segunda-feira, 2 de julho de 2018

Constituição do MADEM- G15

Dois mil e dusentos delegados, vindos de todos os cantos da Guiné-Bissau e algumas partes do Mundo, estão reunidos no congresso constituinte do MADEM- G15, Movimento de Alternância Democrática, um movimento criado por dissidentes do PAIGC, essencialmente apoiantes dos 15 deputados expulsos do PAIGC.

É um congresso que vai consagrar Braima Camará como líder do grupo cujo objectivo, como é abertamente assumido, é levar o PAIGC a perder as próximas eleições legislativas projectadas para 18 de Novembro.
Nos discursos de abertura do congresso consultivo, o MADEM assume-se como um movimento de dirigentes e militantes que foram banidos do seu próprio partido, o PAIGC e que agora se viram obrigados a tomar o seu próprio rumo político.
Sob o lema alternância patriótica para uma mudança positiva, o MADEM funda-se como movimento que pugna pela unidade, justiça e progresso da Guiné-Bissau.

O movimento que não é um partido político diz-se predisposto a participar já nas próximas eleições legislativas ainda que nas listas de um partido.
O próprio líder do Movimento, Braima Camará, já admitiu,várias vezes, ser possível que o MADEM se venha a juntar ao Partido da Renovação Social (PRS) nas próximas eleições.

Três notas de relevo na abertura do congresso do MADEM: O PAIGC não se
fez presente no ato, embora convidado, Umaro Cissoko Embalo, antigo primeiro-ministro está presente e Botche Candé, antigo ministro do Interior, que era dado como um dos apoiantes do movimento, não foi visto na abertura do conclave.
Rispito.com/RFI, 02-07-2018

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público