sexta-feira, 7 de setembro de 2018

Grupo da sociedade civil considera inviável realizar eleições a 18 de Novembro

Guiné-Bissau, mesa de voto, 2014
O Grupo das Organizações da Sociedade Civil para as Eleições (Gosce) diz que étecnicamente é inviável o cumprimento da data de 18 de Novembro para a realização das eleições legislativas, sem o risco de violação da Lei eleitoral e os calendários nela previstos.
O grupo quer que o governo convoque todos os partidos com representação parlamentar, signatários do acordo de Conacri, o P5 e a sociedade civil, para a validação de uma nova data sem pôr em causa o carácter legal do processo.

O objectivo é " influenciar uma maior participação dos actores da sociedade civil, de um lado, e por outro lado, dos actores políticos, que são, na verdade, um dos elementos essenciais para que as eleições possam decorrer de uma forma pacifica, justa e transparente”, diz Rui Jorge, do Gosce.

O grupo pede também a suspensão do recenseamento eleitoral e todos os anúncios relacionados ao nível da comunicação Social.

A posição do Gosce acontece 15 dias depois do governo não conseguir dar iniciar ao processo de recenseamento eleitoral, mesmo com vários apelos à comunidade internacional.

Em relação a isso, Jorge diz que “o cronograma anteriormente difundido já é extemporâneo. O que resta é começar a discutir um novo cronograma, de acordo com a legislação eleitoral, porque qualquer tentativa de avançar com a eleições sem cumprir com os pré-requisitos legais pode despoletar em situações não desejáveis”.
Rispito.com/VOA, 07-09-2018

Sem comentários:

Publicar um comentário

ATENÇÃO!
Considerando o respeito pala diversidade, e a liberdade individual de opinião, agradeço que os comentários sejam seguidores da ética deontológica de respeito. Em que todas as pronuncias expressas por escrita não sejam viciadas de insultos, de difamações,de injúrias ou de calunias.
Paute num comentário moderado e educado, sob pena de nao sair em público