sexta-feira, 6 de julho de 2018

Baciro Djá ouvido no Ministério Público

O antigo primeiro-ministro, Baciro Djá deslocou-se hoje para o Ministério Publico, para dar explicações sobre os 500 milhões de francos CFA que era destinado para a construção de Avenida João Bernardo Vieira e sobre o seu futuro político à frente da sua formação política.

Djá disse  ser um politico de mãos limpas e sério mais do que proprio Presidente da Republica, razões pelas quais se disponibilizou a titulo de cidadão simples, sem capote parlamentar, para esclarecer aos guineenses sobre o paradeiro do dinheiro em causa

Ouvido pelo Ministério Público no âmbito do processo da soma em causa, Baciro Djá exibiu o anexo em baixo em como provas de que devolveu esse dinheiro na conta do tesouro publico, num gesto que convidou todos os seus amigos e colegas politicos de se adotarem uma ética identica sempre que está em causa a coisa publica.
Contudo sublinha que já mais voltará a falar desse assunto.

Ao falar sobre o seu futuro politico, enfatizou que fazia parte da coletividade dos dissidentes e expulsos do PAIGC, e se o denominado Grupo dos 15 tem mãe então ele é o pai, mas agora deixou-os de lado com garantias de que está num espaço onde a sua conciencia não é violentada. Porque não pode estar em nenhum forum onde a sua conciência é violentada.

Dja disse que veio para politica porque confia nos valores que nortearam a luta de independencia e nos valores da democracia, que é trazer o bem estar para o povo.
Seu avó e seu pai moreram nestes valores, por isso é que ele se disponibilizou para defender os mesmos valores, não para buscar dinheiro ou posição, mas porque tem uma missão histórica para cumprir.

No fim, Djá lançou convite  para que num momento proprio todos se juntem no seu projeto politico que ele chama de frente patriotica de salvação, com objetivo de moralizar o estado, do qual garante ser alternativa viavel para o país e o povo em geral.

Rispito.com, 06-07-2018

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público