sempre analisar os riscos.
Apenas uma Contribuição, enquanto bancário!

Mestre : Aliu Soares Cassamá
OBS: Todas as ideias aqui transcritas são da inteira responsabilidade do seu titular (Autor)

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público