terça-feira, 3 de julho de 2018

Ministro do Comércio guineense nega acusações de agricultores sobre mau preço na compra do caju

O ministro do Comércio guineense, Vicente Fernandes, negou as acusações de vários agricultores do país que o responsabilizam pelo "mau preço" na compra da castanha do caju, principal produto agrícola e de exportação da Guiné-Bissau.
O Presidente da Guiné-Bissau, José Mário Vaz, fixou o preço de 1.000 francos CFA (cerca de 1,5 euros) para compra de cada quilograma da castanha, mas passados alguns meses sem que o produto fosse comprado pelos comerciantes, o novo ministro do Comércio, Vicente Fernandes, sob orientação do Governo, liberalizou o preço.

Nos últimos dias, a castanha tem sido comprada a 400 ou 500 francos CFA, o quilo, o que para muitos agricultores foi uma situação provocada pelo pronunciamento do ministro que acusam de "estragar a campanha".

"Estão a dizer que estraguei a campanha. Não é bem assim. Eu fui o bombeiro da campanha, quando vi que ela ia ser estragada por outros", declarou Vicente Fernandes, num encontro, em Gabu, no leste da Guiné-Bissau, com alguns camponeses.

"Eu não posso tratar mal os camponeses, porque também sou filho de um camponês. O meu pai, infelizmente já falecido, trabalhou, duro, no campo como vocês para que eu possa ser hoje um doutor. É isso que quero para vocês, que consigam ter as mesmas oportunidades de mandar os vossos filhos para escola", observou o governante.

Vicente Fernandes acusou o Presidente guineense de estar a utilizar a campanha de comercialização da castanha de caju para visar a sua reeleição em 2019.
"Há uma pessoa que quer atirar a poeira para os olhos do povo, porque quer garantir a sua reeleição enquanto Presidente da República no próximo ano, por isso quer enganar o povo com isto da castanha do caju", destacou Fernandes.

O ministro disse que ainda não estava no Governo, mas já defendia que o preço de 1.000 francos CFA por quilo não ia resultar.

Vicente Fernandes pede aos camponeses que vendam a castanha "enquanto é tempo", antes que a chuva se intensifique no país, caso contrário os compradores indianos e vietnamitas irão recusar o produto.
"Com a chuva o indiano ou o vietnamita, que têm o dinheiro, começam a dizer 'no good, no good' ('não é bom, não é bom') e não compram mesmo. Aí o Estado não pode fazer nada para os obrigar a comprar", alertou Fernandes, exortando os camponeses a não darem ouvidos "aqueles que enganam", com "promessas de milagres".

O governante referia-se ao preço de 1.000 francos CFA o quilo, que disse, "nunca vai chegar".
Rispito.com/Lusa, 03-07-18

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público